Amon-Rá, senhor da verdade, pai dos Deuses

Saiba um pouco mais da história de um dos seres mais poderosos da mitologia egípcia.

0

Senhor da Verdade, Pai dos Deuses, Criador dos Homens, Criador de todos os Animais, Senhor das Coisas e Criador do Cajado da Vida.

Assim era descrito pelos egípcios Amon-Rá, deus supremo de sua religião e a representação do sol e da vida. Na verdade, ele tornou-se um deus por volta de 2040 a.C. Anteriormente, os egípcios adoravam duas divindades diferentes: Amon .

É necessário destacar cada um deles separadamente para se compreender melhor a enorme importância que Amon-Rá teve na sociedade egípcia.

Amon

Veja mais sobre: Mitologia egípcia », Mitologia grega »

Amon era, originalmente, um deus de Tebas. Seu nome significa ‘Deus oculto’. Isso porque ele representava conceitos abstratos relacionados ao ar. Os egípcios diziam que ele está em toda parte, mas não pode ser visto. Ele também era o deus da fertilidade.

Ele foi representado, principalmente, como um homem vestido com um envoltório e também como um ser com a cabeça de um carneiro. Sua primeira esposa era Amonet, que tinha a forma de uma mulher com cabeça de rã.

Tebas era uma cidade relativamente importante no Egito Antigo. Mas em 2040 a.C. ocorreu um fato de grande transcendência: Tebas se tornou capital do Egito. Permaneceu com esse status por mais de mil anos e, após perder esse posto, se tornou o principal centro religioso do reino. Dessa maneira, o deus tebano Amon tornou-se deus de todo o Egito.

Artigos relacionados
1 De 4

Histórico

Os testemunhos escritos que temos sobre Amon são muito antigos, antes de ele se tornar o deus supremo do Egito e, portanto, antes de 2040 aC. Amon não era um deus de especial importância e não há muitas inscrições com o seu nome. Ele era apenas associado com o ar, e por isso foi considerado o protetor dos navegadores.

Ao contrário de Amon, Rá sempre foi um deus de grande importância. Ele representou o sol e, portanto, era a ‘origem da vida’. Além disso, os primeiros faraós foram considerados encarnações de Rá.

Rá é o sol e como o sol nasce e morre todos os dias, Rá também era o símbolo da reencarnação.

Rá foi descrito como um homem com cabeça de falcão. Nesta cabeça, ele carregava uma espécie de disco solar.

Enquanto a capital do Egito estava em Mênfis, Rá era o deus supremo. Mas em 2040 a.C, a capital foi transferida para Tebas e Rá conheceu o principal deus tebano, Amon.

Desta união nasceu o deus Amon-Rá, que foi o deus mais importante nos auge do império egípcio.

Rá em hieróglifos

Nos hieróglifos, Rá é representado com o mesmo símbolo que o sol. Além disso, há também inscrições onde ele aparece cruzando o céu do leste para o oeste em uma embarcação solar. Rá, o sol, fazia uma viagem de 24 horas todos os dias. Ele morria no oeste e voltava à vida no leste.

Amon-Rá, o Grande Deus

Mapa Templo de Amon-rá
Mapa Templo de Amon-rá

No ano 2040 a.C as duas divindades já haviam se tornado uma: Amon-Ra. Este deus tinha as características de Amon e as de Ra. Desta forma ele era, como Amon, o deus do oculto, e, como Rá, ele era o deus do sol e da reencarnação.

Ele era o deus supremo dos egípcios, o protetor dos faraós e de todos que se identificavam com ele.

Quer ver mais? Veja a lista completa dos Deuses do Egito: Todos os Deuses do Egito

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.