História de Atenas – organização política, democracia e características

Conheça a história de Atenas, a atual capital da Grécia, sua rivalidade com Esparta e suas influências na cultura e política contemporâneas.

0

A Grécia é, atualmente, um dos pontos mais visitados da Europa graças à sua contribuição histórica para a literatura, arquitetura e política. Seu nome é ligado à Atenas, sua atual capital, que ao longo dos séculos foi também a principal cidade do antigo império grego.

Conheça, a seguir, um breve resumo da História de Atenas, suas principais características e contribuições para a civilização contemporânea.

Como surgiu a Atenas Clássica?

A cidade de Atenas Clássica tem seu nome ligado à deusa Ateneia (Atenas), nascida da cabeça de Zeus. Sua fundação se deu há mais de 3 mil anos e é atribuída a Cécrope, o primeiro rei da região Ática.

Estátua da deusa Atena
Estátua da deusa Atena

Desde o início, se constituiu como a mais próspera da Grécia Antiga e, até o século X a.C, reunia seus habitantes em doze cidades. Os antigos habitantes de Atenas se consideravam autóctones, isto é, não se identificavam com os povos que colonizaram a região.

No entanto, os atenienses são o resultado da mistura das populações pré-helênicas e helênicas, sem conflitos ou conquistas violentas. Até por volta do século VIII a.C., a região não desfrutava de unidade política e era formada por pequenas comunidades.

A partir da figura mitológica de Teseu, houve a união das comunidades denominando a Acrópole como a capital do novo estado. No século VII a.C, a monarquia foi substituída pelo arcontado perpétuo, um tipo de monarquia eletiva organizada pela oligarquia.

No início, as medidas beneficiavam a aristocracia, mas o descontentamento popular obrigou à concessão às demais classes. Para evitar abusos de poder, foram estabelecidas as leis escritas tendo Drácon como o primeiro legislador, seguido de Sólon.

O legislador conhecido pelas medidas populares foi substituído pelo tirano Pisístrato que, posteriormente, foi sucedido pelos filhos. O poder gerou novo descontentamento popular que levaram ao movimento democrático liderado por Clístenes.

Entre 440 e 430 a.C., a Atenas Clássica teve Péricles como seu principal líder, momento em que viveu o auge de sua hegemonia no Século de Péricles. Atenas teve seu apogeu entre 508-322 a.C. quando se tornou o principal centro urbano da pólis de mesmo nome.

Com o fim do período clássico, Atenas foi alvo de povos estrangeiros entrando em declínio ao longo da Idade Média. A cidade se recuperou sob o domínio do Império Bizantino alcançando alguma prosperidade no período das Cruzadas quando beneficiou o comércio italiano.

Ao ser dominada pelo Império Otomano, passou por um novo declínio e recuperou-se no século XIX, ressurgindo como a capital do novo estado grego independente.

Como era a sociedade ateniense?

A cidade de Atenas era dividida por duas partes distintas – Ágora (Cidade Baixa cercada por muros) e Acrópole (Cidade Alta). Sob o comando de Péricles, a sociedade era dividida em hierarquias que obedeciam à seguinte ordem – nobres, homens livres e escravos.

Em seu apogeu, a sociedade ateniense era dividida da seguinte forma:

  • Eupátridas: alta aristocracia que tinham direito à cidadania
  • Metecos: estrangeiros e pequenos comerciantes que não tinham direitos de cidadão
  • Escravos: prisioneiros de guerra, condenados e aqueles que não pagavam suas dívidas
  • Georgóis: agricultores e pequenos proprietários de terras
  • Demiurgos: artesãos e comerciantes
  • Thetas: camponeses pobres e trabalhadores que viviam em péssimas condições

Mais tarde, a divisão da sociedade passou a ser baseada na posse de propriedade. Sendo assim, era estruturada em:

