Mulheres no mercado financeiro: o que todos deveriam saber

Muitas mulheres encontram-se em uma luta constante ao serem inseridas neste mercado, que é em sua maioria masculino.

Ao decorrer de vários anos, o mês da mulher vem sendo lembrado mundialmente. No entanto, é uma data que não somente nos remete a presentear com chocolates ou flores, mas sim celebrar as conquistas já feitas e as que ainda serão. Com base nisso, hoje falaremos sobre a mulher no mercado financeiro.

Leia também: Mulheres negras tem mais empréstimos negados

Muitas mulheres encontram-se em uma luta constante ao serem inseridas neste mercado, que é em sua maioria masculino. Em um depoimento, Annalisa Blando, planejadora financeira e fundadora e CEO da ParMais, comenta um pouco da sua trajetória no mercado financeiro.

“Comecei ainda muito nova a cuidar das finanças de casa. Casei aos 17 anos com um atleta e sabíamos que ele acabaria se aposentando muito cedo. Então tentei ser trader, lia tudo o que encontrava sobre o assunto, estudei análise gráfica e fundamentalista. A crise de 2008 me mostrou que eu precisava aprender mais, então fiz uma pós-graduação em investimentos e mercado de capitais”, contou.

Contudo, ela revelou que, ao conhecer a profissão de planejador financeiro, decidiu então atuar nesse ramo. Mas, no decorrer de sua caminhada, Annalisa passou a perceber algumas coisas, dentre elas a falta de confiança por ser mulher. “Alguns clientes não iriam delegar os cuidados com o dinheiro a uma mulher, então andava sempre acompanhada de um dos meus sócios”, disse.

Segundo a CEO, o momento em que mais foi alvo de machismo ocorreu durante o processo da fundação da startup. Ela ainda confessou que o sexismo é algo real no meio financeiro, e conseguir a atenção do público, juntamente com a aprovação dos mesmos, se tornou o seu maior desafio.

“Ao longo dos anos, fui entendendo melhor que as situações que eu passava não eram exclusivas da minha realidade, mas sim construídas a partir de um machismo enraizado em nossa sociedade”. Segundo a planejadora, a melhor forma de evoluirmos neste assunto é através da educação e autoconhecimento.

Outro ponto abordado é que a gravidez não é um empecilho para o crescimento profissional, ou que estar certa sobre suas escolhas não significa agir de tal maneira devido à “TPM”.

“Hoje, eu entendo que empresas melhores são formadas por um maior equilíbrio entre gêneros, por mais diversidade e inclusão e, assim, tenho a convicção de que, sim, o mercado financeiro é lugar de mulher e de quem quiser estar nele”, concluiu Annalisa.

você pode gostar também

Comentários estão fechados.

This website uses cookies to improve your experience. We'll assume you're ok with this, but you can opt-out if you wish. Accept Read More