Radioatividade – Resumo, o que é, história, efeitos e consequências

Saiba um pouco mais da história, efeitos e consequências da radioatividade desde sua descoberta.

0

História

A compreensão moderna da radiação ionizante começou em 1895 com Wilhelm Röntgen. Enquanto conduzia vários experimentos fazendo a aplicação de correntes elétricas a diferentes tubos de raios catódicos, ele descobriu que, apesar de cobrir os objetos para bloquear a luz, parecia haver raios penetrando e reagindo com uma solução de bário em um cartão que ele havia colocado nas proximidades.

Depois de vários experimentos, incluindo tirar a primeira foto (da mão de sua esposa e da estrutura do esqueleto) com os novos raios, ele nomeou-os “raios X” temporariamente, como uma designação de algo desconhecido. Com o passar do tempo o nome ficou popular.

Esta descoberta foi seguida em 1896 pelo estudo de Henri Becquerel. Ele descobriu que os sais de urânio emitiam raios semelhantes naturalmente. Embora originalmente achasse que os raios eram emitidos por sais de urânio fosforescente após exposição prolongada ao sol, ele acabou abandonando essa hipótese. Através de novas experiências, incluindo urânio não fosforescente, ele passou a reconhecer que era o próprio material que emitia os raios.

Embora tenha sido Henri Becquerel quem descobriu o fenômeno, foi sua aluna de doutorado, Marie Curie, quem o nomeou: radioatividade. Ela fez um trabalho pioneiro com materiais radioativos, incluindo a descoberta de elementos radioativos como: tório, polônio e rádio.

Símbolo da radioatividade, trifólio, o mesmo nome que se dá às ervas com folhas em forma de trevo
Símbolo da radioatividade, trifólio, o mesmo nome que se dá às ervas com folhas em forma de trevo

Ela foi premiada com o Prêmio Nobel duas vezes, uma vez ao lado de Henri Becquerel e anos depois por sua descoberta do rádio e polônio. Ela também conduziu um trabalho pioneiro em radiologia, desenvolvendo e implantando máquinas de raios X móveis nos campos de batalha da Primeira Guerra Mundial.

Ela morreu em 1934 de anemia aplástica, provavelmente desenvolvida a partir de exposição prolongada a vários materiais radioativos, cujos perigos só foram realmente compreendidos muito tempo após a maior parte de sua exposição ter ocorrido.

Na verdade, seus trabalhos (e até mesmo seus livro de receitas) ainda são altamente radioativos e muitos são considerados inseguros para serem manuseados. Seus documentos pessoais estão armazenados em caixas blindadas e exigem equipamentos de proteção para serem revisados ​​com segurança.

Os perigos da radiação

Um dos primeiros grandes eventos a destacar os perigos da radiação ionizante foi o caso das “Radium Girls”, trabalhadoras que tinham como função pintar mostradores de relógios com uma tinta que tinha como base o elemento químico rádio. Embora houvesse suspeitas dos efeitos da radiação ionizante, a empresa não oferecia nenhum equipamento de segurança para as trabalhadoras que pintavam os mostradores dos relógios.

Um hábito comum das trabalhadoras era lamber seus pincéis para moldá-los adequadamente. Como o corpo humano trata o rádio como cálcio, ele é depositado nos ossos e leva à doença da radiação. Não se sabe quantos morreram por exposição à radiação.

Depois que cinco dos trabalhadores processaram a empresa (United States Radium) e a publicidade negativa que se seguiu, os riscos para a saúde foram trazidos à atenção do público.

O interesse público levou ao primeiro estudo a longo prazo da exposição à radiação. O caso também provocou mudanças drásticas nos campos da segurança e nas normas de segurança do trabalho.

O Projeto Manhattan e a Guerra Fria

O Projeto Manhattan, o estudo realizado durante a Segunda Guerra Mundial para desenvolver a primeira bomba atômica, levou diretamente ao segundo estudo de longo prazo sobre os efeitos da exposição à radiação a longo prazo, ou seja, o estudo dos sobreviventes das bombas em Hiroshima e Nagasaki.

Os atentados, que mataram mais de 150.000 pessoas também deixaram mais de 600.000 sobreviventes que foram estudados nos anos seguintes. Entre os resultados estava o fato de que não parece ter havido um aumento de defeitos congênitos naqueles que sobreviveram às explosões. Houve, no entanto, cerca de 1.900 mortes por câncer que podem ser atribuídas diretamente aos atentados.

Desde a criação e detonação das bombas atômicas, inaugurou-se a “Idade Atômica“. Muita coisa mudou em nossa compreensão sobre a radiação e sobre materiais radioativos. Durante a Guerra Fria, houve experimentação em ambos os lados, procurando aproveitar tanto o poder ofensivo do material quanto os usos potencialmente valiosos em outros campos, como medicina, radiografia e outros.

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.