Projeto Consciência Negra para Educação Infantil e Ensino Fundamental

Pensado especialmente para professores, este projeto apresenta uma série de propostas para trabalhar o Dia da Consciência Negra na escola.

2

Sancionada em 09 de janeiro de 2003, a Lei 10.639 instituiu o dia 20 de novembro como Dia Nacional da Consciência Negra. De acordo com o texto aprovado pelo governo federal, ele deve estar presente no calendário escolar das escolas públicas e privadas de todo o país, do ensino fundamental ao ensino médio.

Outro ponto importante, também sancionado pela Lei, foi que o ensino de História e Cultura Afro-Brasileira passou a ser obrigatório nas escolas. O tema pode ser discutido em todas as matérias, entretanto, o maior destaque fica por conta de Educação Artística, Literatura e História Brasileira.

Tudo isso com o objetivo de promover reflexões acerca do reconhecimento da luta e resistência dos negros ao longo da história do Brasil.

O dia 20 de novembro não foi escolhido ao acaso. Nesta data, em 1695, faleceu uma das mais importantes lideranças negras da história brasileira. Zumbi foi líder do quilombo dos Palmares, atuando fortemente contra o sistema escravista e na busca pela liberdade de seu povo.

Os quilombos eram os locais para onde os escravos que conseguiam fugir se abrigavam. O mais notável deles foi liderado por Zumbi, que ficava na então província de Pernambuco. Zumbi dos Palmares morto durante um combate, justamente enquanto defendia o seu povo.

Mais de quinze anos já se passaram desde a sanção da lei, por isso, muitas escolas já possuem um trabalho sólido em relação ao tema. Há muitas possibilidades com as quais trabalhar, e que vão além das atividades diárias: eventos, exposições, feiras e apresentações culturais são algumas das opções.

Com o intuito de auxiliar os professores na hora de preparar as aulas sobre a data o Escola Educação elaborou o projeto Consciência Negra para educação infantil e ensino fundamental, com várias sugestões que podem servir como base para montar diversos planos de aula.

Projeto Consciência Negra na Escola

Justificativa:

  • O Brasil é o país com a segunda maior população negra do mundo. Apesar disso, situações racistas ainda acontecem com certa frequência em diversas esferas da sociedade. A principal maneira de gerar avanços em pensamentos como esses, é justamente por meio da educação.
  • E esta não só no sentido apresentado legalmente, mas como meio de fomentar discussões, rever o que foi posto ao longo do tempo, e principalmente estimular reflexões e soluções práticas para que o fim da discriminação racial finalmente seja alcançado em nosso país.
  • Celebrar o Dia Nacional da Consciência Negra é uma forma de levantar questões fundamentais a respeito da importância dos negros na construção da história do povo brasileiro. Para que uma mudança de pensamento aconteça, de fato, é preciso estimular o respeito pelas diferenças desde muito cedo.
  • Nos últimos tempos, vários estereótipos foram deixados de lado, entretanto, ainda há muito o que se fazer nesse sentido. Há muitos conceitos presentes no imaginário popular que precisam ser esclarecidos e desmistificados.

Objetivos:

  • Promover a reflexão a respeito da igualdade racial;
  • Estimular o respeito às diferenças;
  • Conhecer as tradições africanas e identificar de que maneira elas influenciaram a cultura brasileira;
  • Desconstruir o conceito de que os africanos eram naturalmente escravos, quando na verdade eles foram escravizados por outros povos;
  • Identificar como a cultura africana está presente no nosso cotidiano por meio de músicas, comidas, língua, religião, etc.;
  • Trabalhar expressão corporal;
  • Conversar a respeito da discriminação e preconceitos baseados na aparência das pessoas.

Desenvolvimento:

  • Roda de leitura com o livro Menina Bonita do Laço de Fita – Ana Maria Machado (Ed. Ática, 2000);
  • Exibição do DVD do filme cuja protagonista é a primeira princesa negra da Disney: “A princesa e o sapo” (Disney, 2009, 1h 38m);
  • Elaborar junto dos alunos um glossário com algumas palavras de origem africanas usada no nosso dia a dia, explicando o significado de cada uma;
  • Apresentar o continente africano, localizando-o no mapa mundial, contando um pouco sobre alguns dos países, enfatizando as diferenças entre eles, com o objetivo de desconstruir o conceito de que a África é um continente homogêneo;
  • Apresentação de músicas tradicionais, instrumentos e sons africanos: berimbau, tambor, atabaque, agogô, etc.;
  • Ilustração de histórias usando tinta guache e folha sulfite (Opções: “O Cabelo de Lelê” de Valéria Belém e “O Menino Marrom” de Ziraldo);
  • Exposição de pratos típicos;
  • Apresentação de capoeira com grupos convidados;
  • Produção textual com base em discussões a respeito da igualdade racial;
  • Confecção de painel ou cartazes com imagens de personalidades negras notáveis em todo o mundo. Apresentar de forma resumida a história e importância deles para a desconstrução do preconceito;

Veja também:

você pode gostar também
  1. MANOEL RICARDO GEISSLER DA SILVA Diz

    ZUMBI DOS PALMARES, FOI UM DOS MAIORES BANDIDOS DA ÉPOCA DA ESCRAVATURA, ELE MATAVA, SEQUESTRAVA E ESTUPRAVA OS DA PRÓPRIA RAÇA, PORQUE COLOCÁ-LO COMO HERÓI, SE O PRÓPRIO POVO E RAÇA DELE SABE DA HISTÓRIA DELE.

    1. Viviane Diz

      Sr. Manoel, por favor, qual é a base para a sua afirmação? Onde estão as fontes consultadas pelo Sr.? Como chegou a essa conclusão?
      Grata.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.