História do telefone – A origem e sua evolução

O telefone foi criado pelo cientista Alexander Graham Bell, em 1876. Desde então, o aparelho passou por evoluções, do fixo ao celular, no Brasil e no mundo.

0

O telefone faz parte do cotidiano de praticamente todas as pessoas. Inclusive, pode-se até ousar dizer que é impossível viver sem ele.

Isso porque o objeto passou por inúmeras atualizações e hoje chega a ser um computador na mão, no qual é permitido trabalhar, se divertir e até mesmo acarretar em sérios danos, em casos de vícios e crimes virtuais.

A criação do aparelho tem pouco mais de um século, mas logo se popularizou por todo o mundo. Veja um pouco sobre a história do telefone!

Origem e história do telefone

Alexander Graham Bell e telefone
Alexander Graham Bell, que patenteou o telefone em 1876, inaugurando a ligação telefônica de 1.520 km entre Nova York e Chicago em 18 de outubro de 1892.

Em síntese, a criação do telefone aconteceu meio que por acaso, mediante o aperfeiçoamento das transmissões do telégrafo, cuja estrutura é próxima.

Entretanto, quanto ao telégrafo, só era permitido a transmissão de uma única mensagem por vez. Mas, ao saber de música, o cientista Alexander Graham Bell notou que seria possível transmitir mais de uma mensagem pelo fio, isso em uma perspectiva de “telégrafo múltiplo”.

Contudo, a ideia não era recente. Outras pessoas tinham tentado, mas só Graham Bell havia conquistado o progresso e empregado a eletricidade para guiar a voz humana.

As suas experiências foram sustentadas pelo auxiliar Thomas Watson, o primeiro a escutar a voz humana no aparelho, isso em junho de 1875.

Os estudos que vieram depois tinham como intuito desenvolver uma membrana para transformar o som em corrente e reproduzi-lo por outro lado.

O êxito se deu no dia 10 de março de 1876. Na ocasião, Alexander disse: “Senhor Watson, venha cá. Preciso falar com o senhor”, isso depois de um acidente no laboratório.

Um ano depois ele fundou a Companhia Telefônica Bell, passando a ser American Telephone & Telegraph, consagrada como a maior companhia telefônica do mundo.

Ademais, depois respondeu ao Tribunal dos EUA por cerca de 600 ações que Gray moveu reivindicando a autoria da invenção do telefone. Porém, Graham Bell venceu todas.

Quem foi Alexander Graham Bell?

Alexander Graham Bell
Alexander Graham Bell

Alexander foi um cientista escocês, inventor e inovador. Entre os seus maiores feitos está o fato de ter criado o telefone.

Natural de Edimburgo, Escócia, Graham Bell nasceu no dia 03 de março de 1847. A maior parte da vida do pesquisador esteve atrelada a busca de um meio para transformar o som em energia e realizar transmissão mediante uso de um fio.

Ao longo do seu percurso, teve contato com pessoas com deficiência auditiva, como era o caso de sua mãe e sua esposa. Inclusive, com a figura materna, aprendeu a linguagem de sinais.

Pelo seu conhecimento, Alexander Graham Bell tornou-se docente em uma escola especial para surdos, em Boston. No local também conheceu Mabel Hubbard, sua esposa, e juntos tiveram quatro filhos.

Além dele, a sua mãe teve dois filhos, que vieram a óbito por tuberculose. Depois da morte dos irmãos, a família emigrou para o Canadá, em 1870.

O cientista faleceu aos 75 anos de idade, em 2 de agosto de 1922, por conta de uma anemia perniciosa.

História do telefone no Brasil

O aparelho veio para o Brasil em 1877, pouco tempo após a exposição na Filadélfia.

O primeiro telefone do Brasil teve fabricação nas oficinas da Western and Brazilian Telegraph Company, para o imperador D. Pedro II, sendo depositado no Palácio Imperial de São Cristóvão. No local, atualmente localiza-se o Museu Nacional, do Rio de Janeiro.

No mesmo ano, teve início uma linha telefônica que conectava a loja O Grande Mágico, na Rua do Ouvidor, ao Quartel do Corpo de Bombeiros.

Rapidamente, em dois anos, no dia 15 de novembro de 1879, houve a primeira concessão para a criação de uma rede telefônica no país. O ganhador havia sido Charles Paul Mackie.

Ainda em 1879, os telégrafos articularam nas terras cariocas as linhas telefônicas vinculadas à Estação Central de Bombeiro, isso para alerta de incêndios.

Apenas após um ano, em 13 de outubro de 1880, constituía-se a primeira companhia telefônica nacional, a Telephone Company of Brazil. Porém, ela só foi instalada em janeiro de 1881, na Rua da Quitanda no 89.

Dois anos após, o município já possuía cinco estações com mil assinantes. Também, no ano foi criada a primeira linha interurbana, conectando as cidades do Rio de Janeiro e Petrópolis.

Desse modo, não tardou muito para que a novidade se expandisse para o restante do Brasil.

O telefone fora do Rio de Janeiro

No dia 18 de março de 1882 foi aprovada a primeira concessão para os demais estados. Logo, abrangeu São Paulo, Campinas, Florianópolis, Ouro Preto, Curitiba e Fortaleza. Após dois anos, São Paulo e Campinas foram contempladas com mais concessões.

