MEC registra menor gasto da década na educação básica, diz relatório do Todos Pela Educação

Estudo destacou ausência de liderança e gestão por parte do MEC, segundo Lucas Hoogerbrugge, gerente de Estratégia Política no Todos Pela Educação.


Em 2020, o gasto do Ministério da Educação (MEC) com Educação Básica foi o menor da década, ainda que o ano tenha sido marcado por desafios históricos em razão da pandemia do novo coronavírus. A estatística é do 6º Relatório Bimestral da Execução Orçamentária do MEC, produzido pela ONG Todos Pela Educação (TPE) e divulgado neste domingo, 21.

Além disso, o TPE lançou a segunda edição do relatório anual de acompanhamento Educação Já!. A pesquisa faz um balanço de 2020 e traça perspectivas para 2021 em relação ao andamento das políticas públicas educacionais. De acordo com análise da ONG, “o que se constata na atual gestão do MEC é uma grave ausência de coordenação nacional, de liderança e de gestão”.

Lucas Hoogerbrugge, gerente de Estratégia Política no Todos Pela Educação, ressalta: “O MEC poderia, por exemplo, ter criado uma linha específica para adaptação de infraestrutura escolar para a pandemia. Outra coisa que poderia ter feito era ter ajudado estados e municípios a incluir digitalmente seus alunos”.

Sem a ação do governo federal, mais de seis milhões de alunos finalizaram o ano sem acesso às aulas, conforme dados do IBGE.

O Brasil também figurou entre os países nos quais as escolas ficaram fechadas por mais tempo no mundo. No total, foram 40 semanas durante a pandemia, praticamente o dobro do tempo visto em outros países (22 semanas). Essa estimativa foi divulgada em janeiro pela Unesco. Ademais, um contingente significativo de alunos teve problemas durante o ano com falta de conectividade e equipamentos adequados para estudar em casa.

De acordo com Hoogerbrugge, o MEC só passou recurso adicional para as escolas se prepararem para o retorno das aulas durante a pandemia nos últimos meses de 2020. Foram aproximadamente R$ 670 milhões, o que dá cerca de R$ 17 por aluno.

“O MEC entendeu que esse valor era suficiente no momento que as redes precisam de adaptação de infraestrutura, reduzir a capacidade das salas de aula, formação e contratação de professores, equipamentos de proteção individual, coisas que custam muito caro. Nitidamente o recurso não era suficiente”, afirma.

Em 2020, o MEC destinou R$ 42,8 bilhões para educação básica, 10,2% menos em comparação ao ano anterior, e gastou R$ 32,5 bilhões. Já o orçamento geral da pasta (R$ 143,3 bilhões) foi o menor desde 2011.

“No começo do ano, o MEC tinha quase R$ 1 bilhão para gastar em apoio à educação básica. Até agosto, muito pouco foi executado. Como não foi gasto, o orçamento foi redistribuído e R$ 700 milhões para essa ação foram cancelados para outros ministérios. Essa é uma falha de gestão do MEC que tira verba da Educação”, explica Hoogerbrugge.

Leia também: Sisu 2021 – MEC divulga calendário referente ao Enem 2020

PUBLICIDADE

você pode gostar também

Comentários estão fechados.

This website uses cookies to improve your experience. We'll assume you're ok with this, but you can opt-out if you wish. Accept Read More