Descubra quais são as profissões que te deixam mais inteligente

É muito importante trabalharmos com algo que nos torne pessoas mais sábias e perspicazes.

São vários os motivos que levam uma pessoa a escolher uma profissão. Enquanto alguns tomam essa decisão pelo retorno financeiro, outros escolhem por vocação ou mesmo para dar continuidade a uma tradição familiar. De qualquer modo, é importante escolher algo que agregue mais conhecimento. Pensando nisso, listamos neste artigo quais são as profissões para ficar mais inteligente, de acordo com um estudo científico. Confira!

Leia mais: Nubank desvenda o mercado de criptomoedas com investimento prático direto no app

Estudo escocês aponta quais são as profissões para ficar mais inteligente

Um estudo publicado na revista Neurology em 2014, cujo título foi “Complexidade ocupacional e habilidades cognitivas ao longo da vida”, teve como objetivo investigar as associações entre a complexidade da ocupação principal da pessoa e o seu desempenho cognitivo na vida adulta.

Foram incluídos no trabalho 1.066 indivíduos, sendo 534 homens e 532 mulheres, nascidos em 1936, ou seja, que tinham 78 anos à época. Segundo o estudo, carreiras que exigem criatividade e incluem análise ou sistematização de dados podem preparar a mente para jornadas mais ativas, lúcidas e hábeis no decorrer dos anos, inclusive na velhice.

Profissões que se destacaram

Os cientistas deram uma variedade de testes aos participantes a fim de exercitar a memória, habilidades cognitivas e motoras. Aqueles que trabalharam ao longo da vida como engenheiros civis e arquitetos, por exemplo, demonstraram boa capacidade cognitiva.

Além disso, as profissões que eram baseadas em instruir e orientar a fim de prestar consultoria ou realizar negociações, como advocacia e assistência social, também foram categorizadas como atividades complexas.

Profissões de menor desempenho

Por outro lado, as ocupações menos complexas, que eram baseadas em força braçal ou copiar e comparar dados, como trabalhador da construção civil, balconista e telefonista, por exemplo, não apresentaram resultados tão significativos.

Conclusão dos autores

Como conclusão, os pesquisadores destacaram que seus achados apoiam as hipóteses de que ambientes mais estimulantes preservam a capacidade cognitiva ao longo da vida adulta, apesar de os efeitos contínuos dessas atividades na velhice ainda serem debatidos.

Estudo reforça que devemos exercitar nossa capacidade cerebral

Apesar de algumas limitações, que são comuns em estudos científicos, essa pesquisa é importante, uma vez que reforça a importância do “treinamento” cognitivo ao longo da vida para manter e proteger as funções cerebrais. Dessa forma, novos estudos em andamento serão ainda mais úteis para esclarecer melhor a questão.

você pode gostar também

Comentários estão fechados.

This website uses cookies to improve your experience. We'll assume you're ok with this, but you can opt-out if you wish. Accept Read More