Veja as raças de cachorro que são PROIBIDAS de serem criadas

Veja quais raças de cachorro você não deve criar em certos lugares.

Fofinhos e peludinhos, os cachorros realmente são amados por todo o planeta. Contudo, alguns países controlam a criação de certas raças ou até proíbem a entrada deles em território nacional.

Se você planeja adotar ou adquirir um desses bichinhos, veja a lista de raças de cachorros que são proibidas de serem criadas que separamos neste artigo e saiba qual não é indicado onde você vive.

Veja mais: Conheça as raças de cachorros que menos soltam pelos

Por que algumas raças de cachorro são proibidas de serem criadas?

Alguns países possuem leis mais severas quanto à criação de certos bichinhos de estimação. Isso porque alguns governantes consideram que raças agressivas de cães não são adequadas para viver em sociedade. Outra questão é que alguns países são contra o melhoramento genético que ocorre para criar algumas raças de cães. Então, para evitar essa prática, eles proíbem que tais raças sejam criadas e comercializadas no país.

Raças de cachorros proibidas

Veja abaixo algumas raças de cachorros que não são bem vistas ao redor do mundo:

  • Tosa Inu, proibido em 18 países;
  • Pitbull, proibido em 24 países;
  • Chow chow, restrito em Bermudas;
  • Fila brasileiro, proibido no Reino Unido e Austrália;
  • Boerboel, proibido na Dinamarca;
  • Dogo argentino, proibido em Portugal, Austrália e Nova Zelândia;
  • Rottweiler, proibido em Israel e Catar;
  • Cane corso, proibido em Bermudas;
  • Cavalier King Charles spaniel, proibido na Noruega.

Nessa lista estão inseridos animais variados em agressividade e porte, o que deixa claro que há motivos diferentes para a proibição de cada um. Em alguns casos, como imigração, os países liberam a entrada desses animais na companhia do dono, às vezes, com determinadas restrições.

Assim, certos locais solicitam que os donos garantam que o animal está estéril e que não se reproduzirá no país. Com isso, eles pretendem impedir que a raça ganhe popularidade e seja reproduzida em grandes quantidades. De qualquer forma, é preciso avaliar a disponibilidade do país em receber determinada raça de cachorro e garantir que o animal viva de forma saudável.

você pode gostar também

Comentários estão fechados.

This website uses cookies to improve your experience. We'll assume you're ok with this, but you can opt-out if you wish. Accept Read More