Cirrose – O que é, causas, sintomas e tratamento

Embora muito associado ao alcoolismo, a doença pode ser desencadeada por diversos outros fatores.

0

Segundo a Sociedade Brasileira de Hepatologia, as doenças do fígado são a oitava causa de morte no Brasil. Dentre elas, está uma das mais conhecidas, a cirrose.

A cirrose é conhecida por ser desencadeada em função do consumo excessivo de álcool. Porém, é de pouco conhecimento que também há vários outros fatores determinantes na manifestação da doença, como por exemplo, infecções e alterações de metabolismo.

O que é cirrose?

A cirrose se caracteriza pelos danos causados ao fígado. O órgão perde sua função e caminha para a falência completa.

A consequência disso é que o órgão fica fibroso e deixa de realizar tarefas primordiais para o organismo, como o processamento de nutrientes e medicamentos, a fabricação de proteínas e a produção da bile, que atua na digestão.

Infelizmente, muitas dessas condições agem silenciosamente, podendo levar pelo menos 10 anos para se manifestar. Há casos em que pode demorar até mais de 30 anos para chegar às consequências finais, bem como insuficiência hepática, o câncer de fígado e, em casos mais graves, a morte.

Sintomas de cirrose

Como dito anteriormente, os sintomas não são comuns durante os estágios iniciais da cirrose. Todavia, à medida que o tecido cicatricial se acumula, o fígado vai perdendo gradativamente sua capacidade. Assim, podem ocorrer os seguintes sinais e sintomas:

  • Pele amarelada (icterícia);
  • Inchaço no abdômen;
  • Emagrecimento;
  • Fraqueza;
  • Perda de apetite;
  • Mau hálito intenso;
  • Nódulos amarelados pelo corpo (sobretudo próximos da pálpebra);
  • Tosse e vômito com presença de sangue;
  • Perda de cabelo.

Fatores de risco

  • Consumo excessivo de bebidas alcoólicas;
  • Excesso de peso e obesidade;
  • Hepatites (sobretudo as do tipo B e C);
  • Predisposição genética;
  • Idade acima de 40 anos;
  • Uso (ou abuso) de medicamentos;
  • Diabetes.

Por que álcool está associado a cirrose?

O fígado é responsável por quebrar toxinas, como é o caso do álcool. Porém, se a quantidade de álcool for muito alta, o fígado ficará sobrecarregado e as células do órgão ficam sobrecarregadas e assim se tornam danificadas.

Em geral, outras consequências do álcool em excesso podem se manifestar antes que ocorra de fato a cirrose induzida por álcool, são eles:

Gordura no fígado – Também chamada de infiltração gordurosa ou doença gordurosa do fígado, é um acúmulo de gordura nas células do fígado.

Hepatite por álcool – Nessa ocasião, as células do fígado incham e se inflamam.

Diagnóstico de cirrose

O médico adequado para tratar a doença é o gastro ou hepatologista. Estes, apuram o histórico do paciente e analisa o estado do fígado a partir de exames de imagem como o ultrassom.

É comum a solicitação de exames de biópsia com o intuito de avaliar o tecido com um microscópio, para acompanhar seu desenvolvimento.

Prevenção

A melhor forma de prevenir esse tipo de doença é adotando um estilo de vida mais saudável. Isto é, evitar o consumo exagerado de bebidas alcoólicas, dieta muito calórica e a automedicação.

Também é de suma importância se precaver do vírus das hepatites, principalmente o tipo B, por meio de vacinas, aliado ao uso de preservativos, que por sua vez, resguarda o organismo contra o agente viral.

Tratamento

Como se trata de uma doença progressiva onde o fígado é destruído pouco a pouco, não se considera uma doença curável, porém, a partir de transplante de fígado é possível que a situação possa se reverter e, então, se obter uma cura viável.

Quando essa opção não é viável, é possível adotar medidas que visam a qualidade de vida do portador.

Além da mudança de hábitos relacionada à dieta, é indicado evitar o excesso de sal, frituras e carne vermelha, e as as refeições devem ser realizadas sempre em pequenas porções, divididas ao longo do dia. Sobre o consumo de álcool, é completamente proibido.

Veja também:

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.