Os Melhores Poemas para o Dia dos Pais

Inspire-se em belas mensagens para acompanhar presentes e deixar o dia do seu pai ainda mais especial.

0

No Brasil, o Dia dos Pais é comemorado todos os anos no segundo domingo do mês de agosto. Por se tratar de uma comemoração muito tradicional, assim como o Dia das Mães, poucas pessoas questionam a sua origem.

Antes de conhecer as raízes da data comemorativa no nosso país, é necessário voltar ao seu berço, os Estados Unidos. Lá, a data foi institucionalizada pela primeira vez apenas no início do século XX.

A primeira comemoração, por sua vez, aconteceu em 19 de junho de 1910. A sugestão partiu de Sonora Louise Dodd, filha de um veterano da guerra civil. Ela desejava homenagear seu pai, William Jackson Smart.

Depois da morte da esposa ele teve que assumir integralmente a criação de Sonora e seus irmãos. A primeira homenagem ao veterano foi feita em 1909, na cidade de Spokane, estado de Washington. Por conta do aniversário de Smart, o dia escolhido foi 19 de junho.

O gesto da moça comoveu e inspirou muita gente. De modo que, em pouco tempo a prática se espalhou por diversos estados norte-americanos.

Entretanto, em 1966 a data comemorativa sofreu uma reviravolta. Outros fatores se relacionaram à celebração, que foi transferida para o terceiro domingo de junho. O dia foi oficializado pelo presidente Richard Nixon em 1972, inspirando muitos países ocidentais.

No Brasil a data só foi comemorada pela primeira vez em 16 de agosto de 1953. A iniciativa, associada a símbolos católicos, partiu do publicitário Sylvio Bhering. Diretor do jornal O Globo e da rádio do mesmo nome. Seus objetivos, no entanto, eram comerciais e sociais.

A transferência para o segundo domingo de agosto aconteceu anos depois, permanecendo assim até os dias de hoje.

Fato é que, independente das origens da comemoração, o importante é homenagear aquele que é o herói de muita gente. Por isso, se for possível, reserve o dia todo para ficar ao lado dele e lembrá-lo do quanto ele é importante.

Invista em cafés da manhã e almoços com as comidas que seu pai mais gosta. Para complementar as refeições e presentes, fizemos uma seleção com os melhores poemas para o dia dos pais. Capriche no cartão e impressione aquele que tanto lhe quer bem!

Deus é Pai – Padre Fábio de Melo

“Quando o sol ainda não havia cessado seu brilho,
Quando a tarde engolia aos poucos
As cores do dia e despejava sobre a terra
Os primeiros retalhos de sombra
Eu vi que Deus veio assentar-se
Perto do fogão de lenha da minha casa
Chegou sem alarde, retirou o chapéu da cabeça
E buscou um copo de água no pote de barro
Que ficava num lugar de sombra constante.
Ele tinha feições de homem feliz, realizado
Parecia imerso na alegria que é própria
De quem cumpriu a sina do dia e que agora
Recolhe a alegria cotidiana que lhe cabe.
Eu o olhava e pensava:
Como é bom ter Deus dentro de casa!
Como é bom viver essa hora da vida
Em que tenho direito de ter um Deus só pra mim.
Cair nos seus braços, bagunçar-lhe os cabelos,
Puxar a caneta do seu bolso
E pedir que ele desenhasse um relógio
Bem bonito no meu braço
Mas aquele homem não era Deus,
Aquele homem era meu pai
E foi assim que eu descobri
Que meu pai com o seu jeito finito de ser Deus
Revela-me Deus com seu
Jeito infinito de ser homem.”

Presença de Pai – Leonardo André

“Pai
A tua presença constante
O olhar, às vezes, distante
Me fazem te admirar
O teu abraço apertado
Mãos firmes e sempre ao meu lado
Me dão forças pra caminhar
O teu sorriso ilumina
A tua voz me fascina
Me acalma nas horas de dor
Amigo, herói, companheiro
Sincero, leal, verdadeiro
O meu exemplo de amor
Hoje eu quero te agradecer
Ter me dado o dom de viver
De ser forte, crescer e lutar
Quero dar-te um abraço bem forte
E sorrir bem feliz pela sorte
De ser teu filho e poder te abraçar…”

As Mãos do Meu Pai – Mário Quintana

“As tuas mãos têm grossas veias como cordas azuis
sobre um fundo de manchas já cor de terra
— como são belas as tuas mãos —
pelo quanto lidaram, acariciaram ou fremiram
na nobre cólera dos justos…

Porque há nas tuas mãos, meu velho pai,
essa beleza que se chama simplesmente vida.
E, ao entardecer, quando elas repousam
nos braços da tua cadeira predileta,
uma luz parece vir de dentro delas…

Virá dessa chama que pouco a pouco, longamente,
vieste alimentando na terrível solidão do mundo,
como quem junta uns gravetos e tenta acendê-los contra o vento?
Ah, Como os fizeste arder, fulgir,
com o milagre das tuas mãos.

