43 Temas de Atualidades que podem ser cobrados no Enem 2018

Confira quais foram os assuntos mais comentados no Brasil e no mundo e que podem “chover” na sua prova do dia 04 de novembro.

0

Trinta dias para o Enem 2018! Sim, o tempo passou “voando” e os estudantes começam a sentir aquele friozinho na barriga, o que é compreensível nesta reta final! Faltando um mês para a prova, é interessante que o candidato dê uma olhada naquilo que foi pauta durante o ano (e há mais tempo) e que pode ser assunto, também, nas provas de novembro.

A estimativa é de que as provas tenham sido encerradas nos meses de maio e junho e, até lá, muita “água correu por baixo da ponte”. Por isso, trouxemos um compilado com temas de atualidades que podem ser cobrados no Enem 2018 ou podem reforçar seu repertório na hora da prova. Preparados para a retrospectiva em pleno mês de outubro? Então, vamos lá!

Crise na Venezuela

A avalanche de notícias sobre os refugiados venezuelanos em Roraima teve maior intensidade no segundo semestre deste ano. Entretanto, a crise no país de Nicolás Maduro persiste desde 2013. A crise foi causada pela combinação da queda no preço do barril de petróleo, o esgotamento do sistema político e o isolamento econômico pelos EUA.

Crise na Argentina

A crise na Argentina, de fato, é uma situação que se estende desde o final da década de 90. Recentemente, foi agravada com denúncias de corrupção, esvaziamento dos cofres públicos, desemprego, disparada nos índices de inflação e influência na exportação e importação de produtos.

Um acordo histórico com o Fundo Monetário Internacional, o FMI, levantou um empréstimo de USD 7,1 bilhões, montante nunca antes emprestado a uma nação. O intuito do governo Macri é que o valor arrecadado solucione parte dos problemas financeiros do país.

Fake News

A palavra preferida de Donald Trump vem sendo fortemente mencionada, especialmente no período eleitoral brasileiro. As notícias falsas são um problema por interferirem de forma séria em áreas como a saúde, política, economia, segurança e educação. Há quem afirme que o compartilhamento de inverdades elegeram Donald Trump.

No Brasil, o Movimento Brasil Livre (MBL) foi acusado de propagar conteúdo falso tendo, como retaliação, que deletar parte de suas páginas em redes sociais. E a coisa não para por aí! Informações erradas espalhadas pelo WhatsApp sobre a vacinação contra o sarampo e outras doenças impediram pessoas de se imunizar.

Crise nas Coreias

Kim Jong Un, Donald Trump, ameaça de ataques nucleares… esses assuntos também entraram em pauta nos principais noticiários internacionais. A reaproximação das duas Coreias, separadas por motivos ideológicos, foi intermediada pelo presidente norte-americano.

No entanto, a troca de farpas entre os líderes ocidental e norte-coreano fez com que o mundo temesse um ataque nuclear. Isso porque os dois países afirmam ter posse de armas que poderiam destruir a humanidade! Felizmente, as duas Coreias assinaram a Declaração de Paz até o fim de 2018 e se comprometeram a acabar com seu arsenal.

Aliás, o próprio regime ditatorial de Kim Jong Un, seus testes nucleares e a separação de famílias nas duas porções são temas prováveis na prova.

Epidemias de doenças erradicadas

Crise econômica, precariedade, surtos de sarampo em Roraima e disseminação de fake news foram fatores chave para que doenças até então erradicadas voltassem. Além do sarampo, difteria, poliomielite e rubéola assustaram os brasileiros em pleno século XXI! A situação se agravou com informações espalhadas em redes sociais sobre as vacinas.

Crise imigratória e de refugiados

A imagem de barcos lotados de pessoas vagando em alto mar no litoral europeu tornou-se frequente nos noticiários internacionais. Fugindo da fome, guerras e terrorismo, uma horda de imigrantes oriundos da África e países do Leste Europeu tornou-se um problema político, econômico e social nos países mais desenvolvidos da Europa.

A questão foi mais evidente por dois fatores. O primeiro é a questão Síria, com imigrantes aterrorizados pela guerra que se estende há anos. O segundo foi a Copa do Mundo, da qual a França saiu vitoriosa graças à atuação de jogadores descendentes de imigrantes. A maior parte nasceu na África e descende de africanos.

