Frutas do Cerrado – 12 sabores para conhecer e experimentar!

O Cerrado é riquíssimo em tipos de frutas. Confira sabores exóticos de frutas do cerrado brasileiro, que além do pequi, são pouco conhecidas pela maioria da população brasileira. Confira e experimente!  

0

O Cerrado é o segundo maior bioma do Brasil (o primeiro é a Amazônia) e se estende pelos Estados de Goiás, Minas Gerais, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Bahia e Tocantins.

Apresenta clima bem definido com uma estação chuvosa e outra seca, e a  vegetação de galhos retorcidos guarda muito frutas riquíssimas em vitaminas e minerais de sabores marcantes e exóticos utilizadas em pratos regionais e receitas medicinais.

Além do famoso pequi, conheça outras frutas do cerrado brasileiro super coloridas para você experimentar e desfrutar!

Frutas do Cerrado  

                                                        

1 Pequi (Caryocar brasiliense)

Pequi (Caryocar brasiliense)
Fonte: Sebrae Mercados

O pequi é um fruto típico do Cerrado, cuja nomenclatura vem do Tupi e significa “pele espinhenta”.

O fruto possui uma casca verde de tamanho aproximado de uma maçã. No seu interior, há um caroço revestido por uma polpa comestível macia e amarela.

Embaixo da polpa há uma camada de espinhos muito finos, por isso ao roer o pequi cozido, é preciso ter cuidado. Por baixo dos espinhos há uma amêndoa macia e muito saborosa.

De gosto marcante, o pequi é muito utilizado na culinária regional em deliciosos pratos como o arroz com pequi, ou ainda como tempero, em conserva e como matéria-prima para a produção de licores, sorvetes e ração para animais, o pequi é um fruto muito versátil.

A época de produção dos frutos é de novembro a janeiro. A germinação do fruto pode demorar até um ano, mas menos da metade dos caroços germinam.

2 Murici (Byrsonima crassifolia)

Murici (Byrsonima crassifolia)
Fonte: Wikimedia

O murici é uma planta presente em toda a América Latina, onde foram identificadas cerca de 130 espécies de muricis. O nome dessa árvore é de origem tupi e significa “árvore pequena”

A árvore pode alcançar até cinco metros, com galhos frágeis que sustentam as folhas, flores e frutos. Estes, por sua vez, são pequenos, alaranjados, arredondados, muito apreciados na culinária pelo sabor marcante da sua polpa. Pertence à família da acerola, Malpighiaceae.

3 Bacupari-do-Cerrado (Salacia elliptica)

Bacupari-do-Cerrado (Salacia elliptica)
Fonte: Frutos Atrativos do Cerrado

Nome surgido do tupi guarani que significa “erva que dá fruto com casca ou pele enrugada. Também recebe os nomes de: Bacuparizão do campo, Cascudo e Saputá de moita.

O fruto pode ser consumido in natura ou na forma de geleias ou sucos refrescantes. Os índios do cerrado usam as raízes picadas em lascas na forma de decocção, bebendo o chá para problemas gástricos e úlceras.

A planta bacupari é um arbusto pequeno que pode medir até 3 metros de altura.

A espécie pode ser encontrada no cerrado e na transição da mata atlântica para a caatinga, Ocorre em Rondônia e em todos os estados desde o Pará até São Paulo, norte do Paraná e Mato Grosso do Sul. Aparece  também nos chacos Boliviano e Paraguaio.

4 Cagaita  (Eugenia dysenterica) 

Cagaita  (Eugenia dysenterica) 
Fonte: Árvores do Bioma Cerrado

A cagaita é um fruto pequeno, de aproximadamente três centímetros de diâmetro, com casca amarelo esverdeada, polpa suculenta e ácida e apresenta até quatro sementes no seu interior.

Apesar do agradável sabor ácido e textura macia, a cagaita deve ser consumida observando alguns cuidados. Isso porque o fruto, se consumido aquecido pelo sol e em grande quantidade, tem um forte efeito laxativo.

