Biografia de Napoleão Bonaparte – Vida, Poder, Legado e Influência

Napoleão Bonaparte (15 de agosto de 1769 - 5 de maio de 1821), foi um dos maiores comandantes militares da História.

0

Napoleão Bonaparte (15 de agosto de 1769 – 5 de maio de 1821), foi um dos maiores comandantes militares da História. Foi imperador da França e seus esforços militares e pura personalidade dominaram a Europa por uma década.

Nos assuntos militares, questões legais, economia, política, tecnologia, cultura e sociedade em geral, suas ações influenciaram o curso da história europeia por mais de um século, e ainda reflete nos dias de hoje.

Vida pregressa

Napoleão nasceu em Ajaccio, Córcega, em 15 de agosto de 1769. Era filho de Carlo Bonaparte, advogado e oportunista político e sua esposa, Maria Letícia. Os Bonaparte eram uma família rica da nobreza córsica. Mesmo assim, quando comparados às grandes aristocracias da França, os pais de Napoleão eram pobres.

Napoleão entrou para a academia militar em Brienne em 1779. Mudou-se para a École Royale Militaire parisiense em 1784 e se formou um ano depois como segundo tenente da artilharia. Estimulado pela morte de seu pai em fevereiro de 1785, o futuro imperador completou em um ano um curso que muitas vezes levava três anos para conclusão.

Início de carreira

Apesar de ter sido colocado no continente francês, Napoleão pôde passar a maior parte dos oito anos seguintes na Córsega, graças à sua feroz escrita de cartas e à flexão de regras, bem como aos efeitos da Revolução Francesa e pura sorte.

Lá, ele desempenhou um papel ativo em questões políticas e militares, inicialmente apoiando o rebelde da Córsega, Pasquale Paoli, um antigo patrono de Carlo Buonaparte.

A promoção militar também ocorreu, mas Napoleão se opôs a Paoli e quando a guerra civil irrompeu em 1793. Os Bonapartes fugiram para a França, onde adotaram a versão francesa de seu nome: Bonaparte (anteriormente eram Buonaparte).

A Revolução Francesa havia dizimado a classe de oficiais da república e os indivíduos favorecidos podiam obter uma promoção rápida. Em dezembro de 1793, Napoleão era o herói de Toulon, general e favorito de Augustin Robespierre.

Pouco depois, a roda da revolução virou e Napoleão foi preso por traição. A tremenda flexibilidade política salvou-o e o patrocínio do visconde Paul Barras, que em breve seria um dos três ‘diretores’ da França, veio em seguida.

Napoleão tornou-se herói novamente em 1795, defendendo o governo de forças contra-revolucionárias enfurecidas. Baras recompensou Napoleão promovendo-o a um cargo militar, uma posição com acesso à coluna política da França.

Napoleão rapidamente se transformou em uma das autoridades militares mais respeitadas do país. Em grande parte por nunca manter suas opiniões para si mesmo. Logo após, se casou com Josephine de Beauharnais, em 1796.

Poder

Em 1796, a França atacou a Áustria. Napoleão comandou o Exército na região da Itália. Ele teve vitórias após vitórias contra adversários austríacos teoricamente mais fortes.

Napoleão retornou à França em 1797 como a estrela mais brilhante da nação. Sempre um grande publicitário, ele manteve o perfil de um político independente, graças em parte aos jornais que agora dirigia.

Em maio de 1798, Napoleão partiu para uma campanha no Egito e na Síria, motivada por seu desejo de novas vitórias. A campanha egípcia foi um fracasso militar (embora tenha tido um grande impacto cultural).

Uma mudança de governo na França fez com que Bonaparte saísse – alguns diriam que abandonou – seu exército e retornasse em agosto de 1799. Pouco tempo depois ele participou de uma revolta militar. O Golpe Brumário de novembro de 1799, terminou levando ele a ser membro do Consulado, o novo triunvirato da França.

Primeiro cônsul

A transferência de poder pode não ter sido suave, mas a grande habilidade política de Napoleão era clara. Em fevereiro de 1800, ele foi estabelecido como Primeiro Cônsul, uma ditadura prática com uma constituição firmemente envolvida em torno dele.

No entanto, a França ainda estava em guerra com seus companheiros na Europa e Napoleão se dispôs a vencê-los. Ele o fez dentro de um ano, embora o triunfo fundamental, a Batalha de Marengo, travada em junho de 1800, tenha sido vencida pelo general francês Desaix.

Do reformador ao imperador

Tendo concluído tratados que deixaram a Europa em paz, Bonaparte começou a trabalhar na França. Ele reformou a economia, o sistema legal (o famoso e duradouro Código Napoleônico), a igreja, forças armadas, educação e o governo.

Ele estudou e propôs detalhes minuciosos, muitas vezes enquanto viajava com o exército. Bonaparte exibiu habilidade como legislador e estadista. A popularidade de Napoleão continuou alta, ajudada pelo seu domínio da propaganda, mas também pelo genuíno apoio nacional.

Ele foi eleito ao Consulado pelo povo francês em 1802 e imperador da França em 1804, um título que ele trabalhou duro para manter e glorificar.

Retorno à guerra

A Europa não ficou em paz por muito tempo. A fama, as ambições e o caráter de Napoleão baseavam-se na conquista, tornando quase inevitável que seu grande líder lutasse em guerras futuras. No entanto, outros países europeus também buscaram o conflito, pois não apenas desconfiavam e temiam Napoleão, mas também mantinham sua hostilidade em relação à França revolucionária.

