Comitê critica termos do WhatsApp e exige transparências aos usuários

As novas políticas foram implantadas em 2021 e compartilham maior número de dados com o Facebook. Aplicativo foi alvo de críticas também na Europa.

Similar ao que aconteceu na Europa recentemente, o WhatsApp também se envolveu em polêmica no Brasil. O Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI.br) criticou as novas políticas de privacidade do app. Em nota divulgada na última quarta-feira (11), o órgão solicita que medidas urgentes sejam tomadas. 

Leia mais: Twitter muda visual do site e do aplicativo

O CGI.br quer que o aplicativo pare de solicitar o aceite dos termos e seja mais transparente. As novas políticas foram implantadas em 2021 e compartilham maior número de dados com o Facebook.

A instituição brasileira quer que o mensageiro esteja de acordo com as normas dos seguintes órgãos:

  • Autoridade Nacional de Proteção de Dados (ANPD);
  • Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE)
  • Ministério Público Federal (MPF); e
  • Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon).

Inicialmente, o mensageiro queria bloquear os usuários que não concordassem com os termos. Porém, a empresa voltou atrás na sua decisão. O problema é que aqueles que não aceitaram, recebem avisos constantes sobre o tema.

Em nota fornecida ao Canaltech, o WhatsApp diz o seguinte:

“É importante reforçar que a atualização dos Termos de Serviço e da Política de Privacidade não amplia a capacidade do WhatsApp de compartilhar dados com o Facebook e não afeta, de forma alguma, a privacidade das mensagens que você troca com amigos e familiares. Além disso, nenhum usuário terá sua conta apagada ou perderá acesso aos recursos do aplicativo por causa dessa atualização”.

Caso europeu

As mudanças também foram alvos de críticas na Europa. A Organização do Consumidor Europeu (BEUC) e outros órgãos criticaram a atualização da política de privacidade do mensageiro. As mudanças revoltaram usuários e fez com que aumentassem os downloads dos concorrentes Signal e Telegram.

O Facebook disse que algumas mudanças na privacidade ocorreriam para melhorar a integração com os demais produtos. Contudo, as alterações não deveriam interferir no envio de mensagens em conversas privadas ou com empresas.

Para os usuários europeus o que revoltou foi a obrigatoriedade em concordar com a nova política.  A Organização Europeia do Consumidor e, pelo menos, oito de seus membros criticaram a ação da rede social. Eles dizem que o WhatsApp estaria pressionando injustamente os usuários a aceitarem suas políticas. A queixa foi levada às autoridades europeias que tratam dos direitos dos consumidores.

O grupo que contestou as atualizações do WhatsApp diz o seguinte, em comunicado divulgado na imprensa internacional:

“O conteúdo dessas notificações, sua natureza, tempo e recorrência colocam uma pressão indevida sobre os usuários e prejudicam sua liberdade de escolha. Como tal, são uma violação da Diretiva da UE sobre Práticas Comerciais Desleais.”

A carta ainda continua: “o WhatsApp não conseguiu explicar em linguagem simples e inteligível a natureza das mudanças”.

Leis da UE pedem comunicações transparentes

O grupo também diz que “essa ambiguidade equivale a uma violação da lei do consumidor da UE que obriga as empresas a usar termos de contrato e comunicações comerciais claros e transparentes”.

Em contrapartida, o porta-voz do Facebook afirma que houve um mal-entendido no caso. De acordo com a empresa, a BEUC não compreendeu o propósito da atualização dos termos de serviço.

“A atualização não expande nossa capacidade de compartilhar dados com o Facebook e não afeta a privacidade de suas mensagens com amigos ou familiares, onde quer que estejam. Gostaríamos de ter a oportunidade de explicar a atualização à BEUC para esclarecer o que isso significa para as pessoas”. As informações são do comunicado do Facebook à comunidade europeia.

Mesmo com o posicionamento da empresa, a BEUC pediu para que as autoridades tomem providências. 

você pode gostar também

Comentários estão fechados.

This website uses cookies to improve your experience. We'll assume you're ok with this, but you can opt-out if you wish. Accept Read More