Minorias e Direitos Humanos

Aí um assunto frequente nas provas do Enem e que, convenhamos, é muito atual. É importante que o candidato esteja antenado nas questões envolvendo refugiados, LGBTi, índios, negros, crianças, idosos e mulheres.

Governo Trump

A figura polêmica de Donald Trump é assunto nos noticiários e redes sociais onde, inclusive, o presidente norte-americano adora se manifestar! A construção do muro na fronteira com o México e a aplicação da Lei dos anos 50 que previa a separação de filhos e imigrantes sem documentação construíram sua impopularidade no mundo.

Além disso, Trump vive envolto em situações complicadas na política externa em virtude de suas declarações. Retirou os EUA do Tratado do Pacífico, anunciou a saída do país da Unesco em 2020, ofendeu líderes europeus, além de constantemente se ver em discussões complicadas com a imprensa norte-americana.

Questões do meio ambiente

Crise hídrica, aquecimento global, efeito estufa, envolvimento de países desenvolvidos nas questões ambientais, desmatamento, entre outros assuntos relacionados ao meio ambiente estão sempre presentes nas provas do Enem.

Greve dos caminhoneiros

Os caminhoneiros mostraram sua força ao parar o país em maio deste ano. A dependência do transporte de cargas ficou evidente na falta de combustíveis nos postos, no abastecimento deficiente em supermercados, cancelamento de voos, entre outras consequências da paralisação.

Eleições 2018

Tenha certeza de que as eleições não serão assunto somente no feed de notícias do Facebook! As discussões sobre esquerda, direita, candidatos polêmicos, propostas dos eleitos, manifestações de eleitores e atentados contra políticos provavelmente serão cobrados em sua prova!

Outros pontos que podem ser mencionados: a proposta de imprimir o voto após a inserção na urna eletrônica, o atentado ao candidato Jair Bolsonaro, representação de 130 candidatos indígenas (a maior da história), tentativa de candidatura de Lula à presidência e sua substituição por Haddad.

Incêndio do Museu Nacional

As mais de 20 milhões de peças que representam 200 anos de História viraram cinzas com o incêndio de proporções gigantescas que acometeu o Museu Nacional no Rio de Janeiro. A instituição vinculada à UFRJ serviu de residência à família real portuguesa e foi alvo de críticas devido às falhas em sua manutenção.

Além de símbolos históricos, como múmias egípcias, o crânio Luzia e fósseis milenares, perderam-se trabalhos científicos e documentos guardados nas salas de pesquisa e cursos de pós-graduação.

Assassinato de Marielle Franco

A vereadora do Rio de Janeiro, Marielle Franco, e seu motorista, Anderson Gomes, foram mortos em março deste ano em uma emboscada. O fato levou centenas de pessoas às ruas protestando contra a morte de Marielle, que era símbolo na luta pela igualdade de gênero e defesa das mulheres.

Sete meses após o crime, que é claramente ligado a questões políticas, ainda não foram encontrados os culpados, mesmo após a prisão de suspeitos de envolvimento.

Prisão de Lula

Condenado em 2017 por corrupção na Operação Lava Jato, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi preso em abril deste ano e, desde então, cumpre pena em unidade de Polícia Federal na cidade de Curitiba. Entre as acusações, o recebimento de um triplex como propina em contratos da Petrobrás.

Problemas de mobilidade urbana

A mobilidade urbana nunca sai de moda em virtude dos constantes problemas de transporte. A situação perdura porque o crescimento populacional não é acompanhado por melhorias nos sistemas públicos de transporte.

Reforma Trabalhista

A Reforma Trabalhista entrou em vigor em novembro do ano passado e, entre as modificações nas relações de trabalho, estão a divisão das férias em três períodos, jornada de trabalho ampliada para 12 horas, permissão de trabalho insalubre de graus médio e leve para grávidas e lactantes, além de desconsiderar o tempo de deslocamento para o trabalho.

Desenrolar da Operação Lava Jato

O maior escândalo de corrupção identificado na história brasileira foi descoberta em 2014. Mas, as investigações seguem até hoje e, cada etapa, descobre mais nomes. Entre os envolvidos, empreiteiros, políticos e a Petrobrás no esquema que combinava preços de obras como se fossem reais.

