Guerra Franco-Prussiana

A Guerra Franco-Prussiana foi um conflito que ocorreu no século XIX.

0

A Guerra Franco-Prussiana ocorreu entre os anos de 1870 e 1871, entre o Reino da Prússia e o Império Francês.

Considerado como um dos conflitos mais importantes do século XIX, a Guerra Franco-Prussiana esteve permeada pelo nacionalismo, pensamento que influenciou na formação dos grandes impérios europeus do século XIX.

Antecedentes

Com a derrota de Napoleão Bonaparte, o continente europeu passou por uma forte onda do nacionalismo.

Assim, as nações europeias começaram a resgatar seu passado histórico, visando criar uma identidade comum.

Além disso, as transformações geradas pela Segunda Revolução Industrial mudaram o cenário urbano e rural.

Otto von Bismark, primeiro-ministro do Reino da Prússia (o estado germânico mais poderoso), tinha o objetivo de unificar todos os estados germânicos do norte e do sul.

Para angariar o apoio dos estados do sul, Bismark teve a ideia de promover uma guerra contra a França, inimiga de longa data dessa região.

Assim, foi encontrada uma desculpa para que a França declarasse guerra contra o Reino da Prússia.

Causas da Guerra Franco-Prussiana

A principal causa da guerra se relacionou com um episódio diplomático, além da atmosfera tensa entre as duas nações.

Os espanhóis estavam sem um rei desde 1868. Com isso, os países europeus começaram a se articular para escolher um monarca que lhes satisfizesse.

Um dos concorrentes pertencia a uma família alemã. No entanto, ele foi rapidamente contestado pelos franceses.

Tal reação criou uma tensa relação entre os dois países, que começaram a proclamar discursos políticos e militares um contra o outro.

No decorrer das trocas de farpas, o imperador francês ordenou uma resposta por escrito. Bismarck modificou o telegrama do monarca prussiano, com o intuito de torná-lo agressivo aos franceses.

Sendo assim, o então imperador da França, Napoleão III encontrou o pretexto para declarar guerra aos prussianos.

Guerra Franco-Prussiana – Resumo

Desde o início, a França não mostrou um bom desempenho no conflito. Um pequeno exército somado aos armamentos antigos fizeram com que os franceses não pudessem reagir aos ataques da forte indústria bélica alemã.

Além disso, a Prússia tinha um exército bem disciplinado e as ferrovias a seu favor.

A batalha de Sedan representou a derrota dos franceses que, mesmo comandados por Napoleão III, foram derrotados pelas tropas prussianas.

Os franceses se revoltaram com o resultado desse conflito, promoveram a queda de Napoleão III do poder e instituíram a República.

Mesmo com a República instaurada, a guerra prosseguiu por mais um ano, pois o novo governo tentou negociar a paz com Otto von Bismarck, que não cedeu.

Paris, a capital da França, foi sitiada e os franceses passaram pelas mais variadas dificuldades.

Fim da Guerra – Tratado de Frankfurt

A derrota dos franceses tornou o Império Alemão o mais poderoso da Europa continental. O tratado de paz foi assinado em maio de 1871, em Frankfurt, Alemanha.

O Tratado de Frankfurt impôs algumas penalidades à França:

  • Ela devia abrir mão dos territórios da Alsácia-Lorena;
  • Pagar uma indenização de 500 milhões de francos;
  • Os alemães poderiam ocupar o território francês enquanto não pagassem a indenização;
  • Os franceses deveriam reconhecer William I como imperador alemão.

Consequências da Guerra Franco-Prussiana

Vejamos algumas das consequências da Guerra Franco-Prussiana:

  • Rearmamento dos exércitos;
  • Corrida armamentista;
  • Sentimento nacionalista;
  • Revanchismo contra os alemães;
  • Império Alemão consolidou seu poder na Europa.

Saiba mais em:

PUBLICIDADE

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.