Ortografia – O que é, principais regras e Novo Acordo Ortográfico

Ortografia é um conjunto de regras que ensina como escrever as palavras, registrar os sinais gráficos e usar de maneira correta a pontuação em enunciados e textos.

0

O que é ortografia? Ortografia é um conjunto de regras que ensina como escrever as palavras, registrar os sinais gráficos e usar de maneira correta a pontuação em enunciados e textos.

De acordo com a etimologia (ciência responsável por estudar a origem das palavras), ortografia vem do grego ortho que significa “correto”, e grafo significa “escrita”.

É importante destacar que a ortografia relaciona-se aos seguintes estudos:

  • Fonologia: estudo dos sons e particularidades da fala;
  • Morfologia: estudo das palavras e suas classificações;
  • Sintaxe: estudo das relações e combinações entre as palavras de um enunciado.

Estas áreas constituem a gramática normativa, que é o conjunto de regras que pautam os textos formais da língua portuguesa.

Além disso, a ortografia visa atender as demandas e necessidades da sociedade e/ou dos grupos linguísticos em que é explorada, portanto, ela pode ser considerada um produto da cultura e da convenção social (ilustrada pelo esforço de unificar a língua escrita através de acordos ortográficos).

Principais regras da ortografia

A escrita da língua portuguesa é formada através de sinais gráficos ordenados que registram os sons da língua. Estes sinais gráficos são letras que em conjunto formam o alfabeto.

O alfabeto contém vinte e seis letras: cinco vogais e vinte e uma consoantes. No conjunto destas letras, há três de origem estrangeira: K, X e Y.

Registra-se K, X e Y nos seguintes casos:

  • Palavras estrangeiras que não foram aportuguesadas: happy hour, notebook, Facebook etc.
  • Topônimos (nome próprio de um lugar): Kuwait, Kosovo etc.
  • Antropônimos (nome próprio de pessoa ou ser personificado): Darwin, Weslley, darwinismo etc.
  • Símbolos e siglas: kg (quilograma) etc.

Uso Ç

Registra-se Ç nos seguintes casos:

  • Palavras de origem árabe e indígena: muçulmano, paçoca etc.
  • Verbos no imperativo (modo que exprime uma ordem, conselho e/ou pedido) findados em -ECER e no tempo presente do subjuntivo (modo que exprime um fato possível ou duvidoso): apareça (aparecer), estabeleçam (estabelecer) etc.
  • Substantivos derivados de verbos que não marcam a desinência -R: sedução (seduzir), traição (trair) etc.
  • Substantivos derivados de palavras terminadas em -TO: relação (relato), eleição (eleito) etc.
  • Substantivos derivados de palavras terminadas em -TOR: audição (auditor), infração (infrator) etc.
  • Substantivos derivados de palavras terminadas em -TIVO: ação (ativo) etc.
  • Substantivos terminados em -TENÇÃO: retenção (reter), atenção (ater) etc.

Uso de CH e X

É muito frequente as pessoas confundirem CH com X e vice-versa. Confira abaixo as regras de uso de cada letra.

Registra-se X nos seguintes casos:

  • Palavras de origem indígena, africana e aportuguesadas do inglês: xerox, xingar, xavante, xará etc.
  • Ditongos (encontro vocálico que liga uma vogal e uma semivogal pronunciadas numa só sílaba): frouxo, caixa etc.
  • Palavras iniciadas por ME-: mexicana, mexer etc.
  • Após a sílaba inicial EN-: enxurrada, enxada, enxugar etc.

Atenção!

O verbo “encher” e o substantivo “mecha” escrevem-se com CH (não confunda com “mexa” do verbo mexer).

Leia abaixo exemplos de palavras com CH e X:

 Palavras com CH

chama
colcha
bolacha
boliche
mochila
tocha

 Palavras com X

xingamento
lagartixa
xerife
bexiga
bruxaria
caxumba

Uso do E

  • Verbos terminados em -OAR e -UAR: perdoe (perdoar), atue (atuar) etc.

Uso do I

  • Nos verbos terminados em -UIR, -OER, -AIR: polui (poluir), dói (doer), atrai (atrair) etc.

Uso do G e J

Registra-se G nos seguintes casos:

  • Palavras terminadas em -ÁGIO, -ÉGIO, -ÍGIO, -ÓGIO, -ÚGIO: estágio, colégio, prodígio, refúgio etc.
  • Substantivos terminados em -AGEM, -IGEM, -UGEM: garagem, imagem, ferrugem etc. Exceções: pajem, lambujem.

Em contrapartida, registra-se J nos seguintes casos:

  • Palavras derivadas de outras palavras que já contêm J: sujeito, sujeitar, sujeição, subjetivo.
  • Conjugações de verbos terminados em -JAR, -JER ou -JEAR: arranjei (arranjar), gorjeiam (gorjear) etc.
  • Palavras terminadas em -JA: laranja, laranjada, laranjal etc.
  • Palavras de origem árabe, africana e tupi: alforje (árabe), jiló (africana), pajé (tupi).