Essa é uma das explicações populares para o nome “cagaita”. Já as folhas têm efeito constipador. Além das atribuições medicinais e de produzir um suco muito saboroso, o fruto é utilizado na fabricação de produtos beneficiados, como picolés e sorvetes.

Pesquisas acadêmicas apontam que a cagaita é rica em vitamina C e antioxidantes.  A polpa, com ou sem a casca, é energética, com baixo teor calórico.

A cagaiteira é uma árvore com casca grossa típica do Cerrado e de copa frondosa coberta de folhas verdes brilhantes, que pode chegar a oito metros de altura e ocupa áreas de Cerrado da Bahia, Minas Gerais, Tocantins, Goiás, São Paulo e Mato Grosso do Sul.

5 Baru (Dipteryx alata)

Baru (Dipteryx alata)
Fonte: Viveiro Ciprest

O baru ou cumburu é um fruto protegido por uma dura casca que no interior guarda uma amêndoa de sabor parecido com o do amendoim, de alto valor nutricional. É rica em proteínas, propriedades afrodisíacas e medicinais anti-reumáticas.

O fruto pode ser utilizado integralmente, resultando em polpas de fruta, óleos, farinha, manteiga e tortas.

 A baruzeiro é uma árvore a imponente, com copa densa, pode alcançar mais de 20 metros de altura e seu tronco chega até 70 cm de diâmetro.

A espécie é encontrada nas matas, cerrados e cerradões do Brasil Central, nos estados de Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Goiás, Minas Gerais e Distrito Federal. Pode também ser encontrada em menor frequência no Maranhão, Tocantins, Pará, Rondônia, Bahia, Piauí e norte de São Paulo.

6 Mama-cadela (Brosimum gaudichaudii)

Mama-cadela (Brosimum gaudichaudii)
Fonte: Bonsai Natal

Também conhecida por mamica-de-cadela, algodão-do-campo, amoreira-do-campo, mururerana, apé, conduru e inhoré, a mama-cadela é um arbusto pequeno típico em todo o cerrado.

O fruto é enrugadinho, lembra uma pitanga, tem polpa fibrosa e suculenta. Pode ser consumido in natura e também pode ser usado em chás e outros tipos de preparação caseiras para o tratamento de vitiligo. o que pode ser perigoso, dado que, dependendo da dose, seu uso pode levar à intoxicação hepática e queimaduras.

7 Araticum (Annona crassiflora)  

Araticum (Annona crassiflora)  
Fonte: Flickr.com. Frutos atrativos cerrado

Ocorre, normalmente, em áreas secas e arenosas. Chega a alcançar entre quatro e oito metros de altura. De crescimento lento, costuma frutificar quando chega aos dois metros.

Dependendo da região, leva o nome de pinha, ata, marolo, condessa, bruto, cabeça-de-negro, entre outros. O nome araticum é derivado do tupi e significa “árvore rija e dura, fruto do céu, saboroso, ou ainda fruto mole”, visto que sua polpa é branca, viscosa e mole quando maduro.

Quando chega a este ponto, costuma cair dos galhos e pode ser coletada do chão. A fruta é coberta por uma casca marrom, bem grossa, e contém inúmeras sementes pretas e lisas presas à polpa. É consumida ao natural, mas a polpa é muito utilizada também para sucos, sorvetes e doces.

8 Buriti (Mauritia flexuosa)

Buriti (Mauritia flexuosa)
Fonte: Jornal Hoje em Dia

O buriti ou miriti é um fruto saboroso que possui coloração alaranjada, sendo acompanhada, em geral, de um caroço, que é a semente da espécie. Em alguns casos, no entanto, podem ser encontrados dois caroços ou nenhum.

A planta de grande distribuição por todo o território nacional, pode alcançar até 30 metros de altura e ter um caule com espessura de até 50 cm de diâmetro.

