Revolução Federalista

A Revolução Federalista foi um conflito protagonizado por dois grupos políticos gaúchos: os federalistas e os republicanos.

0

O que foi a Revolução Federalista? Foi um conflito que ocorreu na Região Sul do país, no estado do Rio Grande do Sul. Iniciou-se em 1893 e perdurou até 1895. Desenrolou-se durante o governo de Floriano Peixoto, no período conhecido como República da Espada.

Foi uma guerra civil gaúcha que envolveu os dois grupos políticos mais importantes, o Partido Federalista e o Partido Republicano Rio-Grandense.

Resumo

A Revolução Federalista foi um enfrentamento ocorrido entre duas facções políticas rivais do Rio Grande do Sul.

Com a ascensão política de Floriano Peixoto, houve uma modificação da estrutura política com a deposição de todos os políticos próximos ao ex-presidente, marechal Deodoro da Fonseca.

Tal ação se estendeu aos estados, que tiveram os governadores substituídos por simpatizantes do novo governo.

A transformação da estrutura política atingiu o Rio Grande do Sul, o estado que tinha dois partidos políticos disputando o poder.

Um deles era o Partido Republicano Rio-Grandense (PRP), a favor do republicanismo positivista e apoiador de Júlio de Castilhos, novo governador do estado aliado a Floriano Peixoto.

O outro partido era o Partido Federalista (PF), integrado por pessoas contrárias ao governo de Júlio de Castilhos e apoiadores do regime parlamentarista que possibilitaria uma maior autonomia dos estados.

Após a imposição do governador aliado ao governo federal, a tensão entre esses grupos políticos intensificou-se.

Em fevereiro de 1893, insatisfeitos com a medida tomada por Floriano Peixoto de nomear Júlio de Castilhos ao governo do estado, os federalistas, comandados por Gaspar Silveira Martins e Gumercindo Saraiva, se rebelam e pegam em armas, exigindo a retirada do então governador do poder.

As tropas do governo reagem rapidamente, obrigando o recuo dos federalistas, que reagem conquistando a cidade de Bagé.

Atacando diferentes regiões do estado, os federalistas avançam no território nacional, conquistando regiões dos estados de Santa Catarina e do Paraná.

O ano de 1893 foi palco, ainda, da Revolta da Armada, na cidade do Rio de Janeiro. Os participantes dessa revolta, após serem dispersados da capital federal, se juntam aos federalistas gaúchos e conquistam Desterro, em Santa Catarina.

A tentativa de golpe não deu certo, pois Floriano Peixoto contava com o apoio de parcelas significativas da população.

Os enfrentamentos da Revolução chegam ao fim em junho de 1895. Saldanha da Gama combateu até a sua morte com os últimos 400 revoltosos.

Um acordo de paz foi assinado no mesmo ano com o intuito de estabelecer um fim definitivo ao conflito. Nele, determinava a anistia a todos os combatentes da Revolução.

É importante salientar que esse conflito ficou conhecido como a Revolução da Degola, por ter provocado cerca de 10 mil mortes.

Federalistas e Republicanos

Os federalistas integravam o Partido Federalista do Rio Grande do Sul, fundado em 1892 por Gaspar Silveira Martins.

Insatisfeitos com as práticas do governo, como a adoção do sistema de governo presidencialista, exigiam a deposição de Júlio de Castilhos.

Além disso, desejavam um governo parlamentarista que possibilitaria a descentralização do poder. Os líderes do partido eram Gaspar da Silveira Martins e Gumercindo Saraiva.

Já os republicanos, integravam o Partido Republicano Rio-Grandense (PRR) e atuavam ao lado de Floriano Peixoto. Defendiam a consolidação da República, a centralização do poder e a modernização do país.

O principal líder do Partido na época, era Júlio de Castilhos.

Cerco da Lapa

O Cerco da Lapa foi um episódio militar que ocorreu durante a Revolução Federalista, em 1894. O conflito se deu na cidade de Lapa, no estado do Paraná. Ela foi o palco de um confronto sangrento entre as tropas republicanas e os federalistas.

A batalha se iniciou com a invasão dos federalistas no Paraná. Os republicanos resistiram ao cerco por 26 dias, mas pereceram pela falta de comida e munição.

Entretanto, Floriano Peixoto manda reforços à região e derrotam as tropas federalistas.

Consequências da Revolução Federalista

Algumas das consequências da Revolução Federalista foram:

  • Milhares de mortes;
  • Derrota dos federalistas;
  • Júlio de Castilhos se mantém no poder do Estado;
  • O Congresso perdoa os revoltosos;
  • Assinam um acordo de paz.

Saiba mais em:

PUBLICIDADE

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.