Nematódeos ou Nematelmintos

Nesse artigo você vai conhecer esses vermes que causam muitas doenças aos humanos!

Os nematódeos também são conhecidos como nematelmintos por pertencerem ao filo Nemathelminthes. Eles são popularmente chamados de lombrigas.

O nome desse filo deriva do grego e quer dizer “vermes em fio”, já que o corpo desses vermes é cilíndrico, alongado e liso.

Eles são os metazoários mais abundantes do planeta e possuem mais de 20 mil espécies conhecidas.

Características dos nematódeos

Os nematódeos podem ser encontrados em vários habitats diferentes, sejam eles aquáticos, marinhos e dulcícolas, ou terrestres, desde que o solo seja úmido.

A maioria dos nematódeos parasitam plantas e animais, mas também existem muitos que são de vida livre.

Estrutura corpórea dos nematódeos

O corpo dos nematódeos possuem um intestino longo revestido por uma parede corporal externa. Entre o intestino e a parede existem um pseudoceloma, formando um esqueleto hidrostático.

Esse esqueleto mantém a forma do animal e proporciona sustentação ao corpo dele. O pseudoceloma permite que várias substâncias sejam distribuídas por todo o corpo do nematódeo.

Eles possuem epiderme uniestratificada e têm cutícula espessa que protegem o corpo do nematódeo da ação das enzimas digestivas do hospedeiro.

Embaixo de todo esse revestimento, também existe uma camada muscular cujas fibras estão dispostas longitudinalmente.

Digestão dos nematódeos

Eles possuem sistema digestivo completo, essa é uma característica que apareceu pela primeira vez nos animais.

Sendo assim, esses foram os primeiros animais a apresentarem boca e ânus, o que permitiu ao animal ingerir partículas maiores que pudessem ser processadas no intestino.

Reprodução dos nematódeos

Os nematódeos são animais dioicos, ou seja, possuem sexos separados. Eles podem produzir milhões de óvulos e a fecundação é interna.

Os espermatozoides se deslocam por movimentos ameboides e, em geral, ocorre a postura de ovos. O desenvolvimento é indireto e possui estágios larvais.

Doenças causadas por nematódeos

Ascaridíase

Causador: Ascaris lumbricoides

Hospedeiro definitivo: humanos

Hospedeiro intermediário: não há

Local de parasitismo: intestino delgado

Contaminação: O humano parasitado libera os ovos através das fezes. A infecção ocorre pela ingestão de água e alimentos contaminados com esses ovos.

Prevenção

Os principais métodos de prevenção da ascaridíase são os bons atos de higiene pessoal, de higiene com os alimentos, principalmente os que são consumidos crus, e a instalação de uma rede de esgoto e tratamento de água.

Oxiuríase

Causador: Oxyurus vermicularis também chamado de Enterobius vermicularis

Hospedeiro definitivo: humanos

Hospedeiro intermediário: não há

Local de parasitismo: intestino grosso e ânus

Contaminação

Depois do acasalamento, as fêmeas migram para a região anal e liberam grande quantidade de ovos, causando muita coceira.

Quando a pessoa se coça, os seus dedos e mãos ficam contaminados e pode transmitir os ovos a outras pessoas pelo contato indireto com objetos ou apertos de mão.

Essas pessoas também podem se auto infestar se ingerirem novamente esses ovos.

Prevenção

A maior prevenção contra a oxiuríase é a higiene pessoal. Além disso, lavar bem os alimentos e manter a casa e roupas de cama sempre limpas.

Filaríase

Causador: Wuchereria bancrofti

Hospedeiro definitivo: humanos

Hospedeiro intermediário: pernilongos comuns do gênero Culex, mas também podem existir outros.

Local de parasitismo: vasos do sistema linfático.

Contaminação

A contaminação ocorre quando pernilongos sugam sangue e inoculam microfilárias na pele. Essas microfilárias migram para os vasos linfáticos e se transformam em adultos, provocando inflamação e impedindo que a linfa seja drenada.

A linfa acumulada causa inchaço nos pés, pernas, mamas, e até na bolsa escrotal, causando aumento exagerado desses órgãos, por isso essa doença também é chamada de elefantíase.

Prevenção

A prevenção de filaríase começa pela prevenção de picadas de pernilongo, principalmente, em locais de ocorrência da doença. Sendo assim, o controle sobre os criadouros de insetos, como o monitoramento dos locais com água parada, é fundamental.

Nematódeos - Elefantíase
Nematódeos – Elefantíase.

Ancilostomíase

Causador: Ancylostoma duodenale e Necator americanus

Hospedeiro definitivo: humanos

Hospedeiro intermediário: não há

Local de parasitismo: intestino delgado

Contaminação

Esse parasita vive no intestino delgado se alimentando de sangue e os ovos eliminados pela pessoa parasitada nas fezes, viram larvas. Essas larvas penetram a pele da pessoa que entrou em contato com o local contaminado, migram para as veias e atingem o coração e os pulmões.

A pessoa parasitada apresenta forte anemia.

Prevenção

A prevenção da ancilostomíase é feita através de estruturas de saneamento básico, além de andar sempre com pés calçados em locais de ocorrência de larvas.

Bicho geográfico

Causador: Ancylostoma brasiliense

Hospedeiro definitivo: cães e gatos

Hospedeiro intermediário: humanos

Local de parasitismo nos cães e gatos: sistema circulatório

Local de parasitismo nos humanos: epiderme

Contaminação

A contaminação ocorre quando humanos entram em contato com o verme que foi liberado nas fezes de cães e gatos. A movimentação da larva causa um rastro na pele, dai o nome bicho geográfico.

Prevenção

Evitar contato com solos contaminados com fezes de animais e manter sempre uma boa higiene pessoal.

Nematódeos - Bicho geográfico
Exemplo de nematódeos – Bicho geográfico.

Exemplos de nematódeos

Ascaris lumbricoides

Nematódeos - Ascaris lumbricoides
Exemplo de nematódeos – Ascaris lumbricoides.

Oxyurus vermicularis ou Enterobius vermicularis

Nematódeos - Oxyurus vermicularis
Exemplo de nematódeos – Oxyurus vermicularis.

Wuchereria bancrofti

Nematódeos - Wuchereria bancrofti
Exemplo de nematódeos – Wuchereria bancrofti.

Ancylostoma duodenale

Nematódeos - Ancylostoma duodenale
Exemplo de nematódeos – Ancylostoma duodenale.

Ancylostoma brasiliense

Nematódeos - Ancylostoma brasiliense
Exemplo de nematódeos – Ancylostoma brasiliense.

Veja também:

você pode gostar também

Os comentários estão fechados, mas trackbacks E pingbacks estão abertos.

This website uses cookies to improve your experience. We'll assume you're ok with this, but you can opt-out if you wish. Accept Read More