Supermercados criam horário de funcionamento especial para idosos

Diante da disseminação do novo coronavírus, estabelecimentos comerciais criaram horários especiais para atendimentos aos idosos e outros dos grupos de risco.

0

Os supermercados têm se empenhado para manter as prateleiras abastecidas e, consequentemente, tranquilizar os consumidores que se encontram em estado de pânico por conta do novo coronavírus. Inclusive, alguns estabelecimentos comerciais criaram algumas medidas para proteger os clientes idosos e os demais pertencentes ao grupo de risco da doença.

pandemia do coronavírus já matou mais de 6.500 pessoas em todo mundo e líderes de governo estão articulando medidas emergenciais para evitar o contágio de grandes grupos e promover o isolamento social, com intuito de limitar a disseminação do vírus.

A maior rede de supermercados australiana, Woolworths, com 995 lojas no território, alterou o horário de funcionamento de suas lojas, passando a abrir uma hora mais cedo para atender os clientes idosos e deficientes.

“A mudança foi motivada pela demanda sem precedentes nos supermercados na semana passada, que viu muitas pessoas idosas e vulneráveis ​​na comunidade perdendo itens vitais que podem precisar quando fazem compras”, relatou a empresa por anúncio em seu site.

O novo horário iniciou na manhã de terça-feira, 17 de março, e vai até pelo menos sexta-feira, 20 de março, destacou Woolworths. Os clientes necessitam possuir cartões de aposentados ou pensionistas, emitidos pelo governo, ou um cartão sênior para entrar no estabelecimento.

Outra rede situada na Austrália, Coles, também divulgou o período matutino de quarta-feira como um “horário da comunidade”.

Ademais, um shopping center em West Belfast, na Irlanda do Norte, informou que o mercado da Iceland Foods daria início a um horário privativo aos consumidores idosos e deficientes.

É desnecessário acumular alimentos

PUBLICIDADE

O temor em torno da propagação do coronavírus tem levado pessoas a irem aos supermercados e comprarem muitos alimentos e itens de higiene, como desinfetante, álcool em gel, papel higiênico e outros produtos. Por consequência, as prateleiras ficam limpas e o pânico se instaura.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, realizou uma teleconferência com os executivos de supermercados e cadeia de suprimentos solicitando que eles não estoquem produtos e alimentos.
Segundo comunicado emitido pelo secretário de imprensa adjunto da Casa Branca, Judd Deere, “as cadeias de suprimentos nos Estados Unidos são fortes e não é necessário que o público americano armazene itens essenciais diariamente”.

*Com informações de CNN.

Veja também:

PUBLICIDADE

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.