 

Do fruto do buriti pode se fazer doces, vinho, sorvete, picolé, etc. A madeira da planta, assim como a casca e as fibras podem ser usados para artesanato.

A espécie habita terrenos alagáveis e brejos de várias formações, sendo encontrada com muita frequência nas veredas, importante fitofisionomia do Cerrado. O buriti floresce quase o ano inteiro, mas principalmente nos meses de abril a agosto.

A colheita do fruto é trabalhosa, requerendo que os frutos maduros sejam colhidos do chão, após terem caído naturalmente. Alguns coletores cortam os cachos no pé do buriti, assim que os frutos amadurecem e começam a cair.

9 Mangaba (Hancornia speciosa)

Mangaba (Hancornia speciosa)
Fonte: Mercado Livre – Reprodução

 

O fruto pequeno tem um formato similar ao da pêra, polpa branca, cremosa e suculenta, ligeiramente ácida e leitosa, motivo pelo qual seu nome, de origem tupi-guarani, significa “coisa boa de comer”. As sementes achatadas e arredondadas ficam no interior da polpa.

Sua polpa pode ser consumida madura in natura e é matéria-prima para produção de deliciosos produtos beneficiados como geleias, compotas, sorvetes, licores, vinho, entre outros. O tronco e as folhas da mangabeira ainda fornecem um látex conhecido como “leite da mangaba”.

O leite tem propriedades medicinais, sendo utilizado no combate a tuberculose e para o tratamento de úlceras. Na segunda guerra mundial, seu látex era utilizado na fabricação de borracha.

A mangabeira é uma árvore rústica que pode chegar a dez metros de altura.

10 Cajuzinho-do-Cerrado (Anacardium humile)

Cajuzinho-do-Cerrado (Anacardium humile)
Fonte: Olhares-Sapo

O cajuzinho-do-cerrado, também conhecido como ou cajuí é bem parecido com o caju, mas sua diferença está exatamente no seu tamanho: a fruta é bem pequeninha com coloração avermelhada.

Pode ser consumida tanto a polpa, suculenta e um pouco ácida, quanto a noz. O cajuzinho é também muito utilizado para fazer licores

11 Jenipapo (Genipa americana)

Jenipapo (Genipa americana)
Fonte: Dicas para a saúde

Jenipapo é uma fruta que se parece com o figo, só um pouco maior. Deve ser colhido no ponto certo de maturação para que possa ser aproveitado.

Embora seja consumido ao natural, e também  como doce e compota seu uso mais frequente é sob a forma de licor.

Na medicina caseira, o jenipapo é utilizado como fortificante e estimulante do apetite.

12 Pitomba (Talisia esculenta)

Pitomba (Talisia esculenta)
Fonte: Natureza Bela

A pitomba mede aproximadamente dois centímetros de diâmetro e dá em cachos,  possui uma casca dura, porém fácil de ser aberta, uma fina polpa suculenta e doce, além de um caroço que ocupa a maior parte do seu conteúdo.

A casca, quando madura, é marrom e sua polpa, branca. Pode ser consumida in natura ou beneficiada na fabricação de licores ou polpa.

A fruta é também conhecida como olho de boi, pitomba da mata e pitomba de macaco e é originada da pitombeira, árvore que pode alcançar mais de 10 metros de altura. Seu nome vêm do tupi e significa sopapo, bofetada ou chute forte.

A pitombeira pode ser encontrada em quase todo o Brasil, especialmente no Cerrado, Caatinga, Amazônia e Mata Atlântica. Ocorre também na Bolívia e no Paraguai.

(Fonte: Cerratinga.org.br)

Veja também:Animais Do Cerrado Brasileiro – O Que É O Cerrado, Localização, Espécies Em Extinção

Matas Da Floresta Amazônica – Subdivisões

Clima Do Cerrado – Temperatura, Precipitação, Ventos E Radiação Solar

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.