História e origem do calendário

Confira a história e origem dos diferentes calendários existentes!

0

história e origem do calendário surgiu a partir da necessidade de ordenar e organizar o tempo, comemorar datas e registrar o desenvolvimento da agricultura.

Os historiadores apontam que o calendário tenha se originado com os sumérios (povo que habitou a Mesopotâmia), por volta de 2700 a.C.

Formado por 12 meses lunares compostos de 29 ou 30 dias, totalizando 354 dias no ano. Este calendário não coincidia com o solar, constituído por 365 dias.

Calendário solar

O calendário solar foi criado pelos egípcios. Composto de 12 meses com 30 dias, acrescido de mais 5 dias ao final do ano, ele totalizava 365 dias no ano.

Os meses eram fragmentados em três estações, Verão, Inverno e Inundação.

O ciclo solar, em termos de observação, traz mais dificuldades, pois as lunações são menores. Assim, ele se tornou mais difícil de ser analisado.

Calendário chinês

O calendário chinês considera tanto o ciclo solar quanto o lunar, ou seja, ele é lunissolar.

Cada ano é composto por 12 lunações, o que desencadeia em 354 dias ao ano. Acrescenta-se um mês a cada três anos, visando não perder a sincronia com o ciclo solar.

As diferenças entre o calendário do ocidente e o calendário chinês fazem com que a data de início do novo ano de ambos não coincida.

Desse modo, o ano novo chinês inicia-se na noite da Lua nova mais próxima do dia em que o Sol transita pelo 15° grau de Aquário. Já o ano novo do ocidente começa todo dia 1° de janeiro.

Calendário cristão ou gregoriano

O calendário cristão é o utilizado no Brasil e em grande maioria do mundo.

Ele surgiu a partir de uma modificação no calendário juliano, feita em 1582.

A mudança ocorreu visando ajustar o ano civil (calendário) ao ano solar que decorre de acordo com o movimento realizado pelo planeta em torno do Sol.

Assim, o então papa Gregório XIII foi o responsável por instituir o novo calendário que levou o seu nome, o calendário gregoriano.

Buscando ajustar a Páscoa com o equinócio de primavera do Hemisfério Norte, ele determinou que o dia após 4 de outubro, passaria a ser o dia 15 do mesmo mês.

Além disso, existiriam anos bissextos. No entanto, se eles não fossem divisíveis por 400, não ocorreriam em anos centenários.

Calendário maia

O calendário maia acompanhou as crenças da civilização maia que acreditava que o tempo é circular, ou seja, algo que ocorreu no passado, vai acontecer novamente.

Assim como os ciclos da natureza se repetem, o Sol se levanta e se põe diariamente, os eventos da vida do ser humano se repetem.

Os maias adequavam os ciclos da vida, o nascimento, puberdade, maturidade e morte aos ciclos da natureza.

Chamado de Haab, o calendário maia é composto por 365 dias. Contudo, eles se dividem em 18 meses formados por 20 dias, o que totaliza 360 dias.

Os cinco dias restantes não são incluídos em nenhum mês e são vistos como dias desfavoráveis para a execução de determinadas atividades.

Há um segundo calendário, o Tzolkin. Ele conta com 260 dias repartidos em três grupos de meses formados por 20 dias. Além disso, os dias são contados de 1 a 13.

Calendário islâmico

O calendário islâmico é um calendário lunar formado por 12 meses, compostos de 29 ou 30 dias. Os anos contam com 354 ou 355 dias.

A contagem deste calendário inicia-se a partir da Hégira, fuga de Maomé de Meca para Medina, que ocorreu no dia 16 de julho de 622.

Saiba mais em:

PUBLICIDADE

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.