Guerra do Congo

A Guerra do Congo é considerada um dos conflitos mais violentos do mundo desde a Segunda Guerra Mundial. Já deixou milhares de mortos e pessoas desamparadas.

0

Com a Conferência de Berlim, em 1885, em que o enfoque era a partilha do continente africano, o Congo se tornou um domínio pessoal do rei da Bélgica, Leopoldo II.

O território foi profundamente explorado até o século XX. Por volta da década de 1950, o líder nacionalista Lumumba começa a demonstrar a sua insatisfação com a situação política do país e, assim, consegue juntar pessoas em prol da sua causa: a independência do Congo.

Contexto histórico da Guerra do Congo

A independência da República Democrática do Congo ocorreu em 1960, após muitos conflitos e manifestações populares.

O Congo passou de propriedade do monarca para colônia da Bélgica, em 1908.

O fato de ser um país rico em pedras e metais preciosos (diamante, estanho e cobre) alimentou a ambição e consequentemente a violência.

A exploração das jazidas da região ficou a cargo da mineradora belga, União Mineira do Alto Katanga. Planejavam o controle das riquezas minerais do Congo mesmo após a sua independência.

Logo após a independência de Congo, o país começou a viver uma guerra civil.

O objetivo dos grupos rivais participantes da guerra era controlar a exploração dos metais preciosos, com isso, tropas belgas e grupos internacionais apoiaram o movimento separatista. Tal movimento ocorreu com muita violência, deixando um número elevado de mortos.

A Organização das Nações Unidas (ONU) tentou intervir no conflito. Contudo, sua intervenção não teve sucesso, pois não conseguiu influenciar as disputas internas do país.

Diversas facções controlavam o Congo com o apoio de grupos belgas e internacionais (Estados Unidos e Portugal).

Um dos episódios mais violentos foi quando Kasavadu, o então presidente do Congo, exonerou o primeiro-ministro Lumumba. Logo em seguida Lumumba, foi assassinado pelos rebeldes.

Em 1963, a ONU se retira de Congo, Kasadavu nomeia Tshombe como seu primeiro-ministro e conseguem vencer os grupos rebeldes.

Tshombe é demitido pelo presidente, que é deposto pelo exército em 1965.

Período ditatorial – Mobutu

Mobutu é a forma como Joseph-Désiré Mobutu (1930-1997) era conhecido. Após o golpe, Mobutu assume o poder e iniciou o período ditatorial no Congo. Ele chega ao poder apoiado pelos militares, europeus e norte-americanos.

Devido à pressão popular, em 1990 o país adota o pluripartidarismo (sistema político que permite a existência de vários partidos em um país).

Contudo, em 1991, ele enfrentou uma guerra geral e cedeu, concedendo anistia (perdão) aos exilados políticos.

Em 1997, deixa o poder, após vários levantes organizados por Laurent Kabila.

Mobutu permaneceu mais de 30 anos no poder (1965-1997), defendendo a africanização da região. Em 1971, ele modificou o nome de República Democrática do Congo para República do Zaire.

Quando Mobutu é deposto do poder, em 1997, o nome do país volta a ser Congo. Porém, os conflitos internos e problemas sociais permanecem.

Congo na atualidade

A República Democrática do Congo é um dos países mais ricos do mundo em recursos naturais. Contudo, a grande maioria da população vive em estado de extrema pobreza.

Ele foi violentamente explorado desde o momento em que a Bélgica invadiu o local, por volta do século XIX-XX.

Essa região permaneceu em guerra praticamente duas gerações. Acredita-se que esse conflito tenha sido o mais violento do mundo desde a Segunda Guerra Mundial.

Estima-se que ele tenha matado uma média de 6 milhões de congoleses.

Tais conflitos ocorrem por questões étnicas, territoriais e pelo controle dos minerais existentes na região, que são contrabandeados para outros países.

O Congo possui as maiores reservas de cobalto do mundo. Esse metal é fundamental para a indústria de carros elétricos e para o setor aeroespacial.

Por isso, o país é considerado o mais rico do mundo e, ao mesmo tempo, o mais pobre.

A população congolesa ainda vive momentos de violentos confrontos armados, com assassinatos, estupros e deslocamentos.

Saiba mais em:

PUBLICIDADE

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.