O que é o Ramadã? História, Descrição e Características

O Ramadã é o mês sagrado na cultura islâmica. Durante o Ramadã, os muçulmanos jejuam, abstêm-se dos prazeres e rezam para se aproximarem de Deus.

0

O Ramadã é o mês mais sagrado do ano na cultura islâmica. Os muçulmanos comemoram a data em homenagem a Allah, ou Deus, que deu os primeiros capítulos do Alcorão ao Profeta Maomé em 610, de acordo com o Times da Índia.

Durante o Ramadã, os muçulmanos jejuam, abstêm-se dos prazeres e rezam para se aproximarem de Deus. É também um momento para as famílias se reunirem e celebrarem.

O Ramadã é o nono mês do calendário islâmico. É um calendário lunar baseado nos ciclos da lua. As comemorações começam na manhã seguinte à visualização da lua crescente, marcando o início do novo mês.

Tradicionalmente, as pessoas procuravam o quarto crescente a olho nu. Isso levou à declaração de diferentes horários de partida para o Ramadã, devido ao tempo ou à geografia. A fim de ter um horário de início mais consistente para os muçulmanos em todo o mundo, os cálculos astronômicos são agora usados.

Usar a ciência para marcar o início do mês é controverso. Em muitas partes do mundo, o Ramadã ainda não começa até que líderes religiosos anunciem que viram pessoalmente a lua crescente.

Em 2019

Em 2019, o Ramadã começará ao pôr do sol do dia 5 de maio, quando os muçulmanos procurarem a lua crescente, de acordo com o Grupo de Redes Islâmicas. O jejum começa no dia seguinte. Nos próximos anos, começará em 23 de abril de 2020 e 12 de abril de 2021.

Símbolo poderoso da unidade

A observância do Ramadã é muito pessoal e individual. É um momento para “sacrifício e renúncia, bem como um período de reflexão e crescimento espiritual”, disse Florian Live, professor de religião da Universidade de Oxford.

O Ramadã é uma época em que muçulmanos de todo o mundo se reúnem. Nos Estados Unidos, por exemplo, algumas mesquitas comunitárias abrigam muçulmanos de até 30 ou 40 países. É cada vez mais comum que pessoas de várias religiões se reúnam durante o Ramadã para aprender mais sobre as culturas de cada um.

Jejum: o quarto pilar do Islã

O jejum durante o Ramadã é o quarto dos Cinco Pilares do Islã. Esses pilares, ou deveres, formam a base de como os muçulmanos praticam sua religião. Segundo o Guia do Islã, os pilares do Islã são:

  • Shahada: fé na religião do Islã.
  • Salat: rezar cinco vezes por dia, em direção à Meca.
  • Zakat: dar apoio aos necessitados.
  • Sawm: jejum durante o Ramadã.
  • Hajj: fazer uma peregrinação à Meca pelo menos uma vez durante a vida.

Durante o Ramadã, os muçulmanos jejuam do nascer ao pôr do sol. O jejum não consiste apenas em se abster de comida e bebida. Os muçulmanos também devem abster-se de fumar, tomar medicamentos orais e praticar atividades sexuais. Além disso as fofocas, brigas e mentiras são proibidas.

Embora pareça difícil se abster de comer por até 17 ou 18 horas, depois de alguns dias isso se torna a norma. Além disso é um lembrete de que uma pessoa não é apenas um corpo físico mas uma alma também.

O Jejum

Os muçulmanos praticam o jejum ao atingir a puberdade. Algumas pessoas estão isentas, como as que estão doentes, mulheres grávidas, lactantes, menstruadas e viajantes. Alguém que não pode jejuar tradicionalmente deve alimentar uma pessoa pobre por cada dia perdido de jejum.

O jejum durante o Ramadã é um tempo para os muçulmanos se comprometerem mais com Deus. Também serve para prestarem serviços à comunidade em termos de ajudar os pobres, assistir os necessitados e compartilhar o que se tem com os outros.

Eles são geralmente mais gentis, tolerantes e ativos durante o Ramadã. Isso acontece porque eles tendem a celebrar cada Ramadã como se fosse o último, a fim de garantir que Deus os perdoaria por quaisquer pecados cometidos.

Para o jejum ser válido, uma intenção séria, ou niyyah, deve ser feita para jejuar e aderir às leis que cercam o jejum. O compromisso deve ser feito todos os dias antes do amanhecer. O jejum será considerado anulado se comer ou beber, intencionalmente vomitar, tiver relações sexuais, sangramento menstrual ou parto.

Se o jejum for quebrado, o jejum deve ser compensado em uma data posterior. De acordo com as tradições, desde que o jejum não seja quebrado intencionalmente, Deus perdoará o indivíduo.

Em algumas comunidades muçulmanas, existe um estigma crescente associado a comer em público. Isso ocorre devido a um aumento na conscientização pública e piedade. Além do jejum, a piedade também é medida pela participação em outras práticas, incluindo as cinco orações diárias, atos de bondade e caridade.

Quebrando o jejum

Os muçulmanos acordam cedo e comem uma refeição leve, conhecida como suhoor, antes do amanhecer. Suhoor é tipicamente consumido cerca de meia hora antes do amanhecer, a tempo da oração da fajra, ou manhã. Depois que o sol se põe no fim de cada dia, a pessoa quebra seu jejum com água e tâmaras. Isso é seguido de orações e de uma refeição chamada iftar.

Muitas mesquitas em todo o mundo celebram celebrações inter-religiosas para quebrar o jejum. Isso permite que todos reflitam sobre experiências compartilhadas dentro de suas próprias tradições envolvendo o jejum. Isso inclui crescimento espiritual e responsabilidade social.

No final do Ramadã, ocorre uma celebração espiritual de três dias, conhecida como Eid al-Fitr. Durante este tempo, os muçulmanos se alegram na conclusão do jejum. Familiares e amigos se reúnem para compartilhar festas e orações. Durante o Eid al-Fitr, costuma-se doar para os pobres e desfavorecidos.

Durante os três dias, os muçulmanos assistem às orações pela manhã e depois visitam familiares, amigos, vizinhos, doentes e idosos. Festas são compartilhadas com familiares e amigos e pequenos presentes são dados. É socialmente semelhante ao Natal.

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.