Realismo

O Realismo está entre esses estilos de época, estilos que contribuíram para a formação de nossa identidade cultura e, por consequência, literária.

0

Machado de Assis
Machado de Assis – Poemas de Machado de Assis

Machado de Assis nasceu no Rio de Janeiro no dia 21 de junho de 1839. Faleceu em sua cidade natal em 29 de setembro de 1908, aos 69 anos. O escritor, principal representante da literatura realista no país, ganhou de Carlos Drummond de Andrade a alcunha de “Bruxo do Cosme Velho”. É, ainda hoje, considerado o maior escritor da literatura realista no Brasil e um dos mais importantes escritores da literatura universal.

A literatura brasileira é tradicionalmente dividida em escolas literárias ou, como queira, movimentos literários. Essa divisão tem como objetivo facilitar o estudo e o ensino da disciplina nas escolas e universidades e é bastante didática, haja vista que agrupa escritores de acordo com suas características temáticas e estilísticas. O Realismo está entre esses estilos de época, estilos que contribuíram para a formação de nossa identidade cultura e, por consequência, literária. Quer conhecer um pouco mais das características do Realismo brasileiro? Então o Escola Educação apresenta para você esse que certamente é um dos mais interessantes períodos de nossas letras. Boa leitura e bons estudos.

A história do Realismo

O Realismo tem início na Europa na segunda metade do século XIX. As profundas modificações sociais e culturais pelas quais a sociedade europeia passava à época contribuíram para o surgimento de uma nova estética literária, influenciada pelas correntes científicas que explicavam fenômenos sociais, naturais e psicológicos à luz de teorias materialistas. As contradições sociais começam a aparecer, evidenciadas, principalmente, pela Revolução Industrial, conjunto de mudanças que aconteceram na Europa nos séculos XVIII e XIX.

A principal particularidade dessa revolução foi a substituição do trabalho artesanal pelo assalariado e com o uso das máquinas. Como muitos empresários ambicionavam lucrar mais, o operário era explorado sendo forçado a trabalhar até 15 horas por dia em troca de um salário baixo. A partir desse contexto, os escritores realistas observaram a necessidade de descrever a realidade das cidades tal qual ela é, postura que contrariava a ideia de subjetividade tão defendida pelos românticos.

Assim como o Realismo, o Naturalismo e o Parnasianismo também buscavam combater o Romantismo a partir de uma perspectiva que trouxesse à tona a realidade. Entre os três movimentos, o Realismo foi aquele que alcançou maior êxito no combate ao Romantismo e no resgate do objetivismo na literatura, apresentando um inclinação pelas descrições. O marco inicial da escola realista na Europa deu-se com a publicação do romance Madame Bovary, em 1857, obra do escritor francês Gustave Flaubert. No Brasil, o livro Memórias Póstumas de Brás Cubas, de Machado de Assis, publicado em 1881, é apontado como o primeiro do estilo, muito embora as primeiras manifestações do Realismo tenham ocorrido ainda durante o Romantismo, no início da segunda metade do século XIX.

Observe o quadro comparativo das principais características do Realismo e do Romantismo:

Realismo Romantismo
Objetivismo Subjetivismo
Descrições e adjetivação objetivas, tentando captar o real como ele é Descrições e adjetivação idealizantes, tentando elevar o objeto descrito
Linguagem culta e direta Linguagem culta, em estilo metafórico e poético
Mulher não idealizada, mostrada com defeitos e qualidades Mulher idealizada, anjo de pureza e perfeição
Amor e outros sentimentos subordinados aos interesses sociais Amor sublime e puro, acima de qualquer interesse
Casamento como instituição falida; contrato de interesses e conveniências Casamento como objetivo maior do relacionamento amoroso
Herói problemático, cheio de fraquezas, manias e incertezas Herói íntegro, de caráter irrepreensível
Narrativa lenta, acompanhando o tempo psicológico Narrativa de ação e de aventura
Personagens trabalhadas psicologicamente Personagens planas, de pensamento e ações previsíveis
Universalismo. Individualismo, culto do eu

O Realismo no Brasil

No Brasil, assim como na Europa, o Realismo distanciou-se de elementos próprios do Romantismo, entre eles o exotismo, a fuga da realidade, o mal-do-século e outros, postura que iniciaria um processo que culminaria numa forma diferente de sentir e ver a realidade, ou seja, sob uma perspectiva realista.

Entre os autores que se dedicaram à investigação do comportamento humano e às denúncias das mazelas sociais, Machado de Assis merece destaque: o “Bruxo do Cosme Velho” (Cosme Velho é um bairro da cidade do Rio de Janeiro, bairro no qual o escritor morou durante longos anos), alcunha criada pelo maior poeta brasileiro de todos os tempos, Carlos Drummond de Andrade, produziu uma extensa obra literária dedicada à estética realista, que pode ser percebida sobretudo em seus contos, crônicas e romances. Na obra machadiana encontramos a preocupação do escritor com a técnica de composição do enredo e também a preocupação com a articulação dos temas, com a análise do caráter e do comportamento humano.

“(…) Este último capítulo é todo de negativas. Não alcancei a celebridade do emplasto, não fui ministro, não fui califa, não conheci o casamento. Verdade é que, ao lado dessas faltas, coube-me a boa fortuna de não comprar o pão com o suor do meu rosto. (…) Somadas umas coisas e outras, qualquer pessoa imaginará que não houve míngua nem sobra, e conseguintemente que saí quite com a vida. E imaginará mal; porque ao chegar a este outro lado do mistério, achei-me com um pequeno saldo, que é a derradeira negativa deste capítulo de negativas: — Não tive filhos, não transmiti a nenhuma criatura o legado da nossa miséria.”

(Fragmento final do livro “Memórias Póstumas de Brás Cubas”, de Machado de Assis)

A obra de Machado de Assis é dividida em duas diferentes fases: na primeira fase o escritor alia-se à estética romântica, ainda que alguns elementos do Realismo já pudessem ser percebidos. Na segunda fase, encontramos um Machado totalmente associado à escola realista, seus romances, contos e crônicas já apresentam os temas próprios do estilo, bem como uma linguagem ferina, permeada pela fina ironia que é a característica maior do escritor. Com o êxito de Memórias Póstumas de Brás Cubas, que apresentou ao público uma personagem distante da dualidade maniqueísta que divide os homens entre bons e maus, Machado ainda nos deixou obras-primas como Quincas Borba e Dom Casmurro, cuja atmosfera universalizante também alcançou seus últimos romances, Esaú e Jacó e Memorial de Aires.

Da fase realista da prosa machadiana estão os romances:

  • Memórias Póstumas de Brás Cubas, (1881)
  • Casa Velha, (1885)
  • Quincas Borba, (1891)
  • Dom Casmurro, (1899)
  • Esaú e Jacó, (1904)
  • Memorial de Aires, (1908)

Além de Machado de Assis, alcançaram destaque no romance realista os escritores Raul Pompéia e Visconde de Taunay. Entre as obras de Raul Pompéia, O Ateneu é aquela que obteve maior êxito, sendo considerada um exemplo do impressionismo na literatura brasileira, também considerada uma obra Naturalista. Já o escritor Visconde de Taunay destaca-se na literatura regionalista, uma das fases do romance brasileiro. Seu livro de maior sucesso foi Inocência, considerada pelos críticos uma obra transitória, situado entre o Romantismo e o Realismo.

Luana Alves
Graduada em Letras

PUBLICIDADE

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.