10 Dicas para uma boa redação

Escrever ou não escrever: eis a questão! A resposta é uma só para esse “dilema” shakespeariano: ESCREVER!

0

Escrever ou não escrever: eis a questão! Diante desse impasse, o Escola Educação tem uma perguntinha para fazer a você: Qual é o melhor exercício para quem quer arrasar na modalidade escrita? Se você respondeu que o melhor exercício é escrever, então acertou. Acredite, não há fórmulas mágicas ou dicas no mundo que substituam a prática, pois para aprimorar a produção de textos é indispensável que você se dedique e coloque em funcionamento tudo aquilo que aprendeu na escola e nos livros.

Claro que existem dicas sobre técnicas de redação que podem ajudar você a atravessar o caminho das pedras: escrever bem não é tarefa fácil, nós bem sabemos disso, mas também não precisamos transformar o momento de transferir as ideias para o papel em um verdadeiro dilema. Você já deve saber que a redação é a prova mais importante do Exame Nacional do Ensino Médio, bem como dos demais exames aplicados para o ingresso do candidato nas melhores universidades do país. Além disso, a competência linguística é uma habilidade cobrada também nos diversos concursos realizados para cargos públicos em nosso país, portanto, é preciso desenvolver esse talento que certamente está em você.

Além de treinar bastante a escrita, aqueles que desejam aprimorar essa modalidade precisam também estar cientes de que não basta escrever qualquer coisa e de qualquer jeito: é preciso ler. Um bom autor é, por excelência, um bom leitor, haja vista que não há nada mais importante do que aprender com a sabedoria dos grandes escritores, esses verdadeiros devoradores da literatura.

Você pode começar com uma leitura leve e agradável, escolhendo o gênero textual com o qual você mais se identifica, depois disso certamente terá vontade de expandir seus horizontes e buscar outros tipos de leitura que lhe forneçam subsídios para criar. Como já dissemos, não há nenhuma mágica capaz de transformar você em um escritor proficiente da noite para o dia, o que existe, de fato, é a vontade, a dedicação e o empenho, elementos fundamentais para quem quer dominar também a linguagem dos textos escritos.

Pois bem, o site Escola Educação está aqui para ajudar você nesse desafio de se transformar em um autor hábil com as palavras. Para isso, vamos mostrar para você dez dicas para uma boa redação, dicas simples e eficientes que você poderá consultar sempre que for preciso, sempre que você se vir diante de uma folha (ou tela) em branco. Vamos lá? Atenção às dicas e bons estudos!

  1. Escrever, escrever e escrever mais

Como já dissemos, não existe fórmula mágica, o segredo é escrever, escrever e escrever cada vez mais! Ao praticarmos, temos a oportunidade de notar nossas deficiências e também de saná-las. No início certamente você cometerá falhas, isso é natural, mas quem nunca aprendeu com os próprios erros, não é verdade? Você poderá contar com a ajuda de alguém que tenha mais experiência com a modalidade escrita, alguém como um bom professor de redação, por exemplo, ou outra pessoa com o conhecimento específico que a área exige. Peça que ele leia seus textos e indique possíveis falhas, bem como indique o que pode ser melhorado nas próximas produções textuais. De nada adiantaria você escrever e guardar na gaveta ou no arquivo do computador: mostre seu talento para uma pessoa que possa te aconselhar.

  1. Ler, ler e ler mais

Fórmulas e ciências humanas definitivamente não combinam. A escrita é uma ciência inexata, por isso mesmo ela não se encaixa em padrões preestabelecidos. Mas, é claro que as técnicas de redação são válidas, pois elas facilitam a vida do candidato a autor. Mas, como já dissemos antes, não há exercício que supere em eficácia o hábito da leitura. Não adianta você saber todas as dicas se tiver preguiça de abrir um bom livro para começar a se apropriar daquilo que ele nos oferece.

Quando lemos, temos a inestimável oportunidade de entrar em contato com o funcionamento da língua, percebemos todos os seus mecanismos e observamos as regras gramaticais fora do contexto das gramáticas normativas. Quem lê bastante não precisa decorar todas as regras e exceções, pois compreende na prática como elas são aplicadas. Então, deixe de preguiça e vá agora mesmo a uma livraria ou biblioteca mais próximas.

  1. A redação em concursos e vestibulares

Em concursos e vestibulares geralmente o número de linhas da redação é previamente estipulado, por isso você precisa respeitar essa regra, caso contrário terá sua prova desclassificada. Normalmente a exigência é de que seu texto não ultrapasse 30 linhas, cada linha extra será desconsiderada no momento da redação, o que fatalmente comprometerá a inteligibilidade de seu texto. Para conseguir se adequar à regra, treine a coesão textual e seu poder de concisão vocabular. Elimine excessos e seja objetivo.