Abaixo leia exemplos de palavras com G e J:

Palavras com G

tigela
tangerina
ligeiro
estrangeiro
angélico

Palavras com J

traje
sarjeta
jiboia
anjinho
cafajeste

Uso do H

Registra-se H nos seguintes casos:

  • Palavras compostas: super-herói, sobre-humano etc.
  • Nos dígrafos NH, LH, CH: amanhã, palhaço, chamar etc.
  • Casos de etimologia: hábil, habilidade, habilidoso etc.
  • Interjeições: Ah! Oh!

Uso do S e Z

Registra-se S nos seguintes casos:

  • Conjugações dos verbos “pôr” e “querer”: pôs, quis.
  • Após ditongos, quando houver som de Z: lousa, coisa, náusea etc.
  • Sufixos -ÊS, -ESA, -ISA que indicam profissão, título e origem: francesa, poetisa, baronesa etc.
  • Adjetivos terminados em -OSO, -OSA que exprimem noção de quantidade, circunstância e/ou estado: feioso, horroroso etc.
  • Verbos terminados em -NDER, -NDIR: suspensão, suspenso, suspensivo (suspender).
  • Palavras terminadas em -ERTER, -ERTIR: conversão, convertido (converter).

Registra-se Z nos seguintes casos:

  • Sufixos -IZAR responsável por formar verbos: hospitalizar, equalizar.
  • Sufixos -IZAÇÃO responsável por formar substantivos: hospitalização, equalização etc.
  • Sufixos -EZA, -EZ responsáveis por constituir substantivos abstratos (imateriais, sem existência própria): nobreza, limpeza etc.

Abaixo observe exemplos de palavras com S e Z:

Palavras com S 

uso
jus
invés
gás
alisar

Palavras com Z

verniz
talvez
prazer
giz
amizade

Uso do SS

Registra-se SS nos seguintes casos:

  • Terminações do pretérito imperfeito do subjuntivo (que expressam um fato passado dependente de outro fato passado): vendessem, lessem, estudasse etc.
  • Sufixos que formam o grau do superlativo sintético de alguns adjetivos (intensificam a qualidade de um ser) com -ISSÍMO, -IMO, -RIMO: altíssimo, inteligentíssimo etc.
  • Palavras constituídas de verbos terminados em -METER: remessa (remeter), compromisso (comprometer) etc.
  • Palavras formadas por verbos terminados em -GREDIR: regressão (regredir), progresso (progredir) etc.
  • Palavras constituídas de verbos findados em -PRIMIR: impressão (imprimir), repreensão (reprimir) etc.
  • Palavras formadas por verbos terminados em -CEDER: excessivo (exceder) etc.

Novo Acordo Ortográfico

O Novo Acordo Ortográfico, aprovado em 2008 e vigente desde 2016, tem o objetivo de facilitar a comunicação entre os países de língua portuguesa.

Portanto, Portugal, Brasil, Guiné Bissau, Angola e outros países apresentam as mesmas normas ortográficas.

No entanto, ainda observa-se nas escolas, universidades e na sociedade de maneira geral um certo desconhecimento dessas alterações.

Abaixo destacamos as principais modificações do Novo Acordo Ortográfico:

1- O alfabeto passou a ter 26 letras. K, W e Y foram oficialmente incluídos.

2 – Utilização do trema (¨) apenas em palavras e nomes estrangeiros: Müller.

3 – Palavras homógrafas (que possuem a mesma grafia, mas significam coisas diferentes) perderam o acento diferencial. Por exemplo, antes registrava-se “pára” com intenção de distinguir verbo e preposição, agora, grafa-se “para”, sem acento, em ambos os casos.

4 – Palavras com dupla vogal EE e OO perderam o acento circunflexo (^): lêem (antes do Novo Acordo), leem (depois), vôo (antes) e voo (depois).

5 – Ditongos abertos em paroxítonas EI e OI perderam o acento: assembleia, geleia.

6 – Letras I e U perderam o acento depois de ditongo nas paroxítonas: Sauipe, feiura.

7 – Quanto ao hífen, ele deixou de existir nos seguintes casos:

  • Palavras que terminam com vogal e o próximo termo inicia com R ou S, antes eram separadas por hífen, agora as consoantes são duplicadas: ultra-som (antes), ultrassom (depois), auto-regulação (antes) e autorregulação (depois).
  • Palavras que as consoantes iniciais do segundo termo são distintas de R ou S, também não se usa mais hífen: semi-novo (antes), seminovo (depois).
  • Palavras com prefixo CO- não se usa mais hífen. Caso o segundo termo inicie com H, a consoante é excluída: co-autor (antes), coautor (depois), co-habitação (antes), coabitação (depois).

Importância da ortografia

A ortografia é imprescindível para a preservação da unidade da língua portuguesa, já que ao estabelecer regras para o uso de determinadas palavras e pontuação, ela garante que a escrita tenha um padrão, independente de variações geográficas.

Assim, um texto escrito conforme as regras ortográficas pode ser compreendido por nativos de qualquer região do Brasil, bem como outros estados e territórios onde o português é língua oficial.

Os conhecimentos ortográficos possibilitam maior domínio da modalidade escrita do português, pois, como se sabe, são indispensáveis para quem deseja escrever conforme a norma padrão.

Leia mais: 

PUBLICIDADE

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.