12 Contos de fadas clássicos: Sonho, magia e emoção

Os contos de fada são narrativas de sucesso da Disney. Presente na vida de inúmeras crianças, as suas histórias servem para ensinar e entreter as crianças.

0

Quem não se lembra de quando era criança e escutava as histórias dos pais ou familiares dos contos de fadas famosos? Pois então, era com as narrativas deles que o sono vinha, tornando a leitura uma tradição na hora de dormir.

Na escola, as crianças também costumam ouvir e aprendem a contar para os colegas.

Mas você sabe o que é o conto de fada?

A fada, derivado do termo em latim fatum , significa destino. Inerente ao campo dos mitos, ela possibilita a realização dos sonhos ou ideais envolventes ao ser humano. São, em síntese, contos coletados do povo, sem autoria predeterminada.

O conto de fada detém uma natureza espiritual, ética e até mesmo existencial. A sua origem está atrelada aos celtas, com as aventuras dos heróis e heroínas, geralmente ligadas ao sobrenatural e ao mistério do pós-vida, buscando a realização interior do indivíduo.

E pensando na sua representatividade para as pessoas, listamos 12 contos de fadas clássicos para você guardar na memória. Veja a seguir:

1 Cinderela

Cinderela

Cinderela é um dos contos mais populares. A sua concepção tem múltiplas versões, sendo a mais conhecida a do escritor Charles Perrault. Esta foi escrita em 1697, a partir da inspiração no conto italiano La gatta cenerentola (A gata borralheira).

Contudo, a mais antiga é da China, de meados dos anos 860 a.C.. Outra existente é a dos Irmãos Grimm, com narrativa parecida a mais popular.

Porém, nesta não existe a fada-madrinha e a realização da vontade de ir ao baile é incentivada pelos pombos e árvores que nascem no túmulo de sua mãe.

Na circunstância, Cinderela emprega palavras mágicas, no modo imperativo, para auxiliar o seu pedido se transfigurar em realidade. E no fim das contas, as irmãs malvadas tornam-se cegas aos pombos lhes atacarem e furarem os seus olhos.

Ainda, conforme outros pontos de vista, a figura da fada madrinha é, na realidade, o espírito de sua mãe falecida, na qual traz um vestido enviado pelo céu para a Cinderela vestir no baile.

2 Branca de neve e os sete anões

Branca de neve e os sete anões

Branca de Neve, ou Schneewittchen em alemão, é um conto de fadas cuja origem advém da oralidade alemã.

A sua origem possui controvérsias. Alguns relatam ter sido na Idade Média e ter se mantido pela tradição oral. Entretanto, os irmãos Grimm quem compilaram a versão mais conhecida e divulgada.

Essa foi publicada entre os anos 1817 e 1822, na obra intitulada Kinder-und Hausmärchen (Contos de Fada para Crianças e Adultos).

Entre as versões alemãs, uma delas relata que os anões tinham sido substituídos por ladrões, ao mesmo modo que o diálogo com o espelho havia sido feito com o sol ou a lua.

Em outra versão, a albanesa, redigida por Johann George von Hahn e divulgada em Griechische und albanesische Märchen. Gesammelt, übersetzt and erläutert (1864), a Branca de neve morava com 40 dragões, sendo o seu sono acarretado por um anel.

3 João e Maria

João e Maria

João e Maria, na versão brasileira, e Hansel e Gretel, em Portugal, é mais um conto de fadas de tradição oral coletado pelos irmãos Grimm.

A narrativa que conhecemos é uma versão moldada para a classe média do século XXI, pois a original apresenta a vida difícil durante a Idade Média.

No período medieval, decorrente da fome e da escassez de alimentos, as mortes infantis eram uma prática recorrente. Na história, os irmãos são abandonados do bosque, pois não se tinha condições de os manter alimentados.

Nos primeiros modelos da coleção dos irmãos Grimm não se tinha a madrasta, já que a mãe quem convencia o pai a abdicar dos filhos. A alteração na obra, assim como na Branca de Neve, decorre da tentativa de amenizar a violência contra as crianças.

4 Chapeuzinho Vermelho

Chapeuzinho Vermelho

Chapeuzinho Vermelho ou Capuchinho Vermelho, título em Portugal, é um conto de fadas clássico cuja nomenclatura é inspirado no capuz vermelho de sua protagonista.

Com a origem delineada a partir das fábulas europeias do século X, teve a sua primeira publicação feita pelo francês Charles Perrault. Depois, os Irmãos Grimm adaptaram o conto e difundiram a versão mais conhecida.

Com notoriedade em todo o mundo, inclusive, com origem em diferentes países europeus, isso antes do século XVII, data em que o conto assumiu a forma conhecida atualmente.

A história de Chapeuzinho Vermelho era relatada pelos camponeses na Alemanha, França e Itália, sempre com o teor popular.

5 A Bela e a Fera

A Bela e a Fera

A Bela e a Fera é um conto francês. Escrito a priori por Gabrielle-Suzanne Barbot, Dama de Villeneuve, no ano de 1740, a sua versão popular data de 1756, a qual Jeanne-Marie LePrince de Beaumont resumiu e alterou. Já a primeira versão inglesa é de 1757. Após, outras foram aparecendo também na Europa.