Nos oito anos seguintes, Napoleão dominou a Europa, lutando e derrotando uma série de alianças envolvendo combinações da Áustria, Grã-Bretanha, Rússia e Prússia. Às vezes, suas vitórias eram esmagadoras – como Austerlitz em 1805, muitas vezes citadas como a maior vitória militar de todos os tempos.

Napoleão forjou novos estados na Europa, incluindo a Confederação Alemã – construída a partir das ruínas do Sacro Império Romano – e o Ducado de Varsóvia, enquanto também instalava sua família e favoritos em posições de grande poder.

As reformas continuaram e Napoleão teve um efeito cada vez maior sobre a cultura e a tecnologia, tornando-se um patrono das artes e das ciências, estimulando respostas criativas em toda a Europa.

Desastre na Rússia

O Império Napoleônico mostrou sinais de declínio em 1811, incluindo uma queda nas fortunas diplomáticas e um fracasso contínuo na Espanha. Tais questões foram ofuscadas pelo que aconteceu em seguida. Em 1812, Napoleão entrou em guerra com a Rússia, reunindo uma força de mais de 400.000 soldados, acompanhados pelo mesmo número de seguidores.

Tal exército era quase impossível de alimentar ou controlar adequadamente. Os russos recuavam repetidamente durante as batalhas, destruindo os recursos locais e separando o exército de Napoleão de seus suprimentos.

Napoleão continuamente hesitou, chegando a Moscou em 8 de setembro de 1812, após a Batalha de Borodino, um conflito que matou mais de 80.000 soldados. No entanto, os russos se recusaram a se render. Eles incendiaram Moscou e forçaram Napoleão a recuar para um território amistoso.

O Grande Armée foi assolado por fome, frio e pelos guerrilheiros russos. No final de 1812, apenas 10.000 soldados franceses estavam lutando. Os demais haviam morrido em condições horríveis ou fugido da guerra.

Um golpe tinha sido tentado na ausência de Napoleão da França. Seus inimigos na Europa foram revigorados, formando uma grande aliança com a intenção de removê-lo do poder. Um grande número de soldados inimigos avançava pela Europa em direção à França, derrubando os estados que Bonaparte havia criado.

Abdicação

Ao longo de 1813 e em 1814, a pressão cresceu no reinado de Napoleão. Em 30 de março de 1814, Paris rendeu-se às forças aliadas sem luta e, enfrentando uma enorme traição e probabilidades militares impossíveis, Napoleão abdicou como imperador da França. Ele foi exilado para a Ilha de Elba.

Segundo Exílio e Morte

Napoleão fez um retorno sensacional ao poder em 1815. Viajando para a França em segredo, ele atraiu grande apoio e reivindicou seu trono imperial, além de reorganizar o exército e o governo. Depois de uma série de compromissos iniciais, Napoleão foi derrotado em uma das maiores batalhas da história: Waterloo.

Esta última aventura ocorreu em menos de 100 dias, fechando com a segunda abdicação de Napoleão em 25 de junho de 1815, quando as forças britânicas forçaram-no ao exílio. Instalado em Santa Helena, uma pequena ilha rochosa bem longe da Europa, a saúde e o caráter de Napoleão flutuavam. Ele morreu em seis anos, em 5 de maio de 1821, aos 51 anos.

Legado

Napoleão ajudou a perpetuar um estado de guerra na Europa que durou 20 anos. Poucos indivíduos já tiveram um efeito tão grande no mundo, na economia, na política, na tecnologia, na cultura e na sociedade.

Ele usou seus talentos para levantar-se do caos, depois construir, liderar e destruir espetacularmente um império antes de fazer tudo de novo em um minúsculo microcosmo. Seja herói ou tirano, as reverberações foram sentidas em toda a Europa por um século.

Fatos Rápidos

Conhecido por: Imperador da França, conquistador de grande parte da Europa.

Também conhecido como: Imperador Napoleão Bonaparte, Napoleão 1º da França, O Pequeno Cabo, O Córrego.

Nascido em: 15 de agosto de 1769 em Ajaccio, Córsega.

Pais: Carlo Maria Bonaparte, Maria Letícia Ramolino.

Morreu em: 5 de maio de 1821, em Santa Helena, Reino Unido.

Obras Publicadas: “Le souper de Beaucaire” (Ceia em Beaucaire), um panfleto pró-republicano (1793); o “Código Napoleônico” e o código civil francês (1804). Autorizou a
publicação de “Description de l’Égypte”, uma obra multivolume de autoria de dezenas de estudiosos que detalhavam a arqueologia, a topografia e a história natural do
Egito (1809-1821).

Prêmios e Honras: Fundador e Grão-Mestre da Legião de Honra (1802), Ordem da Coroa de Ferro (1805) e Ordem da Reunião (1811).

Cônjuges: Josephine de Beauharnais (8 de março de 1796 – 10 de janeiro de 1810), Marie-Louise (2 de abril de 1810 – 5 de maio de 1821).

Filhos: Napoleão II

Citação Notável: “Grande ambição é a paixão de um grande personagem. Aqueles dotados com isto podem realizar atos muito bons ou muito ruins. Tudo depende dos princípios que os dirigem.”

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.