Selênio

O selênio é um elemento essencial em quantidades mínimas para a função de certas enzimas em humanos.

0

O selênio (símbolo químico Se, número atômico 34) é um elemento químico que é classificado como não metal. É quimicamente relacionado ao enxofre e ao telúrio.

Embora tóxico em quantidades excessivas, é essencial em quantidades mínimas para a função de certas enzimas em humanos e talvez em todos os outros organismos vivos. Por isso, é frequentemente adicionado (na forma de selenito de sódio) a vitaminas e suplementos alimentares.

Para que serve?

Tabela Periódica - Selênio

Este elemento e seus compostos têm uma ampla gama de aplicações. Por exemplo, o selênio (ou dióxido de selênio) é usado para dar uma cor vermelha aos vidros e esmaltes, e para remover o tom azul esverdeado no vidro causado por impurezas ferrosas.

É um importante catalisador de reações químicas na indústria, bem como em pesquisas de laboratório. Combinado com o bismuto, é adicionado aos latões para substituir o chumbo. É também usado em toners para fotocopiadoras.

Além disso, quando usado na tonificação de impressões fotográficas, aumenta a permanência das imagens. Sulfeto de selênio é um agente antifúngico adicionado a xampus para o tratamento da caspa. O seleneto de zinco é usado em diodos emissores de luz, lasers de diodo e detectores de raios X e raios gama.

História

O selênio (palavra grega σελήνη, que significa “Lua”) foi descoberto em 1817 por Jöns Jakob Berzelius , que encontrou o elemento associado ao telúrio.

O crescimento no consumo de selênio foi historicamente impulsionado pelo desenvolvimento constante de novos usos, incluindo aplicações em composição de borracha, ligas de aço e retificadores de selênio. Em 1970, o selênio nos retificadores foi amplamente substituído pelo silício, mas seu uso como fotocondutor nas copiadoras de papel comum tornou-se sua principal aplicação.

Durante os anos 80, a aplicação do fotocondutor diminuiu, à medida que números crescentes de copiadoras usando fotocondutores orgânicos eram produzidos. Atualmente, o maior uso de selênio em todo o mundo é na fabricação de vidro, seguido por usos em produtos químicos e pigmentos. O uso eletrônico, apesar de várias aplicações, está diminuindo.

Em 1996, a pesquisa mostrou uma correlação positiva entre a suplementação de selênio e a prevenção do câncer em humanos. No entanto, a aplicação direta generalizada desse importante achado não aumentou significativamente a demanda, devido às pequenas doses necessárias.

No final da década de 1990, o uso de selênio (geralmente com bismuto) como um aditivo para latões de encanamento para atender a padrões ambientais sem chumbo, tornou-se importante. Atualmente, a produção global total de selênio continua a aumentar modestamente.

Características

Na tabela periódica, o selênio está localizado no grupo 16 (anteriormente grupo 6A), entre enxofre e telúrio. É, portanto, um membro da família dos calcogênios. Além disso, situa-se entre o arsênio e o bromo no período 4.

Quando o selênio é produzido por meio de reações químicas, ele aparece invariavelmente como a forma amorfa e avermelhada – um pó vermelho-tijolo insolúvel. Quando essa forma é rapidamente derretida, ela se converte na forma preta, vítrea (em forma de vidro) que é geralmente vendida industrialmente como contas.

A forma mais termodinamicamente estável e densa de selênio é a forma cinza (trigonal) eletricamente condutora, composta de longas cadeias helicoidais de átomos de selênio. A condutividade desta forma é notavelmente sensível à luz – ela conduz eletricidade melhor na luz do que no escuro, e é usada em fotocélulas.

O selênio pode combinar-se com metais e oxigênio para formar selenídeos, selenatos e selenitos. A este respeito, é análogo ao enxofre, que forma sulfetos, sulfatos e sulfitos. O selênio também forma o seleneto de hidrogênio, um gás incolor e inflamável que é o composto mais tóxico do selênio.

Dados

Massa atômica – 78,96 u
Configuração eletrônica – [Ar] 4s2 3d10 4p4
Elétrons – 2, 8, 18, 6
Estado da matéria – sólido
Ponto de fusão – 494 K
Ponto de ebulição – 958 K
Entalpia de fusão – 6,69 kJ/mol
Entalpia de vaporização – 95,48 kJ/mol

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.