Operação Carne Fraca

Em mais uma operação empreendida pelas autoridades policiais, a Operação Carne Fraca descobriu o envolvido de grandes empresas em lavagem de dinheiro, produtos adulterados e fraudes de laudos técnicos. As investigações deram conta de que a carne consumida no Brasil e enviada para exportação era imprópria para consumo.

Neste ano, a Polícia Federal identificou esquemas de fraudes envolvendo o Ministério da Agricultura, além de mesadas enviadas a deputados federais que participavam do esquema.

Crise econômica brasileira

Desemprego, falência, aumento da inadimplência… tudo fruto da crise econômica iniciada em 2008 que, até então, não conseguiu ser controlada. O desequilíbrio nas contas públicas é agravado pelo clima de desconfiança dos investidores no Brasil, em virtude da queda de credibilidade pelos escândalos de corrupção.

Como tentativas de controlar a crise, foi sugerida a privatização de estatais, incluindo Eletrobrás, Casa da Moeda e o aeroporto de Congonhas. O alto índice de rejeição ao presidente Michel Temer ilustra o descontentamento dos brasileiros.

Intolerância

Homofobia, xenofobia, intolerância racial e religiosa estão entre as questões que sempre são abordadas, o que não deve mudar neste ano. A discriminação pode ser cobrada nas provas ou como tema de redação.

Crise no sistema prisional

O ano de 2017 terminou com a crise na segurança em Natal enquanto 2018 literalmente começou com rebelião em uma penitenciária goiana. No mês de abril, 22 pessoas morreram em uma tentativa de fuga no Pará. Em maio, um incêndio atingiu centro de internação para menores, novamente em Goiás, matando dez jovens.

Os fatos denunciam a tragédia anunciada no sistema prisional brasileiro que traz superpopulação carcerária, precariedade estrutural, mão de obra deficitária e a própria inércia judiciária.

Reforma política

Está em pauta a reforma política que prevê, entre outros itens, fim das coligações, mudanças no sistema eleitoral, financiamento de campanhas, adoção do voto distrital, criação de um fundo eleitoral, alterações nas transmissões de horários eleitorais, adoção do voto facultativo e mudança para o Parlamentarismo.

Bullying e suicídio

O bullying atinge uma a cada dez crianças no Brasil, de acordo com o Programa Internacional de Avaliação de Estudantes (Pisa) de 2015. Os atos de violência física e psicológica praticados por colegas foi evidenciado após ataques armados ocorridos em escolas de Goiás e, mais recentemente, Paraná.

Uma das consequências mais graves do problema é representar a principal causa de suicídio entre crianças e adolescentes. O atentado contra a própria vida, inclusive, virou pauta em virtude dos casos relacionados às brincadeiras virtuais, como o Jogo da Baleia Azul e a Boneca Momo.

Violência contra a mulher

O Atlas da Violência publicado neste ano mostra de 50% dos crimes de cunho sexual foi praticado contra meninas com idade inferior a 18 anos. Em 2015, 45.460 pessoas foram vítimas de estupro, a maior parte crianças e adolescentes. O feminicídio alcança índices alarmantes, com notícias frequentes de mulheres mortas por seus companheiros.

Recentemente, a advogada Tatiane Spitzner foi morta pelo marido dentro de casa e teve suas agressões registradas pelas câmeras de segurança do prédio. A funcionária pública judiciária, Giselle Evangelista, foi encontrada morta em seu quarto, vítima do namorado, preso posteriormente.

Sistema de cotas

A Universidade de São Paulo (USP) adotou o sistema de cotas em 2018, o que já é aplicado por diversas instituições de ensino brasileiras. Este é um tema frequentemente abordado nas provas do Enem.

Guerra na Síria

Iniciada em 2011, a Guerra na Síria desponta como uma das maiores tragédias na história da humanidade. O pontapé deu-se no contexto da Primavera Árabe quando houve tentativas de derrubar governos não-democráticos. As forças estatais lutam contra os rebeldes e o clima de instabilidade foi o terreno perfeito para a atuação do Estado Islâmico.

A Síria tem um aliado de peso, a Rússia. Mas, em 2017, a Síria foi atacada pelos Estados Unidos deixando 15 mortos pelo lançamento de mísseis. Somente em 2018, a estimativa é de 30 mil pessoas tenham deixado o país. O número de mortos, entretanto, é infinitamente maior e os bombardeios aumentaram com intensificação russa.