O conto possui uma variedade de versões distintas da original, se adaptando às culturas e conjunturas sociais vigentes. No cinema mesmo já foi filmado inúmeras vezes.

6 Rapunzel

Rapunzel

Rapunzel, ou Rapôncio, é um conto popular com caráter biográfico.

A história descrita pelos irmãos Grimm foi adaptada do diário Persinette, de autoria de Charlotte-Rose de Caumont de La Force, cuja publicação era de 1698.

Entretanto, a obra foi compilada no livro Contos para a Infância e para o Lar, sendo difundido em 1815.

7 A pequena sereia

A pequena sereia

A Pequena Sereia, ou em dinamarquês Den Lille Havfrue, é um conto infantil cuja adaptação é de Hans Christian Andersen.

A história narra a vida de uma jovem sereia motivada a dedicar sua existência aos mares, e a identidade como sereia. Isso, com o intuito de alcançar a alma humana e o amor de um príncipe.

Assim como as demais obras da Disney aqui citadas, já foi adaptada ao cinema, aos quadrinhos e desenhos.

8 A bela adormecida

A bela adormecida

A Bela Adormecida, ou simplesmente Dornröschen (A Rosa dos Espinhos) é mais um dos contos conhecidos dos irmãos Grimm, publicado em 1812, na obra Contos de Grimm.

E assim como as demais citadas, possui outras versões. Há a Sol, Lua e Talia, de Giambattista Basile, retirada de Pentamerone (1634); a versão do escritor francês Charles Perrault (1697); e o livro Contos da Mãe Ganso, com o nome de A Bela Adormecida no Bosque, cuja inspiração foi em Basile.

Cada uma dessas atribui um nome diferente a protagonista. Em Sol, Lua e Thalia, é denominada Talia – do grego Thaleia (florescimento). Charles Perrault apenas lhe chama de princesa. E por fim, Bela Adormecida, nome escolhido pelos irmãos Grimm.

9 Aladim e a lâmpada maravilhosa

Aladim e a lâmpada maravilhosa

O conto Aladim e a Lâmpada Maravilhosa é de grande notoriedade também, estando presente na coletânea árabe As Mil e Uma Noites. Aladin, ou aladino em arábe, é o nome dado a um personagem do conto.

O orientalista francês Antoine Galland traduziu, inseriu a coletânea na obra e a popularizou no Ocidente.

Contudo, não é possível encontrar manuscritos antes do século XVIII com a sua narrativa.

Portanto, segundo o primeiro tradutor ocidental das Mil e Uma Noites, Antoine Galland, o maronista de Alepo, Hanna Diab, quem lhe contou a história de Aladim e a Lâmpada Maravilhosa pela primeira vez, no ano de 1709.

Mas, ele só foi estar presentes nos manuscritos a partir do século XVIII.

10 Pocahontas

Pocahontas

Pocahontas foi uma ameríndia cuja história inspirou outras obras. Filha de Wahunsunacock, o Chefe Powhatan, quem administrava a região das tribos no litoral do estado da Virgínia, ela se casou com o inglês John Rolfe e virou uma personalidade.

A vida de Pocahontas possibilitou a criação de várias histórias, repassadas entre gerações. Também foi transformada em mito romântico séculos depois da sua morte, assim como em desenho animado da Disney e em filme.

11 Cachinhos dourados e os três ursos

Cachinhos dourados e os três ursos

Cachinhos Dourados e os três ursos, também conhecida só por Cachinhos Dourados, a narrativa foi escrita pelo autor e poeta inglês Robert Southey, a publicando pela primeira vez, em 1837, no seu volume. Ainda nesse ano, o escritor George Nicol com o auxílio do próprio Southey, divulgou uma outra versão em rima.

Todas essas narravam a casa de três ursos cuja propriedade era atacada por uma velha.

Contudo, antes de Southey a história já estava em circulação. Um exemplo é no ano de 1831, quando Eleanor Mure escreveu em homenagem ao aniversário de seu sobrinho um livro dos três ursos.

Outro título dado a ela foi o de Cachinhos de Ouro.

Em algumas versões, a personagem costumava fugir de casa e, ao se deparar com a família urso, sentiu-se tímida ao visualizar a família urso, se desculpou e saiu.

Nas versões anteriores, os ursos devoravam-a para que ela não escapasse e os pais ficassem furiosos a ponto de mandar matar os ursos.

12 Mulan

Mulan

Mulan, nomenclatura chinesa, traduz uma heroína disfarçada de guerreiro, que se alia ao exército masculino, como relata o poema A Balada de Mulan,

A sua narrativa foi criada no século VII, momento em que a dinastia Tang (618-907) governava a China.

Os cantos a qual pertencia Hua Mulan se perderam, e ficou uma versão posterior. Nela, há uma antologia de poemas líricos unificados por Guo Maoqian, isso nos séculos XI ou XII.

Por muito tempo questionou se Mulan seria real, uma personagem histórica ou uma criação da ficção. Ainda hoje, não se sabe se a sua narrativa tem alicerce histórico ou não.

Essa é mais uma história que deu origem a um filme da Disney.

Leia também:

PUBLICIDADE

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.