Semana de Arte Moderna de 1922

0

Onde foi realizada a semana de arte moderna de 1922? A Semana de Arte Moderna aconteceu em São Paulo, no Teatro Municipal de 11 a 18 de fevereiro de 1922. O principal propósito da exposição era romper com o modelo artístico imposto pela Europa.

Entre os artistas que participaram da semana de arte moderna estavam: Mário de Andrade, Oswald de Andrade, Víctor Brecheret, Plínio Salgado, Anita Malfatti, Menotti Del Picchia, Guilherme de Almeida, Sérgio Milliet, Heitor Villa-Lobos, Tácito de Almeida, Di Cavalcanti, entre outros.

Contexto Histórico

Com o final da Primeira Guerra Mundial (1914-1918), a Europa foi atingida por uma intensa crise socioeconômica. Os países envolvidos no conflito concentrariam suas forças a partir daquele momento na reconstrução de suas cidades.

Apesar de a Alemanha ter sofrido os maiores efeitos com a derrota na guerra, até mesmo os países que saíram vitoriosos sofreram um abalo. Além do elevado número de mortos, a guerra gerou danos terríveis para o mundo. Entre eles podemos citar:

  • Os países europeus que antes ocupavam lugar de destaque na economia mundial, emprestando dinheiro a outras nações, agora se viram na posição de devedores.
  • Os Estados Unidos ocupam agora a posição de maior credor mundial, os países europeus contraíram um empréstimo de cerca de dez bilhões de dólares.
  • A Inglaterra deixa de ser a maior potência mundial, o posto agora é ocupado pelos Estados Unidos.
  • Desemprego, fome, inflação abrem espaço para a implantação de ideias socialistas.
  • O descontentamento social estimula a eclosão de movimentos grevistas em toda a Europa.
  • A crise socioeconômica cria um terreno perfeito para a propagação de governos autoritários. De caráter extremamente nacionalista, ideologias como o nazismo e o fascismo se colocam como alternativa para retirar os países da crise.
  • Formação de novos países a partir da desintegração dos impérios Alemão, Austro-húngaro e Turco-Otomano. Áustria, Hungria, Tchecoslováquia e Iugoslávia são alguns dos novos países.

Apesar dos altos empréstimos contraídos com os norte-americanos, aos poucos a Europa vai recuperando as suas forças. A ajuda dos Estados Unidos foi fundamental para o reestabelecimento da economia, as indústrias europeias apresentaram um grande crescimento, inclusive vendendo os seus produtos para a nova potência mundial.

O aumento do consumo dos norte-americanos beneficiaram as indústrias dos países europeus, os anos de 1920 representaram o auge do consumo e produção dos Estados Unidos, e nessa mesma década eles também amargariam uma grave crise econômica gerada pela superprodução.

Veja tambémA Crise de 1929 e o New Deal

Nesse contexto de recuperação econômica, a Europa inicia um período de grande movimentação cultural. A Guerra não apresentou apenas efeitos nocivos, ela também influenciou o desenvolvimento de um novo modelo artístico.

Baseado no questionamento dos rumos que a sociedade vinha seguindo, intelectuais e artistas de várias partes do mundo usaram a arte como meio de denunciar os novos valores que a sociedade tecnológica passou a impor ao cidadão.

Segundo os intelectuais que deram inicio a esse movimento, a sociedade burguesa era a responsável pela massificação do trabalhador, e que o ritmo frenético das indústrias contribuía para a perda da identidade cultural do indivíduo.

Como surgiu

O movimento artístico surgiria como um meio de fuga das pessoas desse ambiente de guerras, competição e opressão. Para eles, a arte deveria se desvincular do padrão elitista imposto pelos museus e estimular o desenvolvimento artístico baseado na criatividade e inovação.

Entre os movimentos surgidos nesse período pode-se citar o Dadaísmo, que buscou romper com todos os modelos tradicionais e criar uma arte que provocativa que instigava as pessoas a pensarem.

Para os artistas do dadaísmo, a arte não deveria ser apenas contemplativa, ela deveria estimular o individuo a contestar o modelo imposto pela elite. Os dadaístas propõe a construção de um modelo artístico recontado a partir de objetos simples do cotidiano. O movimento teve forte influência anarquista.

A obra acima denominada A Fonte, é do artista Marcel Duchamps, um dos expoentes do Dadaísmo.
A obra acima denominada A Fonte, é do artista Marcel Duchamps, um dos expoentes do Dadaísmo.

O Brasil também foi influenciado por esses movimentos de rompimento com as tradições. A organização da Semana de Arte Moderna de 1922, que aconteceu no Teatro Municipal de São Paulo entre os dias 11 a 18 de fevereiro de 1922, propunha uma verdadeira revolução artística tanto na literatura, quanto na música, nas artes plásticas e na arquitetura.

Em um contexto social marcado pela agitação do crescimento urbano, da industrialização, dos movimentos operários e da disseminação de ideais socialistas, os modernistas estimularam a criação de uma arte sem vínculo com a Europa, uma arte verdadeiramente nacional.

Desvinculado de padrões anteriormente impostos, o movimento causou grande repercussão, principalmente entre a elite paulistana que idolatrava tudo aquilo que era produzido no cenário cultural europeu.

A Semana de Arte Moderna serviu como vitrine para a exposição de um novo ideal artístico. Aos poucos, o modernismo foi ganhando força e sendo implantado na sociedade brasileira. Vários movimentos se originaram nesse período: Movimento Pau-Brasil, o Movimento Verde-Amarelo e Grupo da Anta, e o Movimento Antropofágico.

Apesar de apresentarem tendências distintas, eles tinham em comum o desejo de valorizar a identidade nacional. Entres os principais nomes do modernismo no Brasil podemos destacar: Mário de Andrade, Anita Malfatti, Tarsila do Amaral, Oswald de Andrade, MENOTTI DEL PICCHIA, Graça Aranha, Manuel Bandeira e Heitor Villa-Lobos.

A obra acima de Tarsila do Amaral, intitulada de Abaporu, que significa homem que come carne humana, simboliza a incorporação de novas culturas no Brasil.
A obra acima de Tarsila do Amaral, intitulada de Abaporu, que significa homem que come carne humana, simboliza a incorporação de novas culturas no Brasil.

Literatura

No que se referem à literatura, os escritores modernistas utilizaram a sua arte para retratar situações do cotidiano do brasileiro. Uma das obras criadas nesse período merece destaque: Paulicéia Desvairada, de Mário de Andrade. Em seu livro, o escritor retrata as transformações ocorridas em São Paulo, enfatizando as mudanças provocadas pela urbanização.

Paulicéia Desvairada e uma coletânea de poemas que aborda diversas questões relacionadas ao crescimento urbano da capital paulista. Mário de Andrade foi um dos primeiros modernistas a romper definitivamente com os modelos impostos pela vanguarda europeia.

Conclusão

A Semana de Arte Moderna não conquistou a repercussão desejada na época, porém suas ideias aos poucos foram sendo incorporadas no cenário artístico.

O movimento modernista fez com que os artistas brasileiros percebessem a riqueza cultural do nosso país e que fazia se desnecessário essa cópia de modelos artísticos importados da Europa.

Lorena Castro Alves
Graduada em História e Pedagogia

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.