Pestalozzi

Conheça o trabalho e vida do pedagogo que mudou a educação moderna.

0

Johann Heinrich Pestalozzi foi um pedagogo suíço que defendia a educação dos pobres e enfatizava métodos de ensino destinados a fortalecer as próprias habilidades do aluno. O método de Pestalozzi tornou-se amplamente aceito, e a maioria de seus princípios foi absorvida pela educação moderna.

As doutrinas pedagógicas de Pestalozzi enfatizavam que as instruções deveriam passar do familiar para o novo, incorporar o desempenho das artes concretas e a experiência de respostas emocionais reais. Suas ideias fluem da mesma corrente de pensamento que inclui Johann Friedrich Herbart, Maria Montessori, John Dewey e, mais recentemente, Jean Piaget e defensores da abordagem da experiência da linguagem, como RV Allen.

Entre suas ideias, consideradas radicalmente inovadoras na época, estava a de fazer concessões para as diferenças individuais, agrupando os alunos por habilidade e não por idade, e encorajando a formação formal de professores como parte de uma abordagem científica para a educação.

Influência

Pestalozzi foi influenciado pelas condições políticas de seu país e pelas ideias educacionais de Rousseau. Quando jovem, abandonou o estudo da teologia para se aprofundar nas ciências da natureza. Em 1769, ele assumiu a agricultura de terras negligenciadas, perto do rio Aare – o Neuhof.

Quando este empreendimento perto de Zürich entrou em colapso em 1774, ele levou as crianças pobres para sua casa, fazendo-as trabalhar e tentando ensiná-las a se tornarem auto-suficientes. Este projeto também falhou, embora Pestalozzi tenha ganhado uma valiosa experiência. Ele também teve um interesse ativo na política suíça.

Trabalhos

Como a realização prática de suas ideias lhe foi negada, ele passou a escrever. Em suas obras ele descreve sua teoria fundamental de que a educação deve ser “de acordo com a natureza” e que a segurança do lar é a base da felicidade do homem.

O importante papel da mãe na educação inicial é um tema recorrente nos escritos de Pestalozzi. Por 30 anos, Pestalozzi viveu isolado em sua propriedade em Neuhof, escrevendo profusamente sobre temas educacionais, políticos e econômicos, indicando formas de melhorar o destino dos pobres.

Foto do Pestalozzi

Suas propostas foram ignoradas por seus próprios compatriotas e ele ficou cada vez mais desanimado. Seu principal tratado filosófico,”Minhas investigações sobre o curso da natureza no desenvolvimento da humanidade”, reflete sua decepção pessoal, mas expressa sua firme crença nos recursos da natureza humana e sua convicção de que as pessoas são responsáveis ​​pelo seu estado moral e intelectual. Assim, Pestalozzi estava convencido de que a educação deveria desenvolver as habilidades de um indivíduo pensar por si mesmo.

A chance de Pestalozzi de agir veio depois da Revolução Francesa, quando ele tinha mais de 50 anos de idade. A República Helvética imposta pela França na Suíça o convidou para organizar o ensino superior, mas ele preferiu começar na educação básica. Ele reuniu dezenas de órfãos de guerra carentes e cuidou deles quase sozinho, tentando criar uma atmosfera familiar e restaurando suas qualidades morais. Esses poucos meses exaustivos em Stans (1799) foram, segundo o relato do próprio Pestalozzi, os dias mais felizes de sua vida.

De 1800 a 1804 ele dirigiu um estabelecimento educacional em Burgdorf e de 1805 a 1825 um colégio interno em Yverdon, perto de Neuchâtel. Ambas as escolas contavam com fundos para alunos pagantes, embora algumas crianças pobres fossem acolhidas. Esses locais serviram como bases experimentais para provar seu método em seus três ramos – intelectual, moral e físico, o segundo incluindo treinamento vocacional e cívico.

Esse trabalho também financiou o “sonho” de sua vida, uma escola para os pobres. O Instituto Yverdon tornou-se mundialmente famoso, atraindo alunos de toda a Europa, bem como muitos visitantes estrangeiros. Alguns professores visitantes – por exemplo, Friedrich Froebel, J.F Herbart e Carl Ritter ficaram tão impressionados que continuaram estudando o método e depois introduziram em seu próprio ensino.

Enquanto assistentes dedicados continuavam a ensinar, Pestalozzi continuava sendo o coração e a alma do instituto e continuava a elaborar seu método. Em “Como Gertrude ensina seus filhos”, Pestalozzi relata os princípios da educação intelectual: que as faculdades inatas da criança devem ser desenvolvidas e que ela deve aprender a pensar, procedendo gradualmente da observação para a formação de ideias claras.

O espírito de família que prevalecia em Yverdon foi abalado nos últimos anos por uma disputa progressivamente severa entre os professores. A tão desejada escola dos pobres, estabelecida por meio do produto da publicação de suas obras coletadas, existiu por apenas dois anos.

Para grande angústia de Pestalozzi, o Instituto Yverdon perdeu sua fama e seus alunos. Seus esforços de reconciliação foram em vão. Com alguns alunos, ele se retirou para Neuhof em 1825, triste, mas convencido de que suas ideias prevaleceriam no final.

Frases

Quem não está disposto a ajudar a si mesmo não pode ser ajudado por ninguém.

A maior vitória que um homem pode ganhar é a vitória sobre si mesmo.

O círculo do conhecimento começa perto de um homem e daí se estende concentricamente.

O homem deve procurar o que é certo e deixar a felicidade vir sozinha.

A caridade é o afogamento da justiça no cárcere da misericórdia.

Você pode expulsar o diabo de seu jardim, mas o encontrará novamente no jardim de seu filho.

Aprendi que nenhum homem na ampla terra de Deus está querendo ou sendo capaz de ajudar qualquer outro homem.

PUBLICIDADE

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.