Malária

A malária é uma doença que acomete principalmente as regiões amazônicas do Brasil.

A malária é uma infecção que causa febre aguda e é provocada por protozoários transmitidos nas picadas de fêmeas infectadas do mosquito Anopheles.

Qualquer pessoa pode contrair a malária e as infecções podem ocorrer mais de uma vez. As pessoas que tiveram mais de um episódio de malária podem adquirir um grau de imunidade parcial, fazendo com que os sintomas das próximas infecções sejam atenuados ou não apareçam.

A maioria dos casos de malária no Brasil ocorrem na região Amazônica. Entretanto, a doença não pode ser negligenciada nas outras regiões já que, mesmo em menor quantidade, também ocorrem infecções e podem ser letais.

Causas da malária

A malária é causada por um protozoário chamado Plasmodium que causa uma infecção com muita febre no corpo do indivíduo.

Transmissão da malária

A transmissão da malária ocorre nas picadas das fêmeas de mosquitos Anopheles que estejam contaminadas com o Plasmodium.

A malária não pode ser transmitida de uma pessoa doente para outras pessoas, ou seja, ela não é uma doença contagiosa.

No entanto, quanto maior a quantidade de pessoas infectadas, mais chances existem das fêmeas de Anopheles serem infectadas pelo Plasmodium e transmitirem para outras pessoas.

A presença desses mosquitos é notada com maior frequência ao entardecer e amanhecer, mas durante todo o período noturno eles podem picar e transmitir o protozoário.

Ciclo da malária

O ciclo de vida do parasita que causa a malária envolve dois hospedeiros: a fêmea do mosquito Anopheles e os humanos.

O ciclo de vida assexuado do protozoário, chamado de esquizogônico, ocorre dentro do corpo humano que é o hospedeiro intermediário do protozoário. A saliva da fêmea do mosquito inocula formas do parasita chamadas de esporozoítos que penetram no fígado e no baço.

Os esporozoítos se multiplicam e formam os merozoítos e, em alguns casos, hipnozoítos, as formas responsáveis pelas recaídas da malária tempos depois da primeira infecção.

Os merozoítos vão para a corrente sanguínea e invadem as hemácias, onde se multiplicam e acabam rompendo essas células. Durante essas divisões são formados os gametócitos que são ingeridos novamente pela fêmea do mosquito Anopheles.

A fêmea de Anopheles é o hospedeiro definitivo do Plasmodium. Os gametócitos ingeridos por ela se tornam gametas e dão origem ao ciclo sexuado do protozoário.

A fecundação dos gametas produz um ovo móvel chamado de oocineto que irá produzir novos esporozoítos através de novas divisões. Esses esporozoítos migram para as glândulas salivares do mosquito e são inoculados nos seres humanos através das picadas.

Ciclo da malária com dois hospedeiros.
Ciclo da malária com dois hospedeiros.

Sintomas da malária

Os sintomas mais frequentes da malária são a febre alta, calafrios, tremores, sudorese, dores de cabeça, náuseas, vômitos, muito cansaço e mudanças no apetite.

Em casos mais graves, a malária pode causar também prostração, alterações de consciência, hiperventilação, convulsões, hipertensão e hemorragias.

Vacina para malária

Ainda não existe uma vacina oficial para combater a malária, mas, nos últimos 35 anos, pesquisas vêm sendo realizadas para que uma vacina eficiente seja desenvolvida.

No início de 2020, a vacina Mosquirix que previne parcialmente a malária começou a ser testada em crianças de países africanos que são intensamente infectados pelo Plasmodium.

Prevenção da malária

A maior prevenção contra a malária continua sendo o controle do mosquito Anopheles e o uso de repelentes, roupas que cubram bem o corpo e mosqueteiros durante a noite.

Obras de saneamento básico, drenagem de águas paradas, aterros sanitários, limpeza de rios e afluentes, controle de vegetação aquática, uso racional da terra, melhoramento de moradias e condições de trabalho são outras importantes medidas que devem ser tomadas na luta pela erradicação da malária.

Tratamento da malária

O tratamento da malária, em geral, é realizado com comprimidos que são fornecidos gratuitamente pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Mas, nos casos graves, os pacientes precisam ser hospitalizados.

O tratamento indicado depende de fatores como a espécie do protozoário que infectou o indivíduo, a idade e as condições de saúde prévias do paciente, mulheres que estejam grávidas, etc.

Os medicamentos utilizados no tratamento visam interromper o ciclo de vida do protozoário parasita.

A malária tem cura?

A malária tem cura desde que o tratamento seja feito corretamente. O diagnóstico rápido e o tratamento reduzem a gravidade e a letalidade da doença.

Recomenda-se que seja feito o controle de cura nos pacientes, através de uma lâmina de verificação de cura (LVC) em todos os pacientes diagnosticados com a doença. O objetivo desse controle é a redução progressiva da infecção e a identificação de recaídas durante o tratamento.

Para cada tipo de Plasmodium é realizado um protocolo de LVC diferente, sendo o dia zero, o dia do diagnóstico:

  • falciparum – em 3, 7, 14, 21, 28 e 42 dias após o início do tratamento.
  • vivaxou mista – em 3, 7, 14, 21, 28, 42 e 63 dias após o início do tratamento.

Veja também:

você pode gostar também

Os comentários estão fechados, mas trackbacks E pingbacks estão abertos.

This website uses cookies to improve your experience. We'll assume you're ok with this, but you can opt-out if you wish. Accept Read More