As características da Globalização

0

A humanidade, desde a formação das civilizações antigas, esteve sempre em constante busca de expansão de seus horizontes, tanto para aumentar seus domínios territoriais quanto para intensificar suas trocas comerciais.

Grupos de diferentes sociedades passaram a interagir-se em maior ou em menor proporção de acordo com o tempo, as perspectivas e a evolução dos instrumentos de transporte e comunicação.

O que é Globalização? Nesse sentido, podemos dizer que a Globalização insere-se como a consolidação desse processo, ou seja, a mundialização da humanidade e suas interconexões.

Conceito de Globalização

O conceito de Globalização é, de certo modo, recente. As primeiras designações desse termo para expressar o contexto estrutural mundial iniciaram-se na década de 1980 e popularizaram-se com a queda do Muro de Berlim e o final da Guerra Fria.

Em muitas definições, o seu entendimento está relacionado ao processo de expansão e consolidação do capitalismo em todo mundo. No entanto, em determinadas abordagens, o marco inicial da Globalização é considerado muito anterior a esse período histórico.

Início

Para muitos autores, a Globalização teve início no final do século XV e início do século XVI, com a expansão marítima e comercial europeia, que buscava novas rotas para acesso a matérias-primas e também a expansão da prática colonial, fatores que permitiram a consolidação do sistema capitalista então nascente.

Com isso, a interação e, sobretudo, o domínio dos povos europeus sobre os demais permitiu a exploração máxima de mão de obra e também de matéria-prima, além da universalização gradativa da comunicação e da transmissão de valores.

De todo modo, é errôneo compreender a globalização como um fato único ou como um acontecimento. Trata-se, na verdade, de um processo, ou seja, um fenômeno de constante evolução e transformação ao longo do tempo.

E essa evolução materializa-se conforme o processo de evolução das técnicas e dos objetos técnicos ou tecnológicos. O exemplo mais claro disso é o progresso nos meios de transporte, na medida em que, anteriormente, pequenas distâncias levaram dias para serem percorridas, ao passo que, hoje, grandes caminhos são vencidos em algumas horas.

Comunicação

Os meios de comunicação, por sua vez, permitiram também uma transformação sem igual das inter-relações entre as sociedades situadas em diferentes pontos da Terra.

No século XVIII, uma notícia levava dias para ser recebida em áreas distantes, enquanto que nos dias atuais a comunicação pode acontecer em tempo real independentemente da distância entre o emissor e o receptor, tudo em função dos aparatos tecnológicos.

Expansão

Essa forma com que tudo parece mais perto e as distâncias não são mais obstáculos para a expansão do processo de globalização, permite a criação de vários conceitos.

O primeiro deles é a noção de aldeia global, que representa o mundo como um local “pequeno”, ou seja, onde nada está isolado e tudo é facilmente encontrado e compreendido.

Da mesma forma, existe o conceito de compressão espaço-tempo, que diz respeito à diminuição das distâncias em sentido metafórico (no sentido de serem mais rapidamente percorridas) e no tempo cada vez menor com que as evoluções tecnológicas se sucedem.

Compressão Espaço Tempo

Os Efeitos da Globalização

A expansão e concretização do processo de Globalização culminou em diferentes efeitos sobre a dinâmica de funcionamento das sociedades.

Considerando que suas estruturas se promoveram a partir das transformações proporcionadas pelas Revoluções Industriais, podemos dizer que ela se manifesta em todos os campos da sociedade, desde a economia até a cultura.

O primeiro e principal efeito da Globalização foi a consolidação do sistema capitalista pelo mundo, o que foi marcado pela proeminência do sistema informacional e pela intensificação do capitalismo financeiro, de modo que o mercado tornou-se totalmente controlado pela dinâmica do sistema especulativo de ações e juros.

Além disso, como uma das consequências da Globalização, observa-se a natureza com que os elementos culturais, econômicos, comerciais, ideológicos e estruturais se expandem pelo mundo.

Assinala-se, nesse caso, a construção e proliferação das redes, compostas por pontos fixos e pelos fluxos estabelecidos entre eles. Assim, temos redes de cidades, de empresas, de comunicações, de transportes, de capitais, de bens materiais, de padrões morais e culturais, dentre outras formas.

Empresas

Nesse sentido, destaca-se o papel exercido pelas empresas multinacionais, também chamadas de transnacionais ou empresas globais. Elas se formam em verdadeiros conglomerados que se estabelecem a partir de grandes fusões entre corporações, de modo a expandir-se não apenas em termos de mercado consumidor, mas no próprio processo de produção.

Muitos produtos industrializados possuem seus diferentes componentes fabricados em diversos países, com a montagem final sendo realizada em um fábrica maquiladora. É o que acontece, por exemplo, com os veículos automotivos e os aviões.

Cidades

As cidades, por sua vez, passam a se orientar-se a partir de uma divisão territorial hierárquica, que se caracteriza pelo predomínio exercido pelas grandes metrópoles e cidades globais, tais como Nova York, Londres, Paris, Tóquio e muitas outras.

Eles exercem uma centralidade econômica e até cultural sobre regiões, continentes ou até mesmo sobre todo o mundo, concentrando também a sede das grandes empresas e organizações internacionais.

Acordos Econômicos

Por fim, cabe destacar os efeitos da globalização sobre o comércio, especialmente com a formação dos chamados Acordos Regionais ou Blocos Econômicos. Inicialmente interpretados como um entrave para a globalização, esses acordos contribuíram para intensificar a dinâmica comercial global, e também pela ação por parte dos países em grupos coesos, o que às vezes se explicita no meio político.

Nesse último caso, o principal exemplo é a União Europeia, que abriga um grande número de países, muitos deles usuários de uma mesma moeda em seus territórios, essa regulada por um Banco Central continental.

Resumo

Como podemos perceber, a Globalização é um processo extremamente dinâmico e que, no entanto, não se manifesta igualmente em todos os lugares.

Há, portanto, regiões mais globalizadas do que as outras, tudo pelas desigualdades sociais existentes nas diferentes partes do mundo, o que alimenta muitas críticas não somente à Globalização em si, mas a toda a estrutura capitalista mundial.

Por Rodolfo F. Alves Pena
Mestre em Geografia

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.