Reino Protista

Reino dos protozoários e das algas.

0

O Reino Protista reúne seres unicelulares e eucariontes, aqueles em que o material genético está separado do citoplasma por uma membrana nuclear.

No entanto, além dos protozoários (heterotróficos) e das algas unicelulares (autotróficas), as algas pluricelulares também foram incluídas nesse grupo por possuírem estruturas reprodutoras muito simples.

Características dos protistas

Apesar da maioria dos protistas serem unicelulares, as células dos protozoários são extremamente complexas e executam todas as funções que órgãos e tecidos fariam num organismo complexo pluricelular.

As células dos protozoários possuem várias modificações para que eles sejam capazes de realizar funções específicas como se locomover, se reproduzir e ter controle hídrico do seu corpo.

Os protozoários são seres de vida livre que se associam com outros seres. Muitos dessas relações parasitas podem ser mutualistas, ou seja, benéficas para ambos, mas também podem ser comensais, isto é, o benefício é apenas para os protozoários, mas sem prejuízo ao hospedeiro.    

Tipos de protistas

  • Rizópodes

O termo rizópodes é derivado do grego “rizo“= raiz e “podos“= pés e é usado porque os organismos pertencentes a esse grupo, as amebas, são dependentes da formação de pseudópodes (falsos pés) para se locomover.

Os pseudópodes são projeções das células que se deformam para que a ameba seja jogada para frente. As amebas são protozoários aquáticos muito simples. Podem ser facilmente encontrados em lodos, próximos a lagoas e em meio a plantas aquáticas. Apesar de pequenas, muitas amebas podem ser vistas a olho nu.

Elas possuem um citoplasma mais denso que a água e, por isso, a entrada da água por osmose no interior do corpo das amebas de água doce acontece em fluxo contínuo. Para que isso não se torne um problema, é necessário controlar o excesso de água dentro da célula.

Amebas

É por esse motivo que as amebas têm uma ou mais estruturas celulares chamada de vacúolo pulsátil ou vacúolo contrátil que se contrai e relaxa (daí ter esse nome), regulando a quantidade de água que entra no corpo delas, chamamos esse processo de função osmorreguladora.

Curiosamente, as amebas de água salgada não possuem esses vacúolos pois a densidade do citoplasma é a mesma da água. Entretanto, se essas mesmas amebas forem levadas para a água doce, elas irão formar os vacúolos pulsáteis.

A alimentação das amebas é por fagocitose e acontece também por meio dos pseudópodes. Eles englobam pequenas algas, bactérias e outras partículas, se partindo e formando um fagossomo que nada mais é que um vacúolo alimentar. Esses fagossomos se unem a lisossomos, então tornam-se vacúolos digestivos e inicia-se a digestão com ajuda de enzimas.

De modo geral, a reprodução das amebas acontece por divisão binária, num mecanismo semelhante a mitose.

  • Flagelados

Os flagelados são mais rápidos que as amebas porque têm uma célula alongada que possui um flagelo na extremidade posterior. A formação desse flagelo, causa também uma membrana ondulante em volta de toda célula.

Morfologias durante o desenvolvimento do protozoário flagelado

Próximo de onde o flagelo se origina, existe uma estrutura chamada de cinetoplasto que contém DNA capaz de se autoduplicar.

A maioria dos protozoários flagelados vivem parasitando organismos de animais, podendo causar sérias doenças, como a Doença de Chagas que é transmitida por barbeiros infectados com o protozoário Trypanosoma cruzi.

A leishmaniose também é uma doença causada por esses protozoários que parasitam células da pele e alguns órgãos internos. A espécie mais comum causadora dessa doença no Brasil é a Leishmania brasiliensis, transmitida pelo mosquito-palha.

  • Ciliados

Esses são os protozoários mais complexos, eles possuem inúmeros cílios projetados na parede de sua célula, fazendo com que sua locomoção seja muito mais rápida que dos outros dois tipos que já estudamos. Eles são representados pelos paramécios.

Eles possuem dois vacúolos pulsáteis funcionando alternadamente para regular a função osmótica e expulsar toxinas de dentro do seu corpo.

Possuem dois núcleos, sendo um maior chamado de macronúcleo e um menor, chamado de micronúcleo. O maior possui uma função reguladora de atividades metabólicas, o menor está relacionado a reprodução.

Protozoário ciliado

Os paramécios têm também uma abertura recoberta por cílios (citóstoma) na parte central da célula que funciona como uma boca. Bactérias e outras pequenas partículas entram e são formados vacúolos digestivos. A expulsão dos restos digestivos se dá por uma abertura lateral na célula, chamada de citoprocto, que funciona como um ânus.

A excreção acontece pela superfície celular e a reprodução dos paramécios é por divisão binária.

  • Algas

As algas são organismos eucariontes, autótrofos fotossintetizantes e já foram consideradas parte do Reino Plantae. No entanto, atualmente esses organismos são classificados no Reino Protista.

As algas são organismos importantes para o abastecimento de oxigênio da biosfera. Elas podem ser uni ou pluricelulares, mas não possuem tecidos, nem órgãos. Como não possui órgãos, seu corpo é sempre um talo, mesmo que ele seja gigante.

Elas podem ser encontradas em ambientes terrestres úmidos, mas é no ambiente aquático (dulcícola ou marinho) que elas são mais abundantes. As microalgas unicelulares podem constituir comunidades chamadas de fitoplâncton e constituem a  base das cadeias alimentares aquáticas.

Clorofíceas – algas unicelulares
Clorofíceas – algas pluricelulares
Reprodução assexuada

As algas podem se reproduzir assexuadamente por divisão binária ou zoosporia. A divisão binária é comum em algas unicelulares e acontece através de uma mitose que dá origem a duas células iguais.

Já na zoosporia, cada zoosporo que se dispersa pelo meio pode dar origem a uma nova alga, é uma reprodução mais comum em algas pluricelulares.

Reprodução sexuada

A reprodução sexuada requer união de gametas de indivíduos diferentes. A produção de gametas ocorre em muitas algas aquáticas e os gametas masculino e femininos podem ser de três tipos:

  1. Isogamia: nesse caso o feminino e o masculino não podem ser diferenciados.
  2. Heterogamia: gametas diferentes, móveis e flagelados, com o masculino bem menor que o feminino.
  3. Oogamia: gameta masculino é pequeno e móvel, enquanto o feminino é grande e imóvel.

A principal forma de reprodução sexuada é a conjugação. Ocorre o pareamento de dois indivíduos que passam um pro outro células inteiras. Essas células são haploides e após a fusão originam zigotos diploides que se dividem por meiose formando duas novas células. Cada célula formada pode originar um novo filamento haploide, como ocorre a meiose, esse tipo de reprodução contribui para a variabilidade genética.

Veja também:

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.