E é, ainda, a vida
que transfigura das tuas mãos nodosas…
essa chama de vida — que transcende a própria vida…
e que os Anjos, um dia, chamarão de alma…”

Meu Pai – Ivone Boechat

“Gosto de rever
A imagem forte do meu pai
Tremendo o assoalho
Ao caminhar
É doce me lembrar
Como se temia
Quando ele perdia
A abotoadura
O guarda-chuva
A chave de fenda
Hoje é lenda
A figura enigmática
A disciplina dura
A rotina sistemática
O pai não morre
Ele corre na frente
Pra levantar o segredo do véu
E guardar pra gente
O lugar mais estrelado do céu.”

Ter um Pai – Florbela Espanca

“Ter um Pai! É ter na vida
Uma luz por entre escolhos;
É ter dois olhos no mundo
Que vêem pelos nossos olhos!

Ter um Pai! Um coração
Que apenas amor encerra,
É ver Deus, no mundo vil,
É ter os céus cá na terra!

Ter um Pai! Nunca se perde
Aquela santa afeição,
Sempre a mesma, quer o filho
Seja um santo ou um ladrão;

Talvez maior, sendo infame
O filho que é desprezado
Pelo mundo; pois um Pai
Perdoa ao mais desgraçado!

Ter um Pai! Um santo orgulho
Pró coração que lhe quer
Um orgulho que não cabe
Num coração de mulher!

Embora ele seja imenso
Vogando pelo ideal,
O coração que me deste
Ó Pai bondoso é leal!

Ter um Pai! Doce poema
Dum sonho bendito e santo
Nestas letras pequeninas,
Astros dum céu todo encanto!

Ter um Pai! Os órfãozinhos
Não conhecem este amor!
Por mo fazer conhecer,
Bendito seja o Senhor!”

Figura Expressiva – Mário Osny Rosa

“Pai figura expressiva
Na vida de todos os filhos
Às vezes, até agressiva
Na dúvida dos empecilhos
No contato de cada dia
A cada um orientar
Como uma velha magia
Para um dia ostentar
Ensina com segurança
Só as argurias da vida
Pra que tenha esperança
Sem a vitória perdida
Ensinar o caminho do bem
Mostrar toda a realidade
Pra logo chegar ao além
Para viver em sociedade.”

Memória – José Agostinho Baptista

“é de ti que eu falo
hoje
quando
todos os pássaros emigram do outono
para os beirais destruídos
quando os olhos cegos de conhecerem as margens
se fecham devagar
é de ti que eu falo.

lembras-te?

era janeiro e eu vinha como quem desce.
a casa tinha janelas azuis e à volta
um tempo de febre e canções longínquas.

estávamos sós.

lembras-te?

então o pai atravessa o cais.
aí paravam os estios da ilha
os ventos do atlântico queimavam os lábios
e ele dizia:

cresce filho corre filho

para onde irei para onde?

e ele dizia:

perdidos foram os teus lugares,
os caminhos íngremes e os contos de
terror,
as pedras úmidas onde te sentaste a
falar para o mar.

lembras-te?”

Missão de Ser Pai – Autor Desconhecido

“Ser pai é uma missão
Não é apenas reprodução
Ser pai é dar amor, carinho e proteção
Ser amigo leal nas horas certas
E severo com brandura quando for preciso
Para educar e mostrar o caminho certo
Nos quais os filhos vislumbrarão
Uma referência a seguir
Pai é proteção e segurança
Quando suas mãos buscam as mãos dos filhos
Eles sentem-se seguros e protegidos
E caminham lado a lado sem temor
Mesmo que estejam temerosos
De enfrentar qualquer obstáculo que surgir
Em suas vidas e caminhos

Pai é o amigo para as brincadeiras
É o confidente nas angústias
É o sorriso na alegria
É o companheiro nas tristezas
É o amparo no cansaço
E o colo quando o sono chega
Velando com ternura o meu adormecer
E se eu ficar doente, o franzir de sua testa
Reflete a preocupação e busca logo os recursos
Para que eu possa logo sarar
Esse é o meu pai
Aquele homem bondoso
Que eu sempre vou amar!”

Soneto ao Meu Pai – João Dias Ferreira

“Ainda lembro abrir-me
os portais da vida com o teu punho firme.