Brexit

Ok, o Brexit aconteceu em 2016, mas suas consequências ainda não terminaram. A negociação do Brexit tem finalização prevista para 2019 e, até lá, tratados feitos com o Reino Unido devem ser negociados. Imigrantes têm sido expulsos do país desde sua saída da União Europeia, além dos desentendimentos políticos no próprio país.

A primeira ministra, Theresa May, enfrenta rejeição em seu partido devido ao modo como o processo é conduzido. Um novo referendo foi proposto, mas rechaçado por May. Em contrapartida, o plano de saída à União Europeia foi apresentado por Theresa em maio, sendo recusado.

Atentados terroristas

O ano de 2018 acompanhou uma série de atentados terroristas praticados em diferentes partes do mundo. Em janeiro, um carro bomba explodiu na sede da ONG “Save the Children”, no Afeganistão, deixando seis vítimas fatais e 22 feridos. No mesmo país, um homem-bomba filiado ao Estado Islâmico detonou explosivos em uma festividade em Cabul.

Foram mortas 33 pessoas e 58 ficaram feridas. A França passou por dois atentados. No primeiro, um terrorista armado com uma faca matou uma pessoa e feriu quatro no mês de maio. Depois, outro terrorista invadiu um supermercado no sul do país com um caminhão, matando quatro reféns e ferindo 15.

Na Indonésia, delegacias e igrejas cristãs foram alvos de ataques no mês de maio. Ao que tudo indica, os participantes eram filiados ao Estado Islâmico.

100 anos de Nelson Mandela

Nelson Mandela, líder sul-africano que tornou-se símbolo da luta pela igualdade racial, nasceu no dia 18 de julho de 1918. Ganhador de um Prêmio Nobel da Paz e eleito presidente da África do Sul, faleceu em 2014 aos 95 anos de idade. A ONU estabeleceu que sua data de nascimento como o Dia Internacional de Nelson Mandela.

Desastres naturais (furacão Florence, tufões na Ásia)

Os desastres naturais fizeram sua parte no que toca aos fatos marcantes de 2018. Entre agosto e setembro, o Furacão Florence causou a morte de 44 pessoas nos Estados Unidos, além de provocar consideráveis estragos. No mesmo mês, o super tufão Mangkhut matou pelo menos 74 pessoas nas Filipinas.

Copa do Mundo 2018

Sediada na Rússia, a Copa do Mundo teve os jogos disputados entre 14 de junho e 15 de julho, tendo um lobo como mascote. O “Zabivaka” representava a preocupação com o meio-ambiente. A edição deste ano teve a França como campeã e o Brasil foi eliminado nas quartas de final.

Movimento #metoo

Hollywood foi pega de surpresa com a avalanche de casos de agressões sexuais cometida por atores e diretores. Além das denúncias contra o ator Kevin Spacey, o diretor Harvey Weinstein também recebeu acusações provenientes de atrizes e mulheres que trabalharam com o profissional ao longo de anos.

A hashtag #metoo foi usada pela atriz Alyssa Milano que, pelo Twitter, convocou mulheres vítimas de assédio a responder sua mensagem usando o símbolo. No entanto, o movimento Me Too foi criado em 2006 pela ativista negra americana Tarana Burke. O intuito era apoiar mulheres negras vítimas de violência sexual.

Resgate das crianças tailandesas

Em junho deste ano, o mundo parou para acompanhar o dramático resgate de doze crianças e seu técnico de futebol presos em uma caverna na Tailândia. O grupo foi pego de surpresa durante um passeio por uma inundação repentina. Países como Japão, Austrália, Laos, Israel, Rússia e Estados Unidos enviaram ajuda humana e material.

A operação arriscada envolvia mergulhos a grandes profundidades e passagens subterrâneas. Após mais de dez dias, todos foram retirados com vida. No entanto, um dos mergulhadores, o sargento Saman Kuhan, morreu ao retornar da missão para repor os tanques de oxigênio.

Queda de construções

Miami, Chijara e Gênova. O que estas cidades situadas em pontos tão distantes – Estados Unidos, Colômbia e Itália – têm em comum? Tragédias envolvendo a queda de pontes e passarelas para pedestres. O primeiro caso aconteceu na cidade colombiana quando seis operários morreram nas obras de uma ponte, no mês de janeiro.

