Educação é o tema mais procurado entre leitores brasileiros

Pesquisa indica que 80% dos entrevistados tem preferência por artigos sobre o tema, a frente de assuntos relacionados à saúde e política.

0

Ao abrir uma revista ou assistir a um noticiário, qual tema mais desperta sua atenção para se informar? Educação, saúde, política, economia ou variedades? Se a sua resposta contempla o primeiro assunto, você faz parte dos 80% de leitores e espectadores brasileiros que prefere reportagens e artigos sobre educação frente a outras temáticas.

A estatística foi levantada pela Associação de Jornalistas de Educação (Jeduca) e apresentada durante o 2º Congresso Internacional de Jornalismo de Educação nesta terça-feira (07). Realizada pelo Instituto Datafolha, a pesquisa contemplou 2.084 entrevistados de todas as classes sociais acima de 16 anos em 129 municípios.

De acordo com o estudo, o interesse em assuntos educacionais supera a atração demonstrada sobre artigos que tratam de saúde e política, cujos índices resultam em 78% e 23%, respectivamente. A rejeição pelo tema foi identificada por, apenas, 4% dos entrevistados selecionados entre os dias 12 e 16 de junho deste ano.

E de onde vem todo o conteúdo absorvido pelos entrevistados? Segundo a pesquisa, 55% dos interessados informou adquirir seus conhecimentos por meio da TV aberta. Em segundo lugar, vêm as redes sociais, com 31%, e o rádio, que angaria 26% dos interessados em educação.

Temas preferenciais

O estudo realizado pela Jeduca aponta, também, características relacionadas pelos assuntos abordados, técnicas narrativas e escolaridade dos entrevistados. Outro ponto identificado pela associação diz respeito ao distanciamento dos participantes de temas com os quais não se identifica.

Temas mais procurados

  • 1º lugar: informações sobre escolas locais (34%)
  • 2º lugar: filhos, netos e crianças (21%)
  • 3º lugar: novas metodologias de ensino, propostas pedagógicas e tecnologia (9%)

Técnicas narrativas

  • 1º lugar: depoimentos da comunidade escolar (37%)
  • 2º lugar: matérias com vídeos (33%)
  • 3º lugar: notícias curtas e resumidas (29%)

A preferência pelos assuntos depende do nível de escolaridade dos entrevistados. Pessoas com maior grau de instrução acadêmica tendem à leitura de temas técnicos e políticos, enquanto menos escolarizados buscam pautas locais. Ao lado dos índices apresentados, a Jeduca trouxe dados, também, sobre o nível de compreensão de determinados temas.

Os pesquisadores perceberam que assuntos não tão inseridos na realidade dos entrevistados são aqueles dos quais tomam maior distanciamento. Além disso, ainda persiste certa dificuldade por grande parte da população em compreender determinados conteúdos, entre eles, “interdisciplinar” e a própria Base Nacional Curricular.

Termos muito comuns na educação, como ensino médio, aparecem, também, entre aqueles cujo entendimento não é tão claro. Alguns entrevistados, especialmente, os mais distantes da vida escolar, chegaram a questionar que idade contempla a fase de estudo mencionada. Os resultados despertaram observações contundentes por parte de especialistas.

Conforme mencionado por reportagem publicada pela Agência Brasil, o presidente da Jeduca, Antônio Gois, aponta que há o otimismo em perceber o interesse da população em educação. Por outro lado, é necessário questionar se esta é, apenas, uma “declaração de intenções” ou um consumo efetivo dessas informações.

Gois faz, ainda, um alerta a jornalistas a respeito do conteúdo publicado. Segundo ele, é necessário entender que parte dos leitores sequer entende o que está sendo noticiado devido à possível restrição a um grupo iniciado de educadores. Isso faz com que a abordagem não atinja público maior.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.