Honoré de Balzac

Balzac inspirou, com o seu estilo literário, artistas de sua época e também de demais gerações. Suas narrativas retratavam a vida burguesa e suas mazelas.

0

O escritor francês, Honoré de Balzac, foi um dos mais importantes do romantismo francês.

Retratista da burguesia do século XIX, reconhecido majoritariamente por suas abordagens psicológicas, influenciou demais nomes da literatura, tais como Marcel Proust, Émile Zola, Charles Dickens, Fiódor Dostoiévski, Gustave Flaubert, Henry James, Machado de Assis, Castelo Branco e Ítalo Calvino.

O seu trabalho sobreviveu às suas particularidades, vaidades, desastres financeiros e amorosos. Sua mente criativa propiciou um mundo maior do que os seus contemporâneos almejavam e, consequentemente, a sua obra deslanchou no tempo como um dos momentos mais preciosos da literatura universal.

Biografia de Honoré de Balzac

Honoré de Balzac nasceu em Tours, França, no dia 20 de maio de 1799.

Filho do funcionário público Bernard François Balzac e de Laure Sallambier, foi interno por seis anos, durante a infância, em um colégio de Vendôme, e aos 15 anos se mudou para Paris. Logo que aprendeu a escrita assinava Balzac, acrescentando o “de” como marca da nobreza no país.

Aos 20 anos se formou em Direito, indo ser estagiário no escritório de Goyonnet de Merville, o que depois iria se tornar Derville, na série de romances que Balzac denonimou como “A comédia humana”.

Durante o estágio, teve inspiração para demais romances, entre eles: “A duquesa de Langlois”, “César Birotteau” e “O contrato de um casamento”.

Sem muitas condições financeiras, os seus pais decidem se mudar para Villeparisi, vilarejo próximo a Paris, entretanto Balzac resolveu permanecer, abdicar do estágio e viver da literatura.

Balzac e a literatura

No ano de 1820, finalizou a obra “Cromwell”, caracterizada como uma tragédia composta por versos alexandrinos. Na mesma década, em 1822, publicou muitos romances, alguns destes com os pseudônimos de Lord R’hoone e Horace de Saint Aubin.

Em 1825, executou a tentativa frustrante de abrir uma editora, mas, em 1827, retornou a escrever.

Com a inspiração em Walter Scott, publicou os romances “Os Chouans” e “A fisiologia do casamento”. Esses lhes abriram as portas para notórios circuitos literários, permitindo-o assinar seu nome pela primeira vez.

Também atuou como colaborador de revistas e periódicos de sucesso. Durante um ano escreveu muitos artigos, novelas e romances.

Candidatou-se a deputado, em 1832, mas não teve os votos necessários, já que os fidalgos não recebiam bem um provinciano plebeu.

Foi amante durantes anos da condessa polonesa, Eveline Hanska, cujo qual começou o contato a ela lhe escrever uma carta, assinando como “A Estrangeira”. No ano de sua morte, 1850, se casou com a mesma – o casamento, no dia 14 de março, e o falecimento cinco meses depois, dia 18 de agosto.

“Pai Goriot” teve sua publicação em 1834, dando início a repetição de personagens, isso de uma obra a outra. Com isso, notou que poderia fazer romances sem início e nem fim, interligados e representando as múltiplas dinâmicas da vida.

A comédia humana

Ainda em 1834, Honoré de Balzac publicou o seu principal título –  “A Comédia Humana”. O conjunto da obra, excluindo os textos iniciais, consiste em 89 romances, novelas e histórias curtas, cujas narrativas retratam principalmente a ascensão da burguesia.

A comédia humana

O painel é ordenado em três partes, pelo autor: estudos de costumes, estudos analíticos e estudos filosóficos.

A maior das partes, estudos de costumes, com 66 títulos, subdivide-se em seis séries temáticas: cenas da vida privada, cenas da vida provinciana, cenas da vida parisiense, cenas da vida política, cenas da vida militar e cenas da vida rural.

Era, portanto, um retrato real da sociedade da época, uma sátira dos costumes, assim como marcado por denúncias das mazelas.

Principais obras de Honoré de Balzac

Muitas são as obras de destaque de Balzac, mas listamos algumas:

  • Cromwell (1819)
  • O Coronel Chabert (1832)
  • Eugênia Grandet (1833)
  • A comédia humana (1834)
  • A duquesa de Langeais (1834)
  • A procura do absoluto (1934)
  • Lírio no vale (1835)
  • O Pai Goriot (1835)
  • Ilusões perdidas (1837)
  • A mulher de trinta anos (1842)
  • Les Ressources de Quinola (1842) – peça para teatro
  • Vautrin (1839) – peça para teatro

Estilo literário

Balzac passava cerca de 15 horas diárias escrevendo, isso com o acompanhamento de suas xícaras de café.

Balzac e café

O seu estilo literário influenciou demais escritores de seu tempo e das outras gerações. Rompendo com a linearidade narrativa, compreendeu que os seus textos não necessitavam ter começo e nem final.

Sustentado na burguesia, representando a vida contemporânea e cotidiana com a maior proximidade do real, Balzac desenvolveu suas obras. Nelas apresentava os sentimentos, a realidade social, as descrições minuciosas, o cotidiano da vida burguesa, a imaginação e a valorização das paixões humanas.

Algumas frases de Honoré de Balzac

Por detrás de uma grande fortuna há um crime.

A liberdade de escolha é um direito de todos, mas só alguns a exercem com elegância.

O tempo é o único capital das pessoas que têm como fortuna apenas a sua inteligência.

A infelicidade tem isto de bom: faz-nos conhecer os verdadeiros amigos.

É tão absurdo dizer que um homem não pode amar a mesma mulher toda a vida, quanto dizer que um violinista precisa de diversos violinos para tocar a mesma música.

O homem começa a morrer na idade em que perde o entusiasmo.

Esses artigos também podem te interessar:

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.