Eureka! Saiba o que significa insight e como ele ocorre

Um insight famoso da história da humanidade foi o momento do grito "Eureka" de Arquimedes.


Muitos termos de outras línguas passam a ser utilizados no cotidiano dos brasileiros, passando a ser inseridos no vocabulário da língua portuguesa.

Um exemplo disso é o termo insight, muito utilizado no meio criativo.

Origem do termo

A palavra insight tem como origem a língua inglesa, formada pelo prefixo “in” (dentro) e sufixo “sight” (vista).

Assim, ao unir os significado, forma-se as palavras “vista interior” ou “olhar de dentro”.

O que significa insight?

Esse termo é utilizado para fazer referência ao ato de uma pessoa compreender algo de forma repentina e intuitiva.

Além disso, existe o uso dessa palavra para quando alguém encontra a solução para uma situação complexa e de difícil resposta.

O insight mais memorável de todos os tempos é possivelmente o momento do famoso grito “Eureka!” de Arquimedes.

O grande matemático havia sido desafiado a descobrir se a coroa do rei Hieron II de Siracusa era feita de ouro maciço.

No momento citado, o matemático descobriu como medir o volume de um objeto através de sua densidade pelo deslocamento de água da banheira.

Esse extraordinário insight permitiu muitos avanços na ciência, com a invenção da hidrostática.

Utilizações do termo

A palavra insight pode ser utilizada com diferentes abordagens.

Na psiquiatria, ela esta relacionada a habilidade de reconhecer a própria saúde mental.

Na psicologia é utilizada quando há a descoberta de algo de maneira bastante intuitiva. Outro uso é acerca da capacidade da pessoa de ver um problema de forma diferente.

Além disso, é comum sua utilização remetendo ao discernimento sobre verdades que não são claras.

Como ocorre o insight?

Quando o insight acontece, é perceptível várias mudanças no cérebro. Essa afirmação pode ser feita, pois estudos feitos pelo o psicólogo Mark Beeman, da Universidade Northwestern, em 2004, mediram a atividade cerebral de voluntários enquanto eles tinham insights.

A pesquisa foi realizada com exames de ressonância magnética funcional (fMRI) e eletroencefalograma (EEG).

Durante os exames, os voluntários tinham que resolver problemas de associação remota. Enquanto isso, suas atividades cerebrais eram monitoradas.

A conclusão do estudo foi a presença de uma aumento significativo das atividades no hemisfério direito do cérebro, principalmente do giro temporal superior anterior.

A área direita do cérebro é relacionada a criatividade e essa região é responsável pelo reconhecimento de conexões distantes.

Essa ampliação das atividades acontece exatamente no momento em que encontravam uma solução.

Veja também:

PUBLICIDADE

você pode gostar também

Os comentários estão fechados, mas trackbacks E pingbacks estão abertos.

This website uses cookies to improve your experience. We'll assume you're ok with this, but you can opt-out if you wish. Accept Read More