Projeto Chapeuzinho Vermelho na Escola

Mesmo sendo um dos contos infantis mais antigos do mundo, a história é atemporal e inspira professores e alunos até os dias de hoje.

0

É muito provável que a história da Chapeuzinho Vermelho já existisse antes, desde a Idade Média, mas foi durante o século XVII, mais precisamente em 1697, que o francês Charles Perrault (1628 – 1703) colocou o conto de fadas no papel.

No princípio, o conto estava presente no repertório das rodas dos camponeses, onde os fatos eram narrados para toda a família. Situações do cotidiano, como a fome a mortalidade infantil, serviram de inspiração para as narrativas.

Perrault ficou mundialmente conhecido por criar uma literatura popular que agradou as crianças e que foi aprovada também pelos adultos da época. Registrou muitas histórias da tradição oral que foram contadas por sua mãe.

Nos últimos anos de vida publicou o livro “Os Contos da Mamãe Gansa”, uma coletânea com oito histórias, entre as quais, a da Chapeuzinho Vermelho. Os contos tinham como personagens centrais princesas e bruxas e até hoje estão presentes no imaginário infantil.

A partir da publicação de Perrault a história da menina, da avó e do lobo ganhou o mundo e uma infinidade de versões. Contudo, ele próprio foi responsável por modificar a história, e deixá-la com um final um pouco mais sangrento, já que tinha o intuito de colocar uma moral na história que servisse de alerta para os pequenos.

Durante o século XIX os irmãos alemães Jacob e Wilhelm Grimm também compilaram vários contos que só eram transmitidos pela oralidade. Foi na versão deles que entrou o caçador, que na história é responsável por resgatar a avó e a menina, cortando a barriga do lobo.

Desde então o enredo sofreu diversas alterações, adaptações e releituras na cultura popular mundial, tornando-se um dos contos mais conhecidos do planeta e marcando a infância de muitas crianças ao redor do mundo.

Projeto Chapeuzinho Vermelho na Escola

Justificativa

A leitura das histórias clássicas infantis é capaz de proporcionar diversos benefícios na formação das crianças. Além de enriquecer o vocabulário, o mundo do faz de conta desperta a imaginação, estimula a criatividade, elucida sentimentos e promove a compreensão das emoções. No mais, a língua é valorizada como um veículo de comunicação e expressão dos povos, incluindo o desenvolvimento da linguagem, leitura e escrita.

Objetivos

  • Desenvolver habilidades psicomotoras, afetivo-sociais e cognitivas;
  • Estimular a socialização;
  • Criar o hábito de ouvir histórias;
  • Reconhecer a leitura como uma prazerosa fonte de informações;
  • Trabalhar a linguagem oral;
  • Estimular o desenvolvimento da expressão artística, bem como da criatividade;
  • Identificar a sequência lógica de uma narrativa, com começo, meio e fim;
  • Desenvolvimento da espacialidade por meio de brincadeiras;
  • Conhecer os meios de transporte;
  • Trabalhar as cores.

Desenvolvimento

  • Comece o desenvolvimento do projeto com um momento de apresentação do livro, ilustrações e personagens;
  • Em seguida, inicie a contação da história. Quanto mais dinâmica for a leitura, maiores as chances de as crianças se envolverem com as atividades;
  • Use fantoches para fazer a dramatização;
  • Extraia e reforce as informações mais importantes e algumas lições, tais como, não falar com estranhos, obedecer aos pais, respeito pelos mais velhos, entre outras;
  • Detalhamento das características físicas e emocionais dos personagens (como eles são? como são as personalidades? no que eles são diferentes?);
  • Exibição do filme “Deu a Louca na Chapeuzinho”. O longa é de 2005 é faz uma paródia com os personagens da história original;
  • Fichas de leitura temáticas;
  • Brincadeiras dirigidas;
  • Reescrita coletiva do texto e confecção de um livrinho;
  • Ilustrações da história para serem colocadas em um varal na sala de aula;
  • Atividades pedagógicas (completar as palavras, cruzadinhas, caça palavras, jogo dos sete erros, etc.);
  • Discussão sobre os meios de transportes mais usados para visitar familiares e amigos;
  • Atividades pedagógicas sobre meios de transporte;
  • Apresentação e identificação oral das cores em cartões coloridos e posterior realização de atividade escrita com a temática;
  • A culminância do projeto pode ser uma apresentação musical da turminha para os familiares e toda a comunidade escolar. A dica é fazer capas vermelhas e fantasias de lobo para que todos fiquem parecidos com os personagens principais. A indicação de música é O Chapeuzinho Vermelho – João de Barro.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.