O que é Canibalismo?

O canibalismo é o ato ou prática de comer membros da própria espécie. Geralmente se refere a seres humanos que comem outros seres humanos.

0

O que é Canibalismo? O canibalismo é o ato ou prática de comer membros da própria espécie. Geralmente se refere a seres humanos que comem outros seres humanos (às vezes chamado de antropofagia). O canibalismo tem sido atribuído a muitas tribos e etnias diferentes no passado.

Entretanto, o grau em que o canibalismo realmente ocorreu e foi socialmente sancionado é um tópico extremamente controverso na antropologia.

Alguns antropólogos argumentaram que o canibalismo era quase inexistente e encaram as alegações de canibalismo com extremo ceticismo. Já outros argumentaram que a prática era comum em sociedades pré-estatais.

As questões éticas levantadas por essa prática são complexas, assim como as motivações e circunstâncias que cercam o fenômeno. Os seres humanos não devem ser colocados em tal situação. O objetivo da humanidade deve ser capaz de cuidar de todos os outros, através de relacionamentos harmoniosos e verdadeiro domínio sobre o ambiente, para que ninguém tenha que enfrentar este dilema.

O que significa Canibalismo

O canibalismo é o ato ou a prática de comer membros da própria espécie e, embora exista em espécies não humanas, o termo geralmente se refere a seres humanos que comem outros seres humanos.

A palavra “canibal” vem do espanhol, derivado de “Caniba”, nome de Cristóvão Colombo para o povo caribe ou galibi. Colombo originalmente assumiu que os nativos de Cuba eram súditos do Grande Khan da China ou Kannibals.

O nome acabou descrevendo os povos “primitivos” e “selvagens” das Índias Ocidentais, que se envolviam no que era então conhecido como antropofagia. Daí o nome ‘canibal’ tornou-se usado tanto como o nome para o povo das Índias Ocidentais e como um termo descritivo para todos os que se dedicavam a antropologia.

Canibalismo Não Humano

Embora não seja um fenômeno generalizado na natureza, o canibalismo é, no entanto, uma prática comum para algumas espécies. A aranha-de-dorso-vermelho, a aranha viúva-negra, o louva-a-deus e o escorpião às vezes comem o macho após o acasalamento.

Foto de uma Aranha Viuvá-Negra

Para outros organismos, o canibalismo tem menos a ver com sexo do que com tamanhos relativos. Polvos maiores atacando os menores é comumente observado na natureza, e o mesmo pode ser dito para certos sapos, peixes , salamandras de dorso vermelho, crocodilos e tarântulas.

Sabe-se que coelhos, camundongos, ratos e hamsters comerão seus filhotes se seu ninho for repetidamente ameaçado por predadores. Em algumas espécies, sabe-se que os machos adultos matam e, às vezes, comem filhotes de suas espécies, aos quais eles não são parentes próximos.

O comportamento canibalístico às vezes se desenvolve em animais que não se envolvem em tal atividade na natureza. Por exemplo, uma porca doméstica pode comer seus filhotes recém-nascidos enquanto em cativeiro. Outra causa de canibalismo em cativeiro é a territorialidade.

Espécies com grandes territórios em estado selvagem podem exibir comportamentos canibais em confinamento com outros. Por exemplo, enquanto as tarântulas raramente canibalizam na natureza, elas fazem isso em cativeiro.

Durante o bombardeio da Otan na Iugoslávia, em 1999, vários animais no zoológico de Belgrado, incluindo uma tigresa e dois lobos, ficaram tão traumatizados que comeram seus filhotes.

Canibalismo Humano

Ao longo da história tem havido rumores, lendas e acusações de canibalismo entre as sociedades. Seja propaganda ou fato histórico, as pessoas parecem obcecadas com a ideia de sociedades “primitivas” e seus costumes selvagens.

Na antiguidade, os relatos gregos de antropofagia eram relacionados a bárbaros distantes, não-helênicos, ou então relegados na mitologia ao primitivo mundo ctônico que precedia a vinda dos deuses do Olimpo.

O canibalismo foi amplamente relatado no México durante as guerras da civilização asteca. Os relatos astecas, no entanto, escritos após a conquista, relataram que a carne humana era considerada desprovida de valor, e geralmente descartada e substituída por peru.

Há apenas dois relatos astecas sobre o assunto: um vem do códice de Ramirez e o relato mais elaborado sobre esse assunto vem de Juan Bautista de Pomar, neto de Netzahualcoyotl. As versões diferem pouco.