  1. O tamanho da redação

Uma boa redação geralmente possui em torno de quatro parágrafos, e assim deve ser feita se o assunto for concursos e vestibulares. Esses quatro parágrafos devem ser cuidadosamente distribuídos entre a introdução, o desenvolvimento e a conclusão, partes que compõem a estrutura de um texto. Claro que essa estrutura pode variar, mas é importante ficar atento e não permitir que seu texto fique grande demais e, consequentemente, enfadonho para o leitor ou corretor.

  1. Objetividade é a palavra de ordem

Para conseguir desenvolver suas ideias e argumentos na estrutura textual aconselhada acima, você deve ser objetivo. Isso significa que todos os excessos devem ser eliminados, sob pena de sua redação ficar longa demais e cansativa para o leitor. Lembre-se de que nos textos não-literários a concisão e a precisão vocabular devem imperar soberanas, não há espaço para a “vaguidão inespecífica”, tampouco para floreios e rebuscamentos linguísticos. Figuras de linguagem que possam causar o indesejado efeito da ambiguidade devem ser limadas, para isso você deve optar por uma linguagem direta, livre de inversões e do uso da voz passiva. Prefira palavras de uso corrente, isto é, palavras que o seu leitor possa compreender o significado: nada de abusar dos arcaísmos ou de mostrar um vocabulário digno de Machado de Assis (ele era o mestre, ele podia!).

  1. Escreveu, releu

Regra de ouro para quem quer aprender a escrever bem. Depois de ter escrito e aproveitado todas as dicas apresentadas até aqui, é preciso reler. Quando relemos nossa redação, aumentam as chances de encontrarmos possíveis erros, sejam eles gramaticais, ortográficos ou ainda de coesão e coerência textual, bem como aumentam as chances de entregarmos para o leitor um texto livre de erros. De preferência, faça isso em voz alta, nem mesmo os grandes autores abrem mão desse momento.

  1. Fique atento à forma da redação

O que isso quer dizer? Quer dizer que você precisa ficar atento à apresentação de seu texto, pois para causar uma boa impressão não basta apenas que ele esteja bem escrito, mas também bem apresentado. Para isso, você deve respeitar o recuo dos parágrafos – geralmente são dois centímetros a partir da margem -, use o hífen quando fizer uma separação silábica e jamais “pule linhas” entre um parágrafo e outro. Para fechar a sétima dica, lembre-se de apresentar uma boa caligrafia. Não estamos dizendo que você precisa ter uma letra impecável, não é isso, mas sua letra precisa ser boa o suficiente para ser lida. Lembre-se de que um corretor que está diante de milhares de redações para analisar dificilmente perderá tempo decifrando incógnitas e garranchos. Preze sempre pela legibilidade e, na dúvida, opte pela letra de forma.

  1. Atenção quanto ao título da redação

Nem sempre o título será obrigatório, mas quando ele não for, isso será expressamente citado no caderno da prova. Se ele for solicitado, tendência que a maioria das provas segue, deve ser composto por uma frase nominal, ou seja, uma frase que não contenha verbos. Aposte nos títulos curtos e nunca pontue ao seu final.

  1. Diga adeus aos períodos longos

Os períodos longos comprometem a coerência e a coesão textual de uma redação, já que esse tipo de construção pode facilitar o cometimento de equívocos no momento da pontuação. Quando dissemos que você deve optar por períodos curtos não estamos dizendo que você deve partir para a linguagem telegráfica (lembra-se dos telegramas? Senão, pesquise!); tente encontrar o equilíbrio, mas sempre prefira frases curtas, pois elas são mais facilmente compreendidas pelo leitor.

  1. Comece a prova pela redação

Nunca subestime a importância da redação, pois ela geralmente faz a diferença entre conseguir a tão sonhada vaga naquela universidade de preferência ou naquele cargo público para o qual você tanto se empenhou para ocupar. Quem deixa a redação para o final corre o risco de já estar cansado demais para escrever. Você deve, se possível, fazer um rascunho das ideias e argumentos e pensar antes de começar a redigir. Quando for passar a limpo, tome cuidado para não omitir nenhuma palavra ou até mesmo períodos inteiros, caso contrário todo o seu esforço poderá ter sido em vão. Tente cronometrar o tempo dispensado para cada uma das provas para não correr o risco de não conseguir respondê-la integralmente.

Luana Alves
Graduada em Letras

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.