E, em 1890, foi autorizada a J.O. Simondsen a construção de uma linha interligando o eixo Rio – São Paulo, mas ele abdicou do projeto.

Todavia, os avanços na telefonia não cessavam. Em 1913, foi inaugurado o primeiro cabo subterrâneo no país, que conectava Santos a São Paulo por aproximadamente 70 km. Não muito tempo depois também o fizeram em Campinas.

Entretanto, a inovação não chegava apenas na região sudeste do Brasil. Em grande parte das outras regiões do país, a telefonia foi inserida entre 1882 e 1891.

Só no ano de 1889 estudos destacavam a existência de aproximadamente 160 mil telefones no território brasileiro.

Evolução do telefone

Desde a época em que foi criado (fim do século XIX) até os dias atuais o telefone tem se atualizado.

Em 1876, logo ao ser registrado oficialmente pelo professor escocês, Alexander Graham Bell, o aparelho tinha sido desenvolvido de modo básico – ou se ouvia ou se falava, nunca ambos. Além do mais, ele tinha uma caixa de madeira, que operava como uma bateria.

O primeiro telefone

Após aproximadamente duas décadas da invenção, o padre Landell de Moura inovava com a primeira transmissão de voz em telefonia sem fio. Portanto, em 1889 ele começava a história do rádio.

padre landell de moura e o rádio

No ano de 1904, com o formato de castiçal, o aparelho da marca Western Eletric tinha o sinal emitido para a mesa operadora e uma telefonista dava continuidade a ligação.

A evolução do telefone - castiçal

Já na década de 1940, o modelo popular foi o que recebeu o apelido de “tanque”. A nomenclatura foi atribuída por ser forte e resistente, assim como um tanque de guerra.

A evolução do telefone-tanque

Entre 1950 a 1984, o modelo clássico na casa das pessoas era o 500 da Western Eletric. Neste, era necessário girar o dedo no anel superior do aparelho para conseguir discar o número.

A evolução do telefone-clássico

Em 1954, o aparelho sueco Ericofon recebeu o título de “telefone cobra”. Este, uma criação da marca Ericsson, delineou-se como uma consagração na narrativa do design industrial do plástico, ao ser feito a partir de uma peça exclusiva.

A evolução do telefone - ericofon

Pouco mais de dez anos, em 1965, criou-se um abre e fecha – o telefone Grillo. Ele era um clássico do design italiano e visto como a inovação dos anos futuristas.

A evolução do telefone-grillo

No ano de 1970 foi concebido o telefone fixo com botões. Este, apesar de ser um modelo antigo, ainda está presente em muitas residências e estabelecimentos comerciais.

A evolução do telefone - telefone fixo em 1970 Na década de 1980, há uma grande inovação tecnológica: a criação do telefone sem fio.

A evolução do telefone - telefone sem fio

No início da década de 1990, a Motorola lançou o primeiro modelo de celular no Brasil. Até hoje é conhecido como modelo tijolão, por conta de seu tamanho. Porém, em 1978, a telefonia móvel já havia sido instalada no Japão.

A evolução do telefone - primeiro celular tijolão

Nos anos 2000, chegaram às prateleiras os aparelhos com design distintos e, em 2002, lhes é incorporada a câmera digital.

Desde então, os modelos de celulares não cessaram as suas atualizações, sendo de diferentes marcas e modelos.

evolução do telefone celular nos anos 2000

Lançamento e revolução do Iphone

A revolução do iphone

Ainda nos anos 2000, mais precisamente no dia 29 de junho de 2007, Steve Jobs surpreendeu o mundo dos telefones ao lançar a revolução do Iphone.

O pequeno dispositivo (12 x 6 cm), mesclava várias funções em um único aparelho. Além de aparelho celular, ele era computador de mão, câmera, GPS e muitos outros atributos.

Vista como a maior criação de Steve Jobs, desde então, o smartphone alterou a maneira de se relacionar das pessoas, assim como os modelos de negócio, que ele nem imaginava ao ser concebido.

O sistema de aplicativos é uma das inovações do equipamento, possibilitando com que as pessoas de negócios implementassem respostas para os problemas do dia-a-dia. Contudo, não foi importante apenas para o empreendedorismo, mais para as questões da vida como um todo.

Aplicativos de banco, transporte, comida, finanças, estudantis, entre outros, não seriam possíveis sem a instalação dos smartphones, que se inspiraram na Apple.

A cada lançamento os iPhone trazem mais novidades tecnológicas e desejos para os seus consumidores e adeptos.

Curiosidades

  • O dia do telefone é celebrado no dia 10 de março. A data é a mesma em que Alexander Graham Bell conquistou a patente do objeto, isso em 1876.
  • Ainda em 1876, o imperador D. Pedro II esteve presente na apresentação pública pioneira do telefone, era a Exposição do Centenário da Independência dos Estados Unidos. Nela, Graham Bell expôs, por meio do aparelho, um verso de Shakespeare e D. Pedro II disse: “Meu Deus, isto fala!”.
  • No ano de 2015, em São Paulo, foi realizada uma exposição da trajetória do telefone no Brasil. A mostra contava com 50 peças, dos anos 1900 a 2010.
  • Marechal Cândido Rondon é tido como o patrono das comunicações no Brasil. Não por acaso, no dia do seu nascimento (5 de maio) é comemorado o Dia Nacional das Comunicações.

Leia também: O que são ondas de rádio?

PUBLICIDADE

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.