Guerra da Cisplatina

A Guerra da Cisplatina foi um conflito armado entre o Império do Brasil e as Províncias Unidas do Rio da Prata pelo controle da Província da Cisplatina, atual Uruguai.

0

O que foi a Guerra da Cisplatina? A Guerra da Cisplatina foi um confronto armado entre o Império do Brasil contra as Províncias Unidas do Rio da Prata (Argentina) pelo controle da Província da Cisplatina, atual Uruguai. Foi a primeira guerra que o Brasil enfrentou enquanto um país independente.

Portugal fundou a Cisplatina em 1680. Entretanto, o território foi colonizado pela Espanha, responsável pela região a partir de 1777. Quando a coroa portuguesa se fixa no Brasil, incorpora novamente o território em seus domínios.

A guerra se estendeu de 1825 até 1828. A consequência do conflito foi desastrosa para o país que perdeu o território e ainda teve que enfrentar uma profunda crise econômica.

Resumo

Durante o reinado de Dom Pedro I, iniciou-se um movimento de libertação da província. A população cisplatina ansiava pela independência do Brasil. Um dos motivos era o fato de não se identificarem com o país, por possuírem costumes e idiomas diferentes.

As Províncias Unidas do Rio da Prata apoiaram os habitantes da Província da Cisplatina, concedendo alimentos e armas. No entanto, o real desejo era anexar a região ao seu domínio após a independência do país.

Como reação, o Brasil declarou guerra às Províncias Unidas do Rio da Prata. Aconteceram vários conflitos que obrigaram a coroa portuguesa a gastar uma grande quantia do dinheiro público.

A população brasileira não apoiava o conflito pois não queriam o aumento dos impostos para financiar a guerra. O dinheiro gasto descontrolou os cofres públicos do país e a imagem de Dom Pedro I ficou desgastada.

A Inglaterra, também interessada economicamente pela região, agiu como mediadora do conflito em 1828, propondo um acordo entre ambos os países (Brasil e Argentina), que determinava que a Província da Cisplatina seria independente.

Com isso, o resultado do conflito não foi vantajoso ao Brasil que viu a crise política se aprofundar no país. O resultado desfavorável na guerra aumentou a insatisfação dos brasileiros com o imperador que renunciou ao trono em 1831.

Contexto histórico

Desde que a Colônia do Santíssimo Sacramento (Província da Cisplatina) foi criada (1680), ela é disputada pelas coroas de Portugal e Espanha. Entretanto o conflito se torna mais intenso em 1816, quando a coroa portuguesa decide incorporar o território ao Brasil.

Em julho de 1821 a Província da Cisplatina é incorporada ao Império. Durante o reinado de Dom Pedro I, Juan Antonia Lavalleja e Frustuoso Rivera proclamam a soberania do país. O movimento de independência da província foi apoiado pelas elites das Províncias Unidas do Rio da Prata.

No final de 1825, o Império do Brasil declara guerra às Províncias Unidas. Em 1826, Carlos Maria Alvear, comandando o exército argentino, e Juan Antonio Lavalleja atravessam o Rio da Prata e começam a conquista do território brasileiro.

O Império envia tropas a fim de combaterem os cisplatinos. O bloqueio de Buenos Aires enfraqueceu as Províncias Unidas.

A Inglaterra intervém no conflito e promove a assinatura do Tratado do Rio de Janeiro de 1828 durante a Convenção Preliminar de Paz, realizada na cidade do Rio de Janeiro. Tanto o Império do Brasil quanto as Províncias Unidas do Rio da Prata assumiram o compromisso de reconhecer a independência da República Oriental do Uruguai.

Características

As principais características da Guerra da Cisplatina são:

Dificuldade em recrutar pessoas para combaterem na guerra: O exército brasileiro recrutou mercenários estrangeiros para lutarem ao lado do Brasil.

A população uruguaia aderiu ao combate ao lado das Províncias Unidas, o que fortaleceu o exército.

A Marinha do Brasil era elevada, formada por cerca de 3 mil marinheiros, 18 brigues, 6 fragatas e mais de 25 embarcações menores.

Principais causas e consequências

Uma das causas da Guerra da Cisplatina alegadas por Dom Pedro I para justificar o interesse do Império pela região da Província da Cisplatina era de que o território pertencia a sua mãe, Carlota Joaquina. Entretanto, os locais questionavam essa aspiração.

Já a principal consequência da Guerra da Cisplatina foi o enorme prejuízo aos cofres públicos que essa guerra causou. Ela enfraqueceu profundamente a economia brasileira e a imagem de Dom Pedro I. No final, o território disputado se tornou independente formando a Província Oriental del Río de la Plata (atual Uruguai).

Saiba mais em:

PUBLICIDADE

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.