Em março, uma passarela para pedestres cuja inauguração era recente caiu em Miami, matando nove pessoas. Por fim, em agosto, a ponte Morandi, construção que ligava dois bairros genoveses, ruiu, matando 43 pessoas. As ocorrências levaram à discussões sobre a segurança das construções, riscos de má manutenção e tipo de material empregado.

Homofobia

Recentemente, a Índia descriminalizou a homossexualidade, porém mais de 70 países ainda condenam gays e lésbicas como criminosos. Em oito deles, homossexuais são punidos com a morte. Enquanto isso, o Brasil ocupa o triste posto de nação que mais mata transexuais e travestis no mundo.

Só nos quatro primeiros meses de 2018, 53 foram assassinados, número 18% que o mesmo período no ano passado. A homofobia é conceituada como a repulsa ou aversão a homossexuais. O preconceito e o ódio impedem que gays exerçam sua cidadania e, mais ainda, vivam com segurança.

Movimentos do Estado Islâmico

Ataques terroristas marcaram o ano de 2018 e boa parte dele foi reivindicada pelo Estado Islâmico, organização fundamentalista que pratica interpretação rigorosa do Alcorão, o livro sagrado muçulmano. O tema pode ser cobrado no Enem envolvendo as motivações do EI, suas principais características, a crise dos refugiados e a adesão de jovens do mundo todo.

Questão indígena na Amazônia

A questão indígena na Amazônia envolve diretamente a chamada “bancada ruralista”, formada pela Frente Parlamentar da Agropecuária. O grupo é constituído por 200 deputados federais que representam os interesses dos grandes proprietários de terra. Seus interesses se relacionam às políticas que favorecem o agronegócio.

Nisso, influenciam na legislação ambiental, política de reforma agrária, trabalho no campo e, principalmente, as terras indígenas. A demarcação das terras destinadas às nações indígenas representaria um obstáculo para o avanço do agronegócio e, desde 2016, não há decretos assinada para homologação destas demarcações.

Racismo e Charlottesville

No segundo semestre do ano passado, grupos supremacistas brancos realizaram uma marcha na cidade de Charlottesville, no estado americano da Virgínia. Os manifestantes protestavam contra a retirada da estátua do general Robert E. Lee, que defendia a escravidão nos Estados Unidos, de um parque estadual.

O movimento reacendeu os debates a respeito do racismo nos Estados Unidos e no mundo. Portanto, é importante aprofundar seus conhecimentos sobre os Direitos Civis, quem foi Martin Luther King, declarações de líderes políticos, além dos ataques racistas promovidos no Brasil, que não são poucos.

Sistema previdenciário brasileiro

Um dos pontos polêmicos levantados pelo Congresso Nacional foi a Reforma Previdenciária, tentativa de “amenizar” a crise econômica. No entendimento dos parlamentares, os gastos previdenciários geram custos altos para a máquina pública. Importante analistas os itens modificados, como tempo de contribuição para aposentadoria.

Estatuto do Desarmamento

O Estatuto do Desarmamento pode voltar à tona justamente pelas eleições, a partir de candidatos que são favoráveis à liberação do porte de armas. A lei foi sancionada em 2003 pelo então presidente Lula e trata do registro, posse e comercialização de armas e munição. A questão envolve ideologias pessoais, fatores econômicos e a própria violência.

Privacidade na internet

As discussões promovidas nos últimos dois anos reacenderam a questão da privacidade na internet. Além de fotos vazadas envolvendo celebridades, as constantes tentativas de bloqueio do WhatsApp por parte da Justiça brasileira colocam em evidência os direitos digitais e o próprio Marco Civil da Internet.

Movimentos separatistas na Catalunha

O referendo para a separação da Catalunha e Espanha foi feito no ano passado, mas ainda rende discussões, manifestações e debates políticos. No início de outubro, policiais e separatistas entraram em confronto no aniversário do referendo. O Dia da Catalunha levou, no mês de setembro, 440 mil às ruas pedindo pela Independência.

China

A China não deve ficar de fora da sua prova do Enem. Seu crescimento econômico identificado nos últimos anos, sua complexidade cultural e as recentes rusgas com o governo norte-americano podem ser cobrados na redação ou nas próprias questões.

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.