  • pentakosiomedimnoi: produziam quinhentas medidas de cereal ou azeite em suas propriedades;
  • hippeis: podiam criar um cavalo (equivalente a trezentas medidas de cereal ou azeite)
  • zeugitai: produziam duzentas medidas de cereal ou azeite e podiam criar uma junta de bois
  • thetes: camponeses pobres ou trabalhadores

Principais fatos da Atenas Clássica

  • Guerras Médicas: três guerras declaradas contra os persas. Na primeira, derrotaram rei Dario em 490 a.C na Batalha de Maratona. Na segunda, o rei Xerxes, filho de Dario, destruiu a Acrópole, mas saiu derrotado em 480 a.C. com a Batalha de Salamina. Na terceira, os atenienses saíram vitoriosos com a Batalha de Eurimedonte, em 468 a.C.
  • Guerra do Peloponeso (431-404 a.C): declarada por trinta anos, começou entre Esparta e Atenas passando, também, a ser deflagrada contra Corinto na disputa por rotas comerciais.
  • Invasão dos Macedônios, com a derrota final de Atenas na Batalha de Queroneia, quando perdeu sua independência para o Rei Felipe da Macedônia

A democracia ateniense

A democracia ateniense foi criada por Clístenes em 508 a.C. logo após o governo tirano de Iságoras. O sistema de governo manteve sua estabilidade por 180, apesar de alguns períodos de interrupção.

Na democracia ateniense, destacava-se o papel dos oradores que tinham influência decisiva nos acontecimentos políticos. Demóstenes, Alcibíades e Clêon foram alguns dos cidadãos comuns de Atenas considerados como importantes oradores.

A administração era feita por autoridades escolhidas por sorteio e exerciam mandato de um ano. Os principais cargos da administração pública eram os arcontes (judiciário) e os estrategos (generais), além dos tesoureiros, os poletai (arrecadadores), praktores (arrecadavam multas judiciais), logistái (contas públicas) e magistrados.

A partir de Clístenes, foi declarada a cidadania a todos os homens livres e Atenas passou a ter uma organização política definitiva. A administração era feita por 500 membros que representavam as dez tribos de Atenas. O areópago passou a ter três membros e o arcontado, dez.

A Assembleia, chamada de eclésia, passou a aceitar os metecos e libertos. Além disso, a cidade foi dividida em demos, distritos que elegiam seus representantes na Assembleia que, por sua vez, escolhia os integrantes do conselho.

Rivalidade Atenas e Esparta

O desenvolvimento artístico e econômico de Atenas despertou a cobiça de outras cidades-estado gregas, entre elas, Esparta. No intuito de tomar a capital do império, os espartanos se uniram a cidades vizinhas para atacá-la desencadeando a Guerra do Peloponeso.

O conflito durou entre 431 a.C. e 404 a.C. e teve Esparta como vencedora.

Influências da Atenas Clássica

As influências da Atenas Clássica se estendem por variados campos, notadamente, política e cultura. A região abrigou nomes importantes da Filosofia, Literatura e artes plásticas, como Sófocles, Ésquilo, Aristófanes, Eurípedes, Sócrates e Platão.

A contribuição vem da preocupação dos atenienses em proporcionar o desenvolvimento cultural da cidade. Tanto que se destacaram também nas construções, a exemplo dos templos levantados aos deuses, entre eles, a Atenas, a deusa protetora da cidade.

Mas, foi na democracia que os atenienses deixaram sua maior marca através da criação de um sistema de governo que determinava quem eram os cidadãos livres. Estes deveriam ser nascidos em Atenas e maiores idade, tendo direito de participar das Assembleias e magistratura.

Aos demais, considerados os estrangeiros, era vetada a participação política, mas eram obrigados ao pagamento de impostos, tributos e serviços militares.

Atenas hoje

Cidade de Atenas nos dias de hoje
Cidade de Atenas nos dias de hoje

Atenas segue como a capital da Grécia e, hoje, conta com população estimada de 2,5 milhões de habitantes. É uma cidade na qual o novo e o antigo convivem através da manutenção das ruínas dos templos históricos.

PUBLICIDADE

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.