Modigliani

Conhecido por seus retratos com rostos alongados e nus eróticos, Amedeo Modigliani foi um dos mais importantes pintores italianos do século XX.

0

Amedeo Modigliani foi um pintor e escultor italiano, conhecido como o príncipe de Montparnasse, tornou-se famoso por seus retratos com rostos alongados e nus eróticos. É considerado uma das grandes personalidades da pintura do início do século XX.

Apesar da vida breve, morrendo aos 35 anos, nos deixou um imenso legado cultural, com 352 obras, expostas nos museus mais importantes do mundo. No Museu de Arte de São Paulo (MASP), por exemplo, encontra-se seis telas do artista.

Biografia de Modigliani

Amedeo Clemente Modigliani nasceu em Livorno, Itália, no dia 12 de julho de 1884. De família judia, foi o quarto filho, destacando-se pela saúde fragilizada desde pequeno, sofrendo de pleurisia, tifo e tuberculose.

As doenças comprometeram sua saúde pelo resto da vida e o tratamento forçava-o a constantes viagens, comprometendo seus estudos regulares e levando-o a desenhar e pintar precocemente. Sua mãe lhe deu aulas até os dez anos, e, aos 13, iniciou os estudos na Escola de Belas Artes.

Um ano depois, durante uma forte crise de febre tifoide, pediu a sua mãe que o levasse para ver as pinturas no Palazzo Pitti e nos Uffizi, em Florença. Em 1902, se inscreveu na Escola Livre de Estudos do Nu de Florença e foi trabalhar no estúdio de Guglielmo Micheli, um dos pintores mais conhecidos de Livorno.

Inscreve-se no Instituto de Belas Artes e, em 1906, muda-se definitivamente para Paris. Nesse período, pinta Jovem Sentada e O violoncelista, duas de suas obras mais importantes.

Em 1917, Modigliani consegue uma exposição individual na Gallerie Berthe Weill. A exposição, no entanto, durou apenas um dia devido ao escândalo do público frente aos nus expostos na vitrine da galeria.

Sua grande musa inspiradora foi Jeanne Hébuterne, com quem casou-se e teve uma filha, em 1918. Devido a complicações na saúde, o pintor viaja para o sul da França com a esposa e a filha, a fim de recuperar-se, retornando a Paris no final do mesmo ano. Na noite de 24 de janeiro de 1920, aos 35 anos, Modigliani morre de tuberculose. 

No dia seguinte à morte do companheiro, Jeanne, grávida de oito meses, suicida-se, atirando-se do quinto andar de um edifício.

Estilo artístico

Modigliani era um artista completo, de referências distintas, que nunca seguiu um estilo determinado. Tanto nas esculturas quanto nas pinturas, sua característica maior é a exposição da alma humana. Em suas principais obras, retratou mulheres em imagens longilíneas, onde os pescoços eram compridos e os rostos ovais.

No entanto, sua principal marca para humanidade foram os olhos de Modigliani, na maioria das vezes, pintados como olhares vazios ou apenas borrões. De acordo com o biógrafo Jeffrey Meyers, o espírito iconoclasta de Modigliani foi inspirado por seu profundo interesse na filosofia de Friedrich Nietzsche.

O artista recusou a identificar-se com os movimentos de arte de seu tempo e acreditava que o sofrimento era primordial para o crescimento criativo de um artista. Sua aproximação com a ideologia nietzschiana levou-o também a adotar uma similar marca de entusiasmo em relação ao sexo e seu poder regenerativo.

Pinturas de Modigliani

Muitas vezes, Modigliani é citado como um expressionista, porém, o artista nunca se interessou por representar a natureza e só se conhece três paisagens dele, além de nunca ter representado nenhuma natureza morta. Sua obra não se enquadra em nenhuma escola ou movimento artístico, sendo dotada de um estilo próprio e autônomo.

Em grande parte de suas pinturas, buscou despir os seres humanos e desnudar a alma humana. Neste contexto, os nus, principalmente femininos, formam grande parte de seu conjunto artístico. Além dos retratos de amigos e conhecidos que também foram constantes no conjunto da obra. Seu estilo faz parte de um momento em que a arte pictórica, confrontada à fotografia, lutava para manter seu espaço, seus valores e sua estética.

Valorizando cores como o vermelho e o amarelo, Modigliani buscou mostrar alguns sentimentos humanos ligados, principalmente, à tristeza e a melancolia. Seus traços são simples, porém marcados por forte expressão.

Amedeo Modigliani
Reclining Nude, Amedeo Modigliani (1917).

Esculturas de Modigliani

O encontro com o escultor Constantin Brancusi marcou a carreira de Modigliani, que por um longo período abandonou a pintura pela escultura. Encantado com o cubismo e muito influenciado por Cézanne, Toulouse-Lautrec e Picasso, o pintor começou a realizar também esculturas.

Em relação à temática, cores e técnicas, as esculturas mesclavam influências da escola de Siena e da arte da África negra, sobretudo das esculturas do Congo e do Gabão. Nota-se uma forte influência da arte africana e cambojana, que provavelmente conhecera no Musée de l’Homme. Além disso, seu interesse pelas máscaras africanas é evidente no tratamento dos olhos de seus modelos.

Apesar de apresentar algumas características semelhantes, suas esculturas não se enquadram em nenhuma tendência predominante na época, como o cubismo e o futurismo. Dedicou quatro anos de sua carreira exclusivamente às esculturas, e a partir de 1912, com o agravamento de sua doença, Modigliani abandona a técnica, concentrando-se apenas na pintura.

escultura Modigliani
Marble head from the figure of a woman (2700–2500 a.C.)
escultura Modigliani
Cabeça de uma mulher, Modigliani (1910)

Obras de Modigliani

  • Cabeça de uma mulher com chapéu (1907)
  • Cabeça de uma jovem mulher (1908)
  • A judia (1908)
  • Mulher nua com chapéu (1908)
  • Retrato de Pedro (1909)
  • Mulher com jaqueta amarela (1909)
  • Estudo de um violoncelista (1909)
  • Cabeça (Escultura em calcário de 1911)
  • Cabeça de pedra (Escultura em calcário de 1912)
  • O busto vermelho (1913)
  • Retrato de Diego Rivera (1914)
  • Retrato de Beatrice Hastings (1915)
  • Antonia (1915)
  • Retrato de Pablo Picasso (1915)
  • Pierrot (1915)
  • Madam Pompadour (1915)
  • Nu sentado (1916)
  • Retrato de um garota (1917)
  • Retrato de Anna Zborovska (1917)
  • Retrato de Madame Kisling (1917)
  • Nu sentado com colar (1917)
  • Nu sentado no divan (1917)
  • Nu dormingo com braços abertos (1917)
  • Nu reclinado (1917)
  • Autorretrato (1919)
  • Paisagem (1919)
  • Mulher sentada com criança (1919)

Leia também:

 

PUBLICIDADE

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.