Igreja Medieval

A Igreja Medieval foi a instituição mais importante da Idade Média.

0

A Igreja Medieval ou Igreja Católica teve um papel essencial durante a Idade Média. Ela estruturou a visão de mundo do homem medieval, além de ser uma grande proprietária de terras, a principal fonte de riqueza e poder político.

Foi a instituição que resistiu a inúmeras transformações ocorridas no continente europeu desde o século V. Ao promover a conversão dos povos bárbaros, ela efetivou a síntese entre o mundo romano e o bárbaro.

Durante a Idade Média, houve o predomínio do feudalismo. Com isso, a Igreja se deslocou para o campo, onde abades e bispos se tornaram senhores feudais.

Assim, por meio de doações dos mais ricos, a Igreja se tornou a instituição feudal mais poderosa de todo o período.

Uma das principais funções da Igreja era garantir a paz e a ordem em uma sociedade fortemente organizada numa base militar em que as virtudes guerreiras se destacavam nas classes dirigentes.

Ao instituir a Trégua de Deus, a Igreja Medieval passou a proibir a ocorrência de combates em determinados dias do mês e em datas religiosas.

A justiça também ficava a cargo da Igreja que tinha sua própria jurisdição. Ao julgar uma série de casos de acordo com o Direito Canônico, ela regulava diversas instituições e relações de acordo com a sua legislação.

O cristianismo definia as condutas éticas a medida em que o medo da morte determinava o comportamento da população.

Características da Igreja Medieval

A Igreja Medieval possuía uma estrutura fortemente hierarquizada. Tal fato colaborou para que ela enfrentasse todas as crises, concentrando o poder e o saber.

A divisão interna consistia entre o:

  • Alto clero: composto por membros da nobreza que ocupavam cargos de direção, como os arcebispos, bispos, etc.
  • Baixo clero: integrado por pessoas pertencentes às camadas mais pobres da sociedade.

Toda a estrutura da Igreja era comandada pelo Papa, o ocupante do topo da hierarquia.

Entre os séculos V e VIII, alguns membros do clero passaram a conviver com os fiéis, visando evangelizar os reinos bárbaros. Essa parte do clero formou o “clero secular”, que significa: aquele que vive no mundo.

No entanto, com o passar do tempo, parte dos religiosos afastou-se das doutrinas cristãs. Ao mesmo tempo, surgiu o “clero regular”, composto por monges que viveriam afastados do mundo material, recolhidos em mosteiros.

Os mosteiros se tornaram o centro da vida cultural e intelectual da Idade Média, além de cumprirem importantes funções políticas e econômicas.

As únicas bibliotecas e escolas da época se encontravam nos mosteiros e abadias. Assim, o clero foi o principal responsável pela manutenção da cultura greco-romana.

Em uma sociedade analfabeta em sua maioria, o acesso à leitura e à escrita era exclusivo aos bispos, padres, monges e abades. Com isso, ficava a cargo da Igreja Medieval o controle do saber.

As heresias e a Inquisição

As heresias eram todos os pensamentos e atos contrários às doutrinas da Igreja. Em diversos momentos, grupos de fiéis contestaram as teorias do catolicismo, sendo chamados de hereges pela Igreja.

Com isso, o clero travou uma intensa guerra contra os hereges, criando a Inquisição, uma instituição autônoma pertencente à Igreja Católica.

Ela tinha liberdade para investigar e condenar as pessoas consideradas, hereges. A Inquisição matou diversos indivíduos sob a justificativa de serem inimigos da Igreja Católica.

Saiba mais em:

PUBLICIDADE

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.