Ei pai, quero tua voz a ditar-me o certo
num tom firme quando em meus deslizes.
Quero te olhar nos olhos, ouvir o que dizes,
guardar as lições no meu peito aberto.

Ei pai, todo bom caule tem boas raízes
plantio sem amor dá um fruto incerto.
Todo bom filho quer seu pai por perto
só abraçam o mundo os que são felizes.

Ei pai, tolere meus erros, não se zangue,
as mãos que punem também dão carinho,
no teu mapa do amor tem o meu caminho.

Ei pai, corre nas minhas veias o teu sangue.
Fiz-me do que és desde a concepção
dois corpos unidos num só coração!”

Imagem de um Pai – Affonso Ritter

“Pensei que fosse fácil fazer-te um poema, papai.

Mas vejo que tua vida é um poema difícil, que a gente não pode escrever.

Vejo os calos das mãos que contam histórias de enxadas, caminhando pelos campos; e histórias de chinelos, falando uma linguagem, que os filhos não entendem.

Vejo os calos dos joelhos, que contam histórias humildes de horas silenciosas, conversadas com Deus.

Vejo as rugas da fronte que falam das rugas da alma como sulcos da terra que as chuvas abriram.

Vejo os pés cansados, rasgados por espinhos, que a gente não vê.

Vejo o calor brilhante do coração que sempre nos ama, quando ainda não sabíamos amar.

Eu me lembro de um pai, que dorme de olhos abertos pensando no filho, que não abre os olhos.

Lembro-me de um pai,
Que varre o lixo das ruas,
Pensando no lixo das casas,
Que não pode varrer.

Lembro-me de um pai,
Que bebe suas mágoas na garrafa,
Pensando matar as mágoas da vida.

Lembro-me de papai:
É difícil fazer um poema para ti,
Que vives o poema mais lindo.”

Dia dos Pais – Giuseppe Artidoro Ghiaroni

“Meu pai está tão velhinho,
tem a mão branca e comprida,
parecendo a sua vida,
longa vida que se esvai.

E eu o lembro quando moço
de uma atlética altivez.
Ah! Tinha força por três!
Você se lembra, papai?

Menino, ouvia dizer
que você era um gigante.
Eu ficava radiante
e também me agigantava.

Porque toda madrugada,
eu quentinho do agasalho,
ao sair para o trabalho
o gigante me beijava.

Sua grande mão de ferro
parecia leve, leve
naquela carícia breve
que da memória não sai.

Depois… um beijo em mamãe
e o meu gigante partia.
E a casa toda tremia
com os passos de papai.

Mas agora o seu retrato
muito moço, muito antigo,
se parece mais comigo
do que mesmo com você.

Você já lembra vovô
e, à medida que envelhece,
papai, você se parece
com mamãe, não sei por quê.

Você se lembra, papai?
Quando mamãe, de repente,
caiu de cama, doente,
era o pai quem cozinhava.

Tão grande e desajeitado
a varrer… Quando eu o via
de avental, papai, eu ria;
eu ria e mamãe chorava.

Eu quis deixar o ginásio
para ganhar ordenado,
ajudar meu pai cansado,
mas tal não aconteceu.

Papai disse estas palavras:
Sou um operário obscuro,
mas você terá futuro,
será melhor do que eu.

Eu? Melhor que este velhinho
a quem devo o pão e o estudo?
Que é pobre porque deu tudo
à Família, à Pátria, à Fé?

Meu pai, com todo o diploma,
com toda a universidade,
quisera eu ser a metade
daquilo que você é.

E quero que você saiba
que, entre amigos, conversando,
meu assunto vai girando
e no seu nome recai.

Da sua força, coragem,
bondade eu conto uma história.
Todos vêem que a minha glória
é ser filho de meu pai.

“Um dia eu fui tomar banho
no rio que estava cheio.
Quando a correnteza veio,
vi a morte aparecer.

Papai saltou dentro d’água
nadando mais do que um peixe,
salvou-me e disse: – Não deixe!
Não deixe mamãe saber!”.

Assim foi meu pai, o forte
que respeitava a fraqueza.
Nunca humilhou a pobreza,
nunca a riqueza o humilhou.

Estava bem com os homens
e com Deus estava bem.
Nunca fez mal a ninguém
e o que sofreu perdoou.

Perdoa então se lhe falo
Daquilo que não se esquece.
E a minha voz estremece
e há uma lágrima que cai.

Hoje sou eu o gigante
e você é pequenino.
Hoje sou eu que me inclino.
Papai… a bênção, papai.”

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.