Lenin

Lenin é o principal líder da Revolução Russa de 1917, além de ser o primeiro chefe de Estado da União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS).

0

Lenin era um político revolucionário, sendo a principal liderança da Revolução Russa de 1917. Além disso, Lenin se configurou como o primeiro presidente da Rússia Socialista.

O leninismo, nome atribuído ao seu pensamento, influenciou na formação de partidos comunistas, assim como no pensamento e perspectivas dos partidos de esquerda de várias esferas do planeta.

Biografia de Lenin

Vladimir Ilyitch Ulianov, nome de registro de Lenin, é natural de Simbirsk, um município rural da Rússia. O líder nasceu em 22 de abril de 1870, sendo filho de Ilya Ulyanov Nikolayevich, um burocrata do governo czar e da professora Maria Alexandrovna Ulyanova.

Até os seus 19 anos, Lenin seguia uma vida padrão. A virada na sua visão de mundo ocorre quando o seu irmão mais velho, Alexandre Uliánov, é condenado a morte por traição, diante da atuação na organização Vontade do Povo, que era contrária ao governo.

Depois do trauma, Vladimir segue com destino a Kazan cursar a Faculdade de Direito. Durante esse tempo, teve conhecimento das obras de Karl Marx e Friedrich Engels, atuando com grande respaldo em sua formação acadêmica.

No ano de 1890, Vladimir Ulianov segue para a Universidade de São Petersburgo, tornando-se poliglota, por meio da fluência nos idiomas inglês, alemão e francês. Além disso, passou a ter domínio das línguas latina e grega.

Oito anos depois, em 10 de julho de 1898, Lenin se casou a pedagoga russa Nadežda Krupskaja. A mulher se encontrava em exílio por articular um movimento grevista.

Governo de Lenin na Rússia

Lenin incorporou a ideologia marxista e foi em destino a Suíça para estender as suas conexões políticas. No território, criou elo com os exilados russos, especialmente com Gueorgui Plekhanov, um revolucionário e teórico marxista. Após isso, o líder foi para Paris se encontrar com Paul Lafargue, o genro de Karl Marx.

Depois do contexto das viagens, o Lenin retornou a Rússia com ideias novas e cheio de bagagens sobre a literatura revolucionária, além das publicações ilegais. Ele distribuiu o conteúdo por todo o país para os grevistas, tendo como resultado de sua atuação a prisão e condenação ao exílio, na Sibéria, em 1897.

Ao sair do exílio, Lenin foi viver em Paris, Londres, Munique e Genebra. E apesar de ter se aprofundado no mundo das ideias de Marx e Engels, Lenin elaborou as suas próprias teorias em torno da revolução socialista.

Ademais os conteúdos teóricos publicados no período, Lenin estimulou a insurreição na Revolução Russa de 1905. Outra atuação foi na campanha de transformação da Primeira Guerra Mundial em movimento do proletariado, buscando provocar um colapso no capitalismo e trocá-lo pelo socialismo.

Ao passo em que o czar foi derrubado, em 1917, foi criado um Governo Provisório. Lenin enquadrou parte da liderança da Revolução de Outubro e arquitetou a queda do regime.

O líder emitiu inúmeros decretos que respingaram na nação de diferentes formas. Entre eles, estavam as reformas sociais, econômicas, territoriais, educacionais e jurídicas. O resultado dessas foi o benefício de alguns e prejuízo de outros, causando no desequilíbrio da sociedade.

Em 1918, a fome alcançou várias cidades e causou um cenário de greves, violência, mortes e desorganização social. Em meio a isso, no mês de fevereiro de 1921, foi implementada a Nova Política Econômica (NEP). O intuito era esquivar-se do colapso total da economia e combinar princípios socialistas e capitalistas.

Nesse cenário foi criada oficialmente a União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS), em 30 de dezembro de 1922.

Participação de Lenin na Revolução Russa

Lenin se configura como o principal líder da Revolução Russa de 1917, estando na frente do Partido Comunista. Também, depois da fundação da URSS, foi o pioneiro na presidência do Conselho dos Comissários do Povo da União Soviética.

Não por acaso, ao se falar em revolução socialista logo vem o nome de Lenin à cabeça. Isso porque o líder consolidou-a na Rússia e em demais países, promovendo movimentos comunistas por todo o mundo.

Após a sua morte, ocorrida em 1924, os seus propósitos de uma revolução mundial foram abdicados por Joseph Stalin, o seu sucessor. Outro líder da revolução, divergente de Stalin, é expulso da URSS em 1929, assim pondo fim a era leninista soviética.

Decorrido isso, a figura de Lenin foi atrelada à de Karl Marx no panteão socialista, ao passo que o stalinismo desfazia com o seu projeito, principalmente nos contextos internacionais.

Principais obras de Lenin

  • O desenvolvimento do capitalismo na Rússia (1899)
  • Que fazer? (1902)
  • Um passo a frente, dois passos atrás (1904)
  • Duas táticas da social-democracia na Revolução Democrática (1905)
  • Materialismo e empiriocriticismo (1909)
  • Imperialismo, fase superior do capitalismo (1916)
  • As teses de abril (abril de 1917)
  • O Estado e a revolução (1917)

Frases de Lenin

A democracia tem uma enorme importância na luta da classe operária por sua emancipação. Mas a democracia não é um limite que não possa ser ultrapassado, e sim uma etapa no caminho que vai do feudalismo ao capitalismo e do capitalismo ao comunismo.

Nem a opressão dos de baixo, nem a crise dos de cima são suficientes para produzir a revolução – a única coisa que produzirão será a putrefação do país – se o referido país não possuir uma classe revolucionária capaz de transformar o estado passivo de opressão em estado ativo de cólera e de insurreição.

Os capitalistas chamam liberdade de imprensa à liberdade dos ricos de subornarem a imprensa, à liberdade de utilizar a riqueza para fabricar e falsificar a chamada opinião pública.

Os governos são empregados da classe dos capitalistas. Os empregados são bem pagos. Os empregados são os próprios acionistas. E em conjunto tosquiam os carneirinhos ao som dos discursos sobre ‘patriotismo’…

As revoluções são as festas dos oprimidos e explorados.

A razão humana descobriu diversas coisas maravilhosas a respeito da natureza e descobrirá ainda mais, aumentando, assim, seu poder sobre ela.

É verdade que a liberdade é preciosa – tão preciosa que precisa ser racionalizada.

Veja também: Questões sobre a Revolução Russa (1917)

PUBLICIDADE

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.