Figuras de linguagem – Resumo, Exemplos e Dicas

0

As figuras de linguagens são recursos textuais utilizados na literatura com o intuito de trazer mais expressividade e enfatizar sentimentos com outras maneiras de dizer aquilo que se fala ou pensa. Conhecer cada uma delas ajuda na compreensão de textos literários descobrindo essas maneiras diferentes de dizer algo, além de ajudar na produção de textos com esses recursos.

Entre as figuras de linguagem, possuímos 3 tipos, vejamos alguns deles, suas características e os exemplo de cada um.

1) FIGURAS DE CONSTRUÇÃO OU DE SINTAXE:
São as figuras que ocorrem por meio da alteração da estrutura sintática a partir de repetições de palavras, fonemas e sons ou da ausência de palavras.

Entre elas, podemos citar:

a) Elipse ocorre com a omissão de um termo a frase, podendo ser recuperado pelo contexto ou pelos elementos gramaticais de uma frase:

Em alguns sábados fui à missa
(o pronome ‘eu’ foi omitido)

b) Zeugma é a elipse do termo já mencionado anteriormente:

Maria gosta da sua casa, eu também.
(o verbo gostar foi omitido)

c) Pleonasmo ocorre com a repetição de ideias para intensificar o significado de um termo

Eles comeram tanta comida que João engordou.
(o verbo comer já pressupõe que é comida)

d) Aliteração é a repetição de um fonema consonantal na sequência de palavras de uma frase

Vozes veladas, veludosas vozes
Volúpias dos violões, vozes veladas”
(Cruz e Souza)

e) Anáfora é a repetição de uma ou mais palavras no início de sentenças:

Roda mundo, roda-gigante
Rodamoinho, roda pião”
(Chico Buarque)

f) Polissíndeto ocorre quando há emprego repetitivo de uma conjunção entre as orações de uma frase ou entre os termos da oração:

E corria, e brincava e chorava, sem se importar com nada além da infância.

g) Assíndeto é o oposto do polissíndeto, ocorrendo com a ausência ou omissão de conjunções:

Corria, brincava, chorava, sem se importar com nada além da infância.

h) Onomatopeia é a tentativa de reprodução de sons da natureza, como por exemplo:

Cocoricó
Au-au
Tic-tac
Tchibum

2) FIGURAS DE PENSAMENTO:
ocorre quando produz efeitos de sentidos a partir de um jogo entre os conceitos de certas palavras.

Entre elas podemos citar:

a) Paradoxo é a indicação da oposição de ideias entre palavras de uma mesma sentença:

“Amor é fogo que arde sem se ver,
é ferida que dói, e não se sente;
é um contentamento descontente,
é dor que desatina sem doer.”
(Camões)

b) Antítese é o emprego de palavras de sentido opostos em uma frase:

Não sei se fico ou se vou.

c) Eufemismo ocorre quando procura-se atenuar uma palavra ou expressão desagradável

Minha avó descansou essa noite.
(descansar = morrer)

d) Hipérbole: ocorre a partir de um exagero intencional para impressionar o leitor

Comi toneladas de hambúrgueres.

e) Ironia: passa a ideia contrária daquilo que se afirma

Ele é tão lindo que até espanta os mosquitos de casa.

f) Personificação ou prosopopeia: atribuição de características de seres animados a seres irracionais e inanimados

A prateleira infeliz caiu parecendo rir de nós.

3) FIGURAS DE PALAVRAS OU SEMÂNTICA:
ocorre quando temos a substituição de uma palavra por outra no plano figurado de acordo com a relação de proximidade ou associação entre elas.

Podemos citar:

a) Comparação: ocorre quando se dá a um ser características presentes em outro, havendo uma semelhança entre eles. Normalmente usamos as seguintes expressões para comparação: ‘tão x quanto’, ‘como’, ‘igual’, ‘semelhante que nem’, ‘igual’

Maria é tão alta quanto João.
João é forte como um touro.

b) Metáfora: ocorre como uma comparação, porém subentendida sem ser verbalizada.

Nos dias de semana a praia é deserta como o Saara.

c) Catacrese é uma metáfora desgastada que ocorre com uso de palavras impróprias, já que não existem outras para expressar aquilo que se quer dizer
Exemplos: orelha de livro, braço do sofá, embarcar e desembarcar de um avião, pé da mesa, entre outros.

d) Metonímia ocorre a partir da substituição de uma palavra por outras, porém essa troca se dá por alguma palavra que mantém proximidade de sentido. Ocorre muito quando o nome da marca representa o produto ou quando o autor substitui a obra:

O cinema aplaudiu o filme.
(cinema = público)

Empreste-me o Saramago no fim de semana.
(Saramago = livro)

Quando uma parte substitui o todo, temos um tipo particular de metonímia chamado de sinédoque:

Ele não tem teto para morar.
(teto = casa)

e) Antonomásia ou perífrase ocorre a partir da substituição de um nome ou lugar por uma característica especial que possuem:

O Rei do futebol será a estrela da copa.

Lembre-se: as figuras de linguagem podem dar margem aos vícios de linguagem, como o pleonasmo vicioso, em que há a repetição de termos que nada acrescenta a ideia, como ‘subir para cima’ e ‘descer para baixo’, cuidado com eles!

É importante dominar as principais figuras de linguagem para provas e produções textuais, sabendo identificá-las ou até mesmo utilizá-las em seus textos. Portanto, fique atento às características e exemplos de cada uma delas.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.