O que é autoconceito em psicologia? Definição e Características

O autoconceito é o nosso conhecimento pessoal de quem somos. Abrange todos os nossos pensamentos e sentimentos sobre nós mesmos.

0

O autoconceito é o nosso conhecimento pessoal de quem somos. Abrange todos os nossos pensamentos e sentimentos sobre nós mesmos. Também inclui nosso conhecimento de como nos comportamos, nossas capacidades e nossas características individuais.

Nosso autoconceito se desenvolve mais rapidamente durante a infância e adolescência. Esse conhecimento continua a se formar e a mudar com o tempo à medida que aprendemos mais sobre nós mesmos.

Definindo o autoconceito

O psicólogo social Roy Baumeister diz que o autoconceito deve ser entendido como uma estrutura de conhecimento. As pessoas prestam atenção a si mesmas, percebendo seus estados internos, respostas e seu comportamento externo.

Através dessa autoconsciência, as pessoas coletam informações sobre si mesmas. O autoconceito é construído a partir dessas informações e continua a se desenvolver à medida que as pessoas expandem suas ideias sobre quem são.

As primeiras pesquisas sobre o autoconceito padeciam da ideia de que ele era uma concepção única, estável e unitária do eu. Mais recentemente, no entanto, os estudiosos reconheceram-na como uma estrutura dinâmica e ativa que é impactada tanto pelas motivações do indivíduo quanto pela situação social.

Componentes de Carl Rogers

Carl Rogers, um dos fundadores da psicologia humanista, sugeriu que o autoconceito inclui três componentes :

Auto-imagem

A autoimagem é a maneira como nos vemos. A autoimagem inclui o que sabemos sobre nós mesmos fisicamente, nossos papéis sociais e nossos traços de personalidade.

Esse componente nem sempre corresponde à realidade. Alguns indivíduos possuem uma percepção inflada de uma ou mais de suas características. Essas percepções infladas podem ser positivas ou negativas. Um indivíduo pode ter uma visão mais positiva de certos aspectos do ‘eu’ e uma visão mais negativa dos outros.

Autoestima

A autoestima é o valor que colocamos em nós mesmos. Os níveis individuais de autoestima dependem da maneira como nos avaliamos. Essas avaliações incorporam nossas comparações pessoais com os outros, bem como as respostas de outras pessoas a nós.

Quando nos comparamos com os outros e descobrimos que somos melhores em algo, nossa auto-estima nessa área cresce. Por outro lado, quando nos comparamos com os outros e descobrimos que não somos tão bem sucedidos em uma determinada área, nossa auto-estima diminui.

Podemos ter uma auto-estima elevada em algumas áreas e, ao mesmo tempo, ter uma auto-estima negativa em outras.

Eu ideal

O eu ideal é o eu que gostaríamos de ser. Há sempre uma diferença entre a autoimagem da pessoa e o ‘eu ideal’ de uma pessoa. Essa incongruência pode impactar negativamente a autoestima de alguém. De acordo com Carl Rogers, a autoimagem e o eu ideal podem ser congruentes ou incongruentes.

Desenvolvimento do autoconceito

O autoconceito começa a se desenvolver na primeira infância. Este processo continua ao longo da vida. No entanto, é entre a primeira infância e a adolescência que o autoconceito é o que mais experimenta crescimento.

Aos 2 anos, as crianças começam a se diferenciar das demais. Aos 3 e 4 anos, as crianças entendem que são eus separados e únicos. Nesse estágio, a auto-imagem da criança é em grande parte descritiva. Ela é baseada principalmente em características físicas ou detalhes concretos.

No entanto, as crianças prestam cada vez mais atenção às suas capacidades. Por volta dos 6 anos, as crianças podem comunicar o que querem e precisam. Eles também estão começando a se definir em termos de grupos sociais.

Entre as idades de 7 e 11 anos, as crianças começam a fazer comparações sociais. Assim, consideram como elas são percebidas pelos outros. Nesse estágio, as descrições das crianças sobre si mesmas se tornam mais abstratas. Eles começam a se descrever em termos de habilidades e não apenas detalhes concretos.

Por exemplo, uma criança nesta fase começará a se ver mais atlética do que outra e menos atlética que outras. Nesse ponto, o eu ideal e a autoimagem começam a se desenvolver.

A adolescência é um período chave para o autoconceito. O autoconceito estabelecido durante a adolescência geralmente é a base do autoconceito para o restante da vida. Durante a adolescência, as pessoas experimentam diferentes papéis, personas e eus.

Para os adolescentes, o autoconceito é influenciado pelo sucesso em áreas que eles valorizam e as respostas dos outros valorizados para eles. O sucesso e a aprovação podem contribuir para uma maior autoestima e um autoconceito mais forte na vida adulta.

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.