15 frases de Guimarães Rosa

Guimarães Rosa foi um dos grandes nomes da literatura brasileira. Pertencente ao modernismo, as suas frases reflexivas ainda são atuais para os brasileiros.

0

O escritor de literatura brasileira, Guimarães Rosa, ficou conhecido por sua obra de maior destaque e mais premiada Grande Sertão: Veredas. Publicado em 1956, o título foi traduzido para várias línguas.

Escritor, diplomata e médico, João Guimarães Rosa fez parte da terceira geração do modernismo, denominada “geração de 45”.

Entre os contos, novelas e romances escritos, a maioria estão ambientados no sertão brasileiro, dando lugar à linguagem regional.

Veja a seguir 15 frases de Guimarães Rosa que ainda fazem sucesso!

15 frases de Guimarães Rosa

É preciso sofrer depois de ter sofrido, e amar, e mais amar, depois de ter amado.

Se todo animal inspira ternura, o que houve, então, com os homens?

Felicidade se acha é em horinhas de descuido.

Viver para odiar uma pessoa é o mesmo que passar uma vida inteira dedicado à ela.

Só se pode viver perto de outro, e conhecer outra pessoa, sem perigo de ódio, se a gente tem amor. Qualquer amor já é um pouquinho de saúde, um descanso na loucura.

Viver é um rasgar-se e remendar-se.

O correr da vida embrulha tudo.
A vida é assim: esquenta e esfria, aperta e dai afrouxa, sossega e depois desinquieta.
O que ela quer da gente é coragem.

Deus nos dá pessoas e coisas, para aprendermos a alegria…
Depois, retoma coisas e pessoas para ver se já somos capazes da alegria sozinhos…
Essa… a alegria que ele quer.

O mais importante e bonito do mundo é isso: que as pessoas não estão sempre iguais, mas que elas vão sempre mudando.

Como não ter Deus?! Com Deus existindo, tudo dá esperança: sempre um milagre é possível, o mundo se resolve. Mas, se não tem Deus, há-de a gente perdidos no vai-vem, e a vida é burra. É o aberto perigo das grandes e pequenas horas, não se podendo facilitar, é todos contra os acasos. Tendo Deus, é menos grave se descuidar um pouquinho, pois no fim dá certo.

O amor? Pássaro que põe ovos de ferro.

As coisas mudam no devagar depressa dos tempos.

As coisas assim a gente não perde nem abarca. Cabem é no brilho da noite. Aragem do sagrado. Absolutas estrelas.

Eu sou é eu mesmo. Divirjo de todo o mundo…
Eu quase que nada não sei. Mas desconfio de muita coisa.

Mestre não é quem sempre ensina, mas quem de repente aprende.

Leia também: Os 20 maiores autores brasileiros de todos os tempos

PUBLICIDADE

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.