Desmatamento da Floresta Amazônica – Principais causas e consequências

Em estudo recente, pesquisadores apontam que o desmatamento da Amazônia está se aproximando de um ponto irreversível. Veja as principais causas.


Dividida entre os estados brasileiros do Acre, Amapá, Amazonas, Mato Grosso, Pará, Rondônia, Roraima Tocantins e parte do Maranhão e nos países vizinhos Venezuela, Colômbia, Peru, Equador, Bolívia, Suriname, Guiana e Guiana Francesa, a Floresta Amazônica ocupa cerca de 7% da superfície do planeta Terra.

Isso equivale a 6,5 milhões de quilômetros quadrados, sendo que mais de 85% deles fazem parte do território brasileiro. A Amazônia guarda uma incrível fauna e flora, estimadas em 50% da biodiversidade mundial.

Hoje, um dos principais problemas da Floresta Amazônica é o desmatamento e as suas consequências, que impactam não só o Brasil, mas o mundo como um todo. Além do grande problema da extinção de animais e plantas, a amazônia atua como um importante regulador climático.

Causas do desmatamento da Floresta Amazônica

Em épocas mais críticas, como no início dos anos 2000, estima-se que mais de 26 mil quilômetros quadrados eram desmatados todos os anos. Em 2018, somente no mês de abril, aproximadamente 217 quilômetros quadrados foram desmatados.

E quando nos referimos à região, vale lembrar que a Amazônia Legal compreende todos os estados citados acima, ou seja, mais de 60% do território nacional, e não apenas o Amazonas, uma associação muito comum por causa do nome.

Algumas ações humanas são preponderantes para concretizar números tão altos. Como é de se imaginar, a atividade madeireira é uma das principais. Grande parte da degradação é causada pelo corte ilegal de madeira, que é comercializada, também ilegalmente, abastecendo a indústria moveleira e da construção civil.

Desmatamento Amazônia
Foto: Alberto César Araújo

Ainda que a região registre baixos índices demográficos, a crescimento populacional faz com grandes áreas precisem ser devastadas para que as cidades aumentem rumo às florestas para abrigar novos moradores.

Por último, mas não menos importante, estão a agricultura e a pecuária. Grandes áreas têm as árvores cortadas ou queimadas para ceder espaços aos pastos de bovinos ou grandes plantações de soja. Hoje, calcula-se que mais de 83% das áreas desmatadas tenham essa finalidade.

Essas atividades, além do desmatamento, provocam uma série de prejuízos ao meio ambiente. Entre eles, o empobrecimento e compactação dos solos, contaminação de rios e do lençol freático com agrotóxicos, além do aumento da emissão de gases poluentes.

Consequências

Depois de alguns anos em queda, o desmatamento da Amazônia voltou a crescer, de acordo com dados levantados por pesquisadores do Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon). Segundo a fonte, entre agosto de 2016 e julho de 2017 o número foi 40% maior que no período anterior.

Enquanto em abril de 2018 cerca de 217 quilômetros quadrados foram desmatados, no mesmo período de 2017 o número foi 97 quilômetros quadrados. Hoje, o Mato Grosso é responsável por quase 50% de todo o desmatamento, seguido de perto pelo Amazonas (23%), Pará (19%), Roraima (5%) e Rondônia (3%).

Um dado preocupante é que o desmatamento chegou até a área conhecida como cinturão verde. Ela atravessa os estados do Acre, norte do Mato Grosso, sul do Amazonas, parte de Rondônia, até o oeste do Pará. A maior parte da derrubada de árvores aconteceu nessa região, onde passam três rodovias federais.

A preocupação é justamente por se tratar de uma área onde deveriam concentrar-se áreas de proteção, fazendo a contenção do desmatamento e incentivando o uso sustentável dos recursos da floresta.

São muitas as consequências do desmatamento da Floresta Amazônica. A extinção de espécies da fauna e flora, como já mencionado, aumento da poluição do ar por conta das grandes queimadas, desequilíbrio dos ecossistemas, além de aumento das erosões, já que sem as árvores, o solo fica completamente desprotegido.

Área da Amazônia desmatada
Área da Amazônia desmatada

Outro grande problema está relacionado com a queda dos níveis de chuva nos trópicos em regiões próximas à Amazônia, tais como Argentina, Uruguai, Paraguai e o sul do Brasil.

De acordo com informações de um estudo feito pela Universidade de Leeds, na Inglaterra, e pelo Centro de Ecologia e Hidrologia do Conselho de pesquisa Ambiental Britânico, a destruição da floresta pode diminuir as chuvas na Amazônia em cerca de 21% até 2050, sobretudo, durante o período de seca.

Além disso, uma quantidade importante de luz solar é absorvida pelas árvores para o processo de fotossíntese e evapotranspiração, que é a combinação da evaporação da água do solo e transpiração dos vegetais.

Sem a cobertura vegetal, a tendência é que a temperatura comece a subir, contribuindo significativamente com as mudanças climáticas.

Ademais, o desmatamento é um importante agente na desertificação, assoreamento de rios e lagos e pode facilitar a transmissão de pragas e doenças. Ele também altera muito os hábitos de vida dos indígenas tradicionais que vivem na região e são donos de uma vasta e rica cultura.

Fiscalização

Desde 1988 a região é monitorada pelo Ministério do Meio Ambiente (MMA) em parceria com o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). Entretanto, por conta da grande extensão territorial, as políticas de fiscalização nem sempre conseguem ser completamente efetivas.

Boa parte da fiscalização é feita por satélites, que quantificam o desmatamento das áreas de vegetação nativa, dando suporte às ações de controle e combate ao desmatamento ilegal.

A partir dos dados colhidos pelos satélites é possível mensurar as taxas anuais de desflorestamento, produzindo um banco de dados geográficos, uma espécie de arquivo feito ao longos dos anos.

PUBLICIDADE

você pode gostar também

Os comentários estão fechados, mas trackbacks E pingbacks estão abertos.