Juan Bautista escreveu que depois do sacrifício, os guerreiros astecas recebiam o corpo da vítima, coziam-no para separar a carne dos ossos, depois cortavam a carne em pedaços muito pequenos e os enviavam para pessoas importantes, mesmo de outras cidades.

O receptor raramente comeria a carne, pois consideravam uma honra, mas a carne não tinha valor em si. Em troca, o guerreiro receberia joias, cobertores decorados, penas preciosas e escravos.

O objetivo era encorajar guerreiros de sucesso. Havia apenas duas cerimônias por ano em que os prisioneiros de guerra foram sacrificados. Embora o império asteca tenha sido chamado de “O Reino Canibal”, não há evidências de isso ser um costume generalizado.

Ironicamente, os astecas acreditavam que havia tribos devoradoras de homens no sul do México. A única ilustração conhecida mostrando um ato de canibalismo mostra um asteca sendo comido por uma tribo do sul (Códice Florentino).

Casos de Canibalismo – Exemplos

A tribo Korowai, no sudeste da Papua, é uma das últimas tribos sobreviventes no mundo que se envolveu no canibalismo. Também é relatado por alguns que os curandeiros tradicionais africanos às vezes usam as partes do corpo das crianças em seus remédios. No entanto, isso é indocumentado e, segundo a maioria dos antropólogos, é um boato falso.

Histórias de angustiante sobrevivência e necessidade envolvendo canibalismo são igualmente numerosas ao longo da história. Na Bíblia, o canibalismo é descrito como ocorrendo durante o cerco de Samaria.

Durante o cerco que resultou na destruição de Jerusalém por Roma em 70, Flávio Josefo relatou que duas mulheres fizeram um pacto para comer seus filhos. Depois que a primeira mãe cozinhou seu filho, a segunda mãe comeu, mas recusou-se a retribuir cozinhando seu próprio filho.

Os sobreviventes do naufrágio do navio francês Medusa, em 1816, recorreram ao canibalismo depois de quatro dias à deriva em uma jangada. Após o naufrágio do baleeiro Essex de Nantucket, em 20 de novembro de 1820, os sobreviventes, em três pequenos barcos, recorreram, de comum acordo, ao canibalismo para que alguns sobrevivessem.

O caso de Regina vs. Dudley e Stephens (1884) foi um caso inglês que diz ser uma das origens da necessidade do direito comum moderno. O caso lidou com quatro tripulantes de um iate inglês que afundou em uma tempestade a cerca de 1600 milhas do Cabo da Boa Esperança.

Depois de vários dias em um bote salva-vidas, um dos tripulantes ficou inconsciente devido a uma combinação de fome e ingestão de água do mar. Os outros decidiram então matá-lo e comê-lo. Eles foram resgatados quatro dias depois. O fato de que nem todos concordaram em comer o corpo foi considerado assassinato. O julgamento envolveu o primeiro uso registrado da chamada ‘defesa de necessidade’.

Primeira Guerra Mundial

As situações desumanas de guerra, que empurram civis e soldados até o limite da sobrevivência, aparentemente foram responsáveis ​​por numerosos incidentes de canibalismo.

Lowell Thomas registrou a canibalização de alguns dos tripulantes sobreviventes do Dumaru depois que o navio explodiu e afundou durante a Primeira Guerra Mundial.

Segunda Guerra Mundial

Provas documentais e forenses apoiaram relatos de testemunhas oculares do canibalismo por parte de tropas japonesas durante a Segunda Guerra Mundial. Soldados japoneses matavam e comiam uns aos outros quando os civis inimigos não estavam disponíveis.

Em outros casos, soldados inimigos eram executados e depois dissecados. Um caso bem documentado ocorreu em Chici Jima em 1944, quando os soldados japoneses mataram e comeram oito aviadores americanos abatidos.

Este caso foi investigado em um julgamento por crimes de guerra em 1947, e de 30 soldados japoneses processados, cinco (o major Matoba, o general Tachibana, o almirante Mori, o capitão Yoshii e o doutor Teraki) foram considerados culpados e enforcados.

Guerra do Vietnã

O canibalismo foi relatado pelo jornalista Neil Davis durante a Guerra do Vietnã nos anos 60 e 70. Davis relatou que as tropas do Khmer costumavam comer partes do inimigo morto, especialmente o fígado.

No entanto, ele e muitos refugiados também relataram que o canibalismo era praticado de forma não ritual. Isso geralmente ocorria quando cidades e aldeias estavam sob o controle do Khmer Vermelho e a comida era estritamente racionada. Ironicamente, qualquer civil pego participando do canibalismo teria sido executado imediatamente.

Conteúdos Relacionados:

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.