Talibã proíbe o ensino secundário para meninas

Países se opõem à decisão do Talibã de proibir o ensino secundário para meninas no Afeganistão.

O Talibã está no poder do Afeganistão desde 2021, e recentemente o grupo anunciou que meninas não poderão mais frequentar escolas de ensino médio e faculdades. Em Cabul, aconteceu uma manifestação em frente aos escritórios do Ministério da Educação. A retirada de direitos básicos das mulheres assusta a população, que teme pelo crescimento econômico do país e pelas relações internacionais.

Leia também: O segredo da educação da Finlândia: Ensino se destaca pela qualidade e inclusão

Segundo Lana Nusseibeh, embaixadora dos Emirados Árabes no Conselho da ONU, a decisão do Talibã regrediu todo o avanço que eles tinham feito nas últimas semanas e meses, e ainda acrescentou: “A educação é um direito universal para todas as crianças, e isso inclui as meninas no Afeganistão”.

França, Itália, Noruega, Estados Unidos, Canadá, Grã-Bretanha, e o Alto Representante da União Europeia pediram ao Talibã que a decisão seja revertida urgentemente, alegando que ela teria “consequências muito além de seu preconceito em relação às meninas afegãs”.

A proibição também foi denunciada pela Alta Comissária das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, e pela Diretora-Geral da UNESCO, Audrey Azoulay.

Desde que assumiu o poder, o Talibã tem imposto restrições severas aos direitos das mulheres, e mesmo assim estava tendo suporte econômico de outros países, enquanto passava por uma crise humanitária. Mas retirar o direito básico de estudo está causando indignação mundial.

Pelo que se sabe, a decisão foi tomada durante uma reunião com altos funcionários em Kandahar, que é o centro do poder fundamentalista do país. Com a decisão, as meninas afegãs só poderão frequentar escolas primárias.

você pode gostar também

Comentários estão fechados.

This website uses cookies to improve your experience. We'll assume you're ok with this, but you can opt-out if you wish. Accept Read More