10 Dicas para revisar um texto depois de terminado

A produção textual é um processo criativo que exige diversas etapas por parte de quem escreve, uma delas é a revisão. Para mais informações confira!

0

A produção textual é um processo criativo que exige diversas etapas por parte de quem escreve.

Ter fundamentação teórica consistente sobre o tema a ser discorrido; construir um esquema do futuro texto, destacando os principais eixos informativos; dominar as formas textuais; escrever adequamento e revisar o que foi registrado para que depois a produção seja entregue e/ou publicada são fases do processo textual.

Em muitas situações isto “entedia” e confunde uma leva de pessoas.

Considerando estes conflitos, hoje, vamos destacar dicas importantes de como revisar um texto depois de terminado.

Dicas para revisar o seu texto depois de terminado – Passo a passo

1- Leia-o inúmeras vezes:

Leitor, ao terminar de escrever seu texto, primeiramente, leia-o inúmeras vezes se for preciso.

2- Atente-se aos desvios semânticos, sintáticos e morfológicos:

Nesta leitura atente-se a princípio aos desvios dos eixos semânticos, sintáticos e morfológicos da língua.

A permanência dos erros desta “trindade” gramatical do português afeta diretamente o sentido e a estrutura textual.

3- Preste atenção nos homônimos, parônimos, homófonos:

No tocante à semântica, atente-se aos homônimos, parônimos e homófonos, pois são palavras com escrita/grafia idênticas ou parecidas, mas que os significados são diferentes.

Muitas vezes, na pressa em terminar de escrever você pode confundir os seguintes homônimos, por exemplo:

  • “acento” com “assento”, “caçar” com “cassar”, “cela” com “sela”, “coser” com “cozer”, “cesto” com “sexto”, etc.

Ou, ainda, pode não perceber a inserção equivocada de parônimos. É muito comum a troca dos seguintes parônimos:

  • “cavalheiro” com “cavalheiro”, “emigrar” com “imigrar”, “descrição” com “discrição”, ” deferir” com “diferir”, “comprimento” com “cumprimento”, “costumar” com “acostumar”, etc.

04- Observe o mau uso da pontuação:

Quanto à sintaxe, ao reler seu texto procure identificar os períodos longos, confusos e truncados.

Frequentemente, o mau uso da pontuação pode favorecer equívocos na coordenação, subordinação, além de prejudicar as posições e intercalações das orações.

O registro errado da pontuação pode resultar nos seguintes modelos:

  • Desvio nas orações intercaladas: “O importante insistiam todos era o amor.” em vez de “O importante, insistiam todos, era o amor.”
  • Desvio nos termos deslocados de sua posição normal: “De salgado eu não gosto.” em vez de “De salgado, eu não gosto.”
  • Erro ao não destacar o vocativo: “Luana faça a tarefa.” em vez de “Luana, faça a tarefa.”
  • Erro ao não destacar orações da mesma natureza, extensas ou breves: “Qualquer outra moça entraria em ebulição de alegria, pelas maneiras como Joana foi tratada pelo duque, pode ser que ela seja uma ingrata ou que tenha mentido.” em vez de “Qualquer outra moça entraria em ebulição de alegria, pelas maneiras como Joana foi tratada pelo duque pode ser que ela seja uma ingrata ou que tenha mentido.” etc.

05- Esteja atento aos conectores discursivos:

Ainda no campo linguístico, se concentre também em perceber se os conectores discursos como os elementos intraparágrafos e interparágrafos estão inseridos adequadamente. Estes elementos contribuem para a construção da coerência de qualquer textos.

Verifique se as conjunções coordenativas e as conjunções subordinativas estão inseridas corretamente.

“E, nem,como, logo, portanto, pois, consoante, segundo, que, se, embora, de maneira que, etc.” contribuem para a fluidez textual.

06- Gírias, marcas de oralidade, regionalismos, abreviações e clichês:

Para autorrevisar o seu texto, não se esqueça também de verificar se há presença de coloquialismo.

Gírias, expressões da oralidade, marcas regionalistas e abreviações devem ser descartadas em textos formais. No tocante ainda à expressões populares, evite o uso de clichês.

  • Desconsidere gírias como: “Fala, aí baranga!
  • Exclua marcas de oralidade, exemplo: “Sei que a professora de história nunca foi flor que se cheire, né.
  • Evite regionalismos como: “Ôh, trem bom demais!
  • Não frise abreviações, exemplo: “apto, ed, num. “
  • Descarte os clichês: “Agora é que são elas.“, “Pegar no tronco.”, “Tirar a barriga da miséria.”

07- Cuidado com os vícios de linguagem:

Na leitura de revisão procure identificar no seu texto alguns vícios de linguagem. Estes vícios prejudicam diretamente o sentido e a fluidez argumentativa.

Verifique se há presença de repetição desnecessária de uma informação. Estas repetições são denominadas de pleonasmo vicioso.

  • “Ela é uma boa atriz. Na última peça ela fez  um monólogo falando sozinha.
  • “O orvalho noturno da noite brilhava nas pequenas flores do jardim.”

Identifique se há som desagradável provocado pela fusão de duas ou mais palavras na cadeia frasal. Geralmente, esse som desagradável é constituído pela junção das sílabas finais de uma palavra com as sílabas iniciais de outra palavra. Isto se chama cacófato.

  • “Má mão a sua, o frango sempre fica cru.”
  • “Vou-me já, porque a reunião vai começar e quero estar presente durante as avaliações dos projetos.”

Observe se tem palavras na frase com terminações iguais ou parecidas que provocam dissonância, desacordo de sons. Este desvio é classificado como eco.

  • “Dom Fernando achava, desde a mocidade, que era necessário valorizar a maturidade.”
  • “Os escritores estavam conscientes de que estando-os impacientes o projeto literário não seria convincente.”

Verifique se a sequência de vogais provoca desacordo sonoro, dissonância. Esta desarmonia é conhecida como hiato.

  • Ou eu ou outro escritor faz a análise do conto.”
  • Eu ouço o companheiro de bailes em suas reflexões.”

Identifique se acontece dissonância quando há repetições de consoantes iguais ou parecidas. Este desvio é conhecido na gramática normativa como colisão.

  • “O pião parou próximo à porta do apartamento de minha mãe.”

Perceba se há duplicidade de sentido na frase. A ambiguidade ou anfibologia é o nome deste vício de linguagem.

  • “Quero meias para senhoritas escuras.”
  • “O gato do seu irmão acarinhou o pé do amigo.”

Verifique se os erros gramaticais acontecem nos seguintes âmbitos:

Nos estrangeirismos:

  • “O show de Post Malone foi cancelado no Brasil.” (espetáculo)
  • show = palavra inglesa

Na grafia:

  • Maria advinhou o final da série.” (adivinhou)

Na pronúncia:

  • “Neste interim os residentes chegaram no restaurante do hospital” (ínterim)

Estes erros apontados são conhecidos como barbarismo.

08- Conte sempre com o apoio de um dicionário:

Apesar de estarmos na era digital, momento este em que contamos com o suporte da internet e aplicativos para praticamente tudo, é interessante e confiável ter sempre em mãos um bom dicionário.

Em inúmeras situações confundimos o significado e a grafia de determinadas palavras, isto pode tirar a credibilidade do nosso texto para quem lê. Então, sempre que tenha dúvidas consulte o dicionário.

09- Tranquilidade:

Para produzir um texto, certamente, você precisa de silêncio e concentração, na revisão é a mesma coisa.

Busque lugares silenciosos e tranquilos para reler e revisar seu texto. Assim, você ganhará em produtividade e qualidade.

10- Por último, peça auxílio a um revisor profissional e/ou profissional de linguagem

Se mesmo com estas dicas você ainda se sente inseguro quanto à credibilidade gramatical, ortográfica e estrutural do seu texto, peça ajuda a um revisor. Este profissional corrigirá de forma ímpar e apontará seus desvios para que você ganhe mais autonomia linguística.

 Para mais informações e dicas sobre este assunto e correlatos, veja também:

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.