Câmara aprova o “homeschooling” e revolta sindicatos

Ao que parece, muitas entidades não são favoráveis a decisões que coloquem em xeque a integridade das crianças.

Foi aprovado, nesta quarta-feira, dia 18, o plano de lei que concede aos pais a possibilidade de optar por um método educacional situado em casa, o famoso homeschooling.

A votação foi encerrada com 264 votos a favor e 144 votos contra, e, ainda no dia 19, já foram realizados os reajustes necessários no texto-base.

O PL aprovado desenvolve práticas de como implantar o ensino domiciliar em solo brasileiro, sendo uma das pautas listadas pelo atual presidente em seu governo. A partir de agora, o plano será encaminhado ao Senado.

No entanto, há quem não concorde com a prática aprovada pela Câmara, pois consideram prejudiciais algumas de suas possíveis consequências, como, por exemplo, a ausência de comunicação com os demais estudantes. Algumas entidades estudantis apoiam, entre si, seus conceitos sobre a nova PL 2.401/2019, alegando que tal atitude está totalmente fora da real necessidade brasileira, com um sistema educacional já fraco e sem recursos.

Para eles o momento de investir na educação regular, tradicional, é agora, e uma aprovação como esta não seria prioridade dentro de um cenário tão crítico. “O projeto está em total desconexão das urgências dos estudantes e dos brasileiros”, afirmam. E continuam afirmando que a escola regular é um dos melhores aliados na formação do indivíduo, tanto para elevar sua visão crítica como para alavancar sua visão plural na sociedade.

Segundo a Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação analisa da seguinte forma: “o homeschooling é uma pauta anacrônica e sem fundamentos técnicos, proposta como contraponto ao esvaziamento imposto pelo governo ao orçamento do Ministério da Educação. Também tem por objetivo agradar parcela reduzida da sociedade que despreza a importância da escola para a formação cidadã de crianças e jovens, especialmente para promover o respeito às diferenças e ampliar o conhecimento a partir de diferentes teorias epistemológicas”.

Além disso, em nota, a Campanha Nacional pelo Direito à Educação relembra que, de acordo com o Supremo Tribunal Federal (STF), já concordou ser inconstitucional. “Nesses julgamentos unânimes, os ministros reconheceram missões político-pedagógicas à educação formal, dever imposto ao Estado para enfrentar padrões persistentes de violência, exclusão e discriminação de minorias, afastando o argumento da precedência do interesse dos pais”.

você pode gostar também

Comentários estão fechados.

This website uses cookies to improve your experience. We'll assume you're ok with this, but you can opt-out if you wish. Accept Read More