Quanto ganha um surfista profissional?

Remuneração pode chegar a cifras milionárias. Dados do Ibope Repucom apontam que o esporte está em ascensão no país.

O surfe é um esporte que vem ganhando cada vez mais adeptos no Brasil. De acordo com estimativas do Instituto Brasileiro de Surf (Ibrasurfe), a prática movimenta cifras bilionárias, algo em torno de R$ 7 bilhões ao ano. O montante compreende gastos com acessórios, roupas e pranchas.

A quantia significativa mostra que o esporte está cada vez mais em evidência. Dados do Ibope Repucom de 2019 apontam que o país conta com mais de 54 milhões de pessoas acima dos 18 anos interessadas em seguir o estilo de vida do surfe. Já os fãs da prática chegam a 25 milhões.

Uma das razões para o sucesso da modalidade tem a ver com o custo relativamente baixo para a prática, o histórico de bons atletas, além das altas chances de profissionalização da carreira.

Atualmente, o esporte possui ao menos quatro grandes atletas do esporte, com alguns nomes bastante conhecidos do público brasileiros, como Gabriel Medina, Ítalo Ferreira e Filipe Toledo.

Quanto ganha um surfista profissional?

O surfe é um esporte que movimenta bastante dinheiro, sobretudo quando há o patrocínio de grandes marcas. O salário de um surfista profissional, por exemplo, pode atingir cifras milionárias. Quando somado a prêmios e publicidade, a remuneração pode triplicar de valor.

Para se ter uma ideia, dados da revista Stab mostraram que Gabriel Medina tinha um salário anual de US$ 3,05 milhões em 2018. No mesmo ano, o surfista conquistou o valor de US$ 473 mil em prêmios. Por esses motivos, o atleta obteve o segundo lugar no ranking de surfistas mais bem pagos do mundo.

Filipe Toledo foi outro brasileiro que ocupou um lugar no ranking da revista, desta vez a quinta posição. O atleta teve salário anual de US$ 2,1 milhões e ainda levou US$ 388 mil em premiações.

Vale destacar que a cada etapa vencida em torneios, o atleta pode embolsar quantias significativas. Na World Surf League (WSL), por exemplo, Medina e Ítalo recebe mais de US$ 70 mil a cada etapa vencida, como apresentam os dados da atual temporada. A quantia é o equivalente a quase R$ 365 mil.

Apesar dos números representativos, assim como em outros esportes, o surfe também sofre com a disparidade de gênero, em que as mulheres recebem cifras menos significativas em comparação aos homens.

“Ainda falta bastante para chegarmos no lugar ideal, porque o surfe feminino no Brasil ainda tem pouco incentivo e estrutura. Comparando com Austrália e EUA, ainda estamos muito atrás. Vai ser interessante ver o surfe nas Olimpíadas, acho que vai popularizar o esporte ainda mais. Espero que tenhamos mais investimento nos atletas, principalmente de base, amadores”, comenta a surfista Maya Gabeira em entrevista à Vogue.

No entanto, a expectativa é de que, com o sucesso dos surfistas brasileiros nas Olimpíadas de Tóquio, outros atletas tenham cada vez mais reconhecimento no mercado.

você pode gostar também

Comentários estão fechados.

This website uses cookies to improve your experience. We'll assume you're ok with this, but you can opt-out if you wish. Accept Read More