Guerra do Paraguai

0 201

A Guerra do Paraguai foi um dos conflitos mais sangrentos envolvendo países da América do Sul. Ocorreu entre os anos de 1864 a 1870, a explicação para a guerra encontra-se nas disputas entre países sul-americanos.

De um lado estava Brasil, Paraguai e Argentina formando a “Tríplice Aliança contra o Paraguai. Antes do conflito o país liderado por Francisco Solano López era uma grande potência econômica que pouco dependia dos países europeus, fato que desagradava profundamente às metrópoles colonizadoras. O Paraguai saiu da guerra completamente arrasada, destruída economicamente o país nunca mais voltou a ser o que era antes.

Causas do Conflito

Diversas causas podem ser destacadas para justificar o início do conflito, entre elas pode-se citar:

  • A disputa pela livre navegação nos rios da bacia platina: Paraná, Paraguai, Uruguai e o Rio da Prata. Era através desses rios que as mercadorias produzidas sul-americanas eram escoadas e seguiam para outros países do continente e para a Europa. O Brasil estava extremamente prejudicado pelo fato do comércio com a província do Mato Grosso ser realizado quase totalmente pelos rios da região, já que as estradas que ligavam a essa parte do país eram escassas e ruins.
  • Como a região era ocupada por diversas fazendas, eram comuns os fazendeiros de um país desrespeitar os limites das terras vizinhas, o que gerava constantes desentendimentos e conflitos entre eles.
  • Durante o seu governo, D. Pedro II possuía o hábito de intervir militarmente nos países da região platina sempre que percebia que seus interesses poderiam ser ameaçados. A intenção das intervenções era derrubar do poder seus desafetos e empossar aliados do seu governo. Foi assim no Uruguai quando financiou um golpe que derrubou o presidente Manuel Oribe em 1851, na Argentina com o presidente Manuel Rosas em 1852 e novamente no Uruguai ajudou na deposição do presidente Atanásio Aguirre em 1865.
  • O Brasil desejava reforçar o seu poder na América do Sul, para isso precisava garantir a livre navegação pelos rios da bacia platina.
  • A Argentina passava por problemas ocasionados por conflitos separatistas envolvendo as províncias de Entre Rios e Corrientes. Desejosas por se separar e formar países independentes, as províncias contavam com o apoio do Paraguai, o que fez aumentar a tensão entre os dois países.
  • O Paraguai, que era governado pelo ditador Francisco Solano López, almejava exercer o domínio no continente americano, seus principais rivais era os poderosos vizinhos: Argentina e Brasil. O desejo dos líderes paraguaios era conquistar uma saída para o mar para que pudessem fazer comércio com o exterior com maior liberdade.
  • A assinatura do Tratado da Tríplice Aliança no dia 1º de maio de 1865 envolveu as três países do contente sul-americano. A adesão do Uruguai ao tratado secreto, fez com que esse também se tornasse um alvo do Paraguai.

Todos esses motivos foram fundamentais para que o conflito entre os quatro países sul-americanos fosse iniciado.

O Confronto

Para conseguir seu objetivo de navegar pelos rios da bacia platina e fazer um comércio livre, o presidente paraguaio Solano López planejou dominar a região que até então era controlada pelo Brasil e Paraguai. Para tal feito contaria com a ajuda de seu aliado Uruguai e de rebeldes paraguaios, a intenção era criar um novo país onde o porto marítimo seria em Montevidéu.

Mas os planos do presidente paraguaio foram frustrados no momento em que tropas brasileiras invadiram o Uruguai e retiraram do poder o presidente Aguirre, aliado do Paraguai. Apesar de perder esse importante apoio, Solano López decidiu permanecer com suais ideias expansionistas. Sem nenhum aliado o presidente decidiu iniciar a guerra ao mandar aprisionar o navio a vapor brasileiro “Marquês de Olinda”, que navegava pelo Rio Paraguai. Em seguida ordenou a invasão da província do Mato Grosso.

Ao tentar atravessar com suas tropas as terras argentinas, teve o pedido negado, o que o levou a declarar guerra à Argentina. O presidente argentino Bartolomeu Mitre assumiu o comando da Tríplice Aliança. Em junho de 1865, a esquadra aliada, comandada pelo Almirante Barroso, destruiu a força naval paraguaia na Batalha do Riachuelo.

Essa batalha ocorreu no dia onze de junho de 1865 as margens do rio Riachuelo, um afluente do Rio Paraguai. No início do conflito os paraguaios apresentaram uma grande vantagem militar ao vencer diversos conflitos, ocupando importantes territórios na Argentina, no Mato Grosso e no Rio Grande do Sul.

Caso tivessem vencido a Batalha do Riachuelo, o Paraguai alcançaria uma grande vantagem que lhe proporcionaria dominar todo o Rio Grande do Sul e o Uruguai. A estratégia das tropas paraguaias consistia em atacar de madrugada durante um intenso nevoeiro navios brasileiros. Como um dos navios paraguaios apresentou falhas, as tropas chegaram atrasadas para o ataque, o que acabou dando as tropas lideradas pelo Almirante Barroso a vitória.

Consequências da Guerra

A vitória da guerra ficou com os países da Tríplice Aliança: Brasil, Argentina e Uruguai. Os resultados do conflito foram diferentes para todos os envolvidos. O Paraguai foi o mais afetado ao final da guerra, perdeu a maior parte de suas indústrias, uma imensa faixa de seu território (cerca de cento e quarenta mil quilômetros quadrados) para o Brasil e a Argentina, além de um saldo de mais de duzentos mil mortos. Apesar de todas as consequências negativas, o país conseguir permanecer independente. A Argentina conseguir garantir a consolidação de sua unidade territorial.

O Brasil garantiu parte do território paraguaio e garantiu o controle fluvial da região platina, exercendo assim a livre navegação com a província do Mato Grosso. Porém, os prejuízos também foram grandes, já que os gastos com a guerra foram exorbitantes. Estimativas apontam a morte de mais de vinte e três mil brasileiros, mas alguns estudos garantem que as mortes chegaram ao número de cem mil. A dívida externa cresceu, graças aos empréstimos tomados com a Inglaterra e consequentemente a inflação assolou a população mais pobre.

Antes da guerra o exército brasileiro sofria com o desprestígio, o que mudou ao final da guerra. Os militares conseguiram se afirmar como importante instituição. Como parte do contingente era formada por escravos, ao final da guerra eles foram alforriados, o que contribuiu para o fortalecimento de movimentos abolicionistas.

Lorena Castro Alves
Graduada em História e